Home / Conteúdos / Notícias / 28 de setembro: Dia de luta pela legalização do aborto

28 de setembro: Dia de luta pela legalização do aborto

1045749Resolução aprovada na reunião da Coordenação Nacional da Democracia Socialista neste sábado, 28 de setembro de 2013.

A cada ano são realizados milhares de abortos clandestinos no Brasil. O procedimento, que é considerado crime, está previsto no código penal e prevê pena de um a três anos de detenção para a mulher que o pratica, sendo permitido somente em caso de gravidez resultante de estupro ou de risco de vida para a mãe.

As brasileiras, como as mulheres em todos os países em que interromper a gravidez indesejada é crime, se utilizam de vários métodos para inseguros, que colocam em risco sua saúde e sua vida para realizar um aborto. Nas clínicas clandestinas a segurança e qualidade do atendimento dependem do preço. Em São Paulo, por exemplo, o procedimento custa em torno de R$ 2.500,00. Fica mais do que evidente que a possibilidade de fazer o aborto em condições adequadas e seguras de saúde não é acessível à grande maioria das mulheres. A realização do aborto em condições inseguras e suas sequelas são a terceira causa de mortalidade materna no Brasil. A grande maioria das mulheres que morrem são pobres, jovens, negras e moradoras do meio rural. As pesquisas revelam que quase 50% das mulheres que interromperam uma gravidez são casadas ou vivem com companheiros, e têm filhos. A falta de acesso permanente e estável à anticoncepção é um dos fatores principais da gravidez indesejada. Porém é determinante o padrão de sexualidade, a recusa dos homens em usar a camisinha e em assumir também a responsabilidade pela anticoncepção.

Discutir na sociedade brasileira a descriminalização do aborto é um desafio importante e necessário. O debate deve ser incorporado pelo conjunto dos movimentos sociais, partidos e setores progressistas e de esquerda. A defesa da autonomia das mulheres é central, assim como o combate à hipocrisia que criminaliza as mulheres e coloca suas vidas em risco. Também é necessário avançar em relação à laicidade do Estado. Se isso demanda um forte processo de mobilização e luta do movimento de mulheres, construindo processos de aliança mais amplos, exige, antes de tudo, uma coerência da militância de esquerda na defesa dos direitos das mulheres.

O movimento de mulheres, nos últimos anos, tomou a iniciativa de aglutinar forças sociais em torno da necessidade de debater e lutar pela descriminalização do aborto, com a constituição da Frente Nacional Contra a Criminalização das Mulheres e pela Legalização do Aborto. A Frente tem se reunido periodicamente e realizado ações de conscientização e atos públicos sobre o tema. Apesar da ofensiva dos setores conservadores contra a legalização, o movimento de mulheres segue procurando dialogar com os mais diversos setores.

O ano de 2013 não tem sido fácil para a garantia dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Foram inúmeras as tentativas das forças conservadoras em violar esses direitos, seja por meio de projetos de lei como o Estatuto do Nascituro, seja pela ofensiva para vetar a lei, sancionada pela presidenta Dilma, que garante atendimento a vítimas de violência sexual, ou ainda pela massificação, principalmente nas redes sociais, de um discurso “pró-vida”, no qual a vida da mulher é o menos importante. Por isso, é necessário ficarmos atentas/os aos projetos que tramitam no legislativo sobre o tema. Há inúmeros deles que versam sobre a questão do aborto, tanto os que propõem aumentar as restrições atuais, aqueles que querem reduzir essas restrições, e os que tratam o aborto de forma acessória. Muitas vezes o problema é tratado como uma ação individual, não dando nenhuma garantia de assistência médica às mulheres. Ou ainda projetos em que o sujeito pleno de direito é o óvulo, se sobrepondo aos direitos e a integridade das mulheres. É o caso do Estatuto do Nascituro, ou do projeto conhecido como “bolsa estupro”, entre outras iniciativas. No Rio de Janeiro, por exemplo, a bancada conservadora da Assembleia Legislativa (ALERJ) trouxe para a pauta do seu plenário o Projeto de Lei nº 416, de 2011, que propõe um “Programa Estadual de Prevenção ao Aborto e Abandono de Incapaz”, criando para tal, as “Casas de Apoio à Vida”, que seriam utilizadas “nas hipóteses de estupro, gravidez indesejada ou acidental, em que a mulher não dispuser de meios e apoio para uma gestação segura” (!!!!). Este projeto, que aparece em distintas versões em outros estados,  se insere no contexto de uma ofensiva conservadora contra a luta das mulheres pela legalização do aborto. Esta proposta não só dificulta o debate sobre o direito das mulheres ao seu corpo e escolha em relação à gravidez e à maternidade, como retrocede ao propor que as mulheres vítimas de estupro, que hoje estão entre as poucas mulheres que têm o direito ao aborto garantido pela lei, não exerçam este direito.

Neste 28 de setembro, estamos nas ruas para reafirmar que a luta no Brasil é pelo direito integral das mulheres, separando a sexualidade da reprodução obrigatória.  Ter ou não ter filho, e o direito de interromper uma gravidez indesejada, portanto de recorrer ao aborto, tem de ser uma decisão da mulher, sem que qualquer tipo de constrangimentos e violências de ordem legal, moral, psicológica, ética e médica recaiam sobre elas. Além disso, é preciso dizer um basta à realidade de mulheres morrendo em consequência de abortos clandestinos. É preciso fazer coro às feministas que estão nas ruas afirmando: o corpo é nosso, é nossa escolha, é pela vida das mulheres, LEGALIZE!

Coordenação Nacional da Democracia Socialista, 28 de setembro de 2013.

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook