Home / Conteúdos / Notícias / A aliança de classes na União Europeia

A aliança de classes na União Europeia

932762Por Vicenç Navarro, na Carta Maior *

É impossível entender o que acontece na Eurozona utilizando os mesmos esquemas intelectuais que controlam o pensamento dominante, tanto nas direitas como em amplos segmentos das esquerdas. Um exemplo disso se dá ao observar as políticas de austeridade (que consistem no desmantelamento dos serviços públicos – dos canais públicos de rádio e televisão passando pela sanidade e educação públicas e pela redução das pensões) como resultado da imposição da Alemanha aos demais países, e muito particularmente aos países periféricos da Eurozona.

Ver os países como unidades de ação, sem considerar, entretanto, as classes sociais dentro deles é um erro profundo, um erro que constantemente se reproduz. É lógico e previsível que os grupos econômicos e financeiros dominantes e os estamentos políticos e midiáticos que influenciam (monopolizando os símbolos do país) queiram que a população assim os veja, ou seja, como representando a totalidade do país. Seus interesses, no entanto, entram em constante contradição e oposição aos interesses das classes populares. Um exemplo palpável disso é que as políticas de austeridade do governo alemão afetaram não só as classes populares dos países periféricos da Eurozona (Espanha, Grécia, Portugal e Irlanda), como também as classes populares da própria Alemanha, e muito particularmente a sua classe trabalhadora. Na verdade, a classe trabalhadora alemã foi quem viu um menor crescimento de seus salários, tendo perdido capacidade aquisitiva, com a conseguinte redução das rendas de trabalho a favor do aumento das rendas de capital.

É nítido também observar o contrário. As políticas de austeridade, que beneficiam os grupos financeiros e empresariais dominantes alemães, beneficiam também as classes dominantes desses países periféricos, incluindo a Espanha. Hoje vemos na Espanha e naqueles outros países (Grécia, Portugal e Irlanda) 1) uma redução bastante acentuada dos gastos públicos e, muito em particular, do gasto público social; 2) Gigantescos cortes de emprego público; 3) uma privatização de transferências e serviços públicos, e 4) um ataque aos sindicatos e aos convênios coletivos, todas essas políticas públicas que as forças conservadoras de viés neoliberal sempre desejaram. Essas políticas iniciaram na Alemanha com a Agenda 2010 do chanceler socialdemocrata Schröder, com reformas que significaram dramáticos cortes do Estado de Bem-estar alemão. O escasso crescimento dos salários é um resultado disso.

Novamente, é previsível que a aliança de classes dominantes existente hoje na Eurozona negue a existência de dita aliança, apresentando as políticas de austeridade que estão impondo à população, sem qualquer representação popular, como fundamentais para sair da crise, ainda que a evidência existente mostre exatamente o contrário. Assim, os cortes dos serviços públicos e dos salários se apresentam como condições para “aumentar a competitividade”. Na verdade, se estivessem interessados em “aumentar a competitividade”, os famosos “resgates”, em lugar de ser à banca seriam à economia produtiva, incluído o desdobramento das políticas de desenvolvimento industrial, ou de aumento (ao invés da redução) dos salários como medidas para estimular um maior investimento em infraestrutura que aumentasse a competitividade. Atinge níveis obscenos que o Sr. Almunia, Comissário de Competitividade, tenha favorecido o resgate à banca e se oposto ao resgate dos estaleiros.

Na verdade, toda a política de austeridade é uma estratégia para, além de debilitar o mundo do trabalho, privatizar o modelo social, facilitando a expansão dos serviços e transferências privados. O caso de Catalunha é quase uma cartilha. Os enormes cortes em saúde pública estão beneficiando à saúde privada, da qual era o maior representante quem hoje é Conselheiro de Sanidade, gestor e promotor destes cortes. O Grupo Godó – La Vanguardia – está se beneficiando da privatização da televisão e das rádios públicas da Generalitat, com o qual o governo tem um estreito vínculo, inclusive financeiro. O governo de Artur Mas vem priorizando este grupo midiático nessa relação. E assim um longo etecetera, etecetera…

A necessidade de uma resposta em cada país e em toda a Europa

Frente à aliança das classes dominantes requer-se uma aliança das classes dominadas (que são a maioria da população). Nesse sentido, é positiva, a mobilização da Confederação Europeia de Sindicatos, que está promovendo políticas contrárias e opostas às políticas de austeridade, posturas às quais aderiram os sindicatos alemães.

A aliança de classes dominantes tenta, por todos os meios, que não se fale de classes e que, em seu lugar, se fale de nação, estimulando, ocasionalmente, um classismo que tenta enfrentar as classes populares de um país com outras. Assim, o trabalhador alemão recebe uma imagem – por parte dos maiores meios de informação e persuasão alemães – do grego “vagabundo”, com mais benefícios e proteção social do que ele ou ela têm na Alemanha (na verdade, o operário grego trabalha mais horas por ano e tem menor proteção social que o alemão). Agora, mais do que nunca, falta mostrar esse tipo de nacionalismo pelo que é: a tentativa de utilizar bandeiras para induzir a populações a interesses opostos, para que prejudicadas as classes populares por tais políticas, os apoiem como “defensores da nação”. Existe o nacionalismo burguês (diferente do nacionalismo popular) que o utiliza para tentar mobilizar as classes populares a favor de seus interesses de classe. Assim, claramente.

* Vicenç Navarro é catedrático de Políticas Públicas, Universidad Pompeu Fabra, e professor de Public Policy em The Johns Hopkins University.

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook