Home / Conteúdos / Artigos / A antirreforma trabalhista: sem direitos e sem emprego | Miguel Rossetto

A antirreforma trabalhista: sem direitos e sem emprego | Miguel Rossetto

Entre 2003 e 2014, o Brasil ganhou mais de 20 milhões de empregos com carteira assinada. Em 2014, o desemprego foi o menor da história, 4,8%, assim como a
informalidade, 34%. O salário mínimo teve 75% de aumento real acima da inflação e beneficiou 48 milhões de ativos e aposentados do campo e da cidade. Os sindicatos se fortalecem e conquistam aumentos de salário e qualidade no trabalho.
O período foi de recomposição positiva do mercado de trabalho, responsável por 75% da queda da desigualdade de 2002 a 2013. Num país de brutal concentração da

riqueza nacional, a renda começou a ser distribuída, a pobreza diminuída e o trabalhador valorizado. Foi o aumento da renda do trabalho que possibilitou o crescimento e o desenvolvimento social.

Estas conquistas vieram com a CLT, as negociações sindicais, a Justiça do Trabalho. Portanto, é falacioso e cínico dizer que a perda de direitos dos trabalhadores é requisito para a retomada econômica. São as escolhas econômicas que geram emprego ou desemprego.

Esta destruição trabalhista nada tem a ver com geração de empregos, modernização ou maior eficiência econômica. Ela é filha do golpe contra a democracia, a soberania nacional e os direitos do povo. Reduz o valor do trabalho e aumenta a exploração do trabalhador. Interrompe o ciclo virtuoso iniciado em 2003. Quer enfraquecer os sindicatos, acabar com direitos trabalhistas, dificultar o acesso à Justiça. Assim, sem qualquer diálogo, a mesma maioria parlamentar golpista aprovou esta antirreforma trabalhista em ritmo sumário. Quem comemora? O atraso, a desigualdade, a secular e maldita cultura escravocrata de elites incapazes de enxergar no trabalhador um cidadão de direitos. E foi este mesmo governo ilegítimo que editou portaria permissiva ao trabalho escravo. Quem perde? Os que trabalham e a esperança de fazer do Brasil um país mais igual, mais justo. Esta luta não acabou. Vale o apoio ao abaixo assinado de iniciativa popular dos movimentos sindicais para revogar esta antirreforma e preservar os direitos dos trabalhadores.
Miguel Rossetto foi ministro do Trabalho e Previdência Social e vice-governador do Rio Grande do Sul.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Comente com o Facebook