Home / Conteúdos / Artigos / A conjuntura e as tarefas | Democracia Socialista

A conjuntura e as tarefas | Democracia Socialista

1. A unidade da esquerda política e social – e o papel estratégico do PT – é decisiva para a definição do novo período que está em disputa: ou o golpe é derrotado e abrimos um período de revolução democrática ou o golpe consolida um novo Estado de exclusão e repressão.

2. A disputa eleitoral – que neste mês de maio ganha contornos mais definidos, com cerca de 20 pré-candidaturas à presidência – já indica a grande dificuldade do lado de lá encontrar um nome preferencial. Vale lembrar que desde 1994 até 2014 a polarização foi capitaneada pelo PSDB. No entanto, permanece a grande unidade da direita em torno do programa da austeridade. Entre as suas diferentes apostas para quem vai ao segundo turno, uma certeza: continuar o desmonte do que foi erguido nos governos de Lula e Dilma e dar curso ao retrocesso para colocar o Brasil como colônia das potências imperialistas.

3. Do lado de cá continua – e todas as pesquisas de opinião demonstram – o campo democrático e popular liderado por Lula e pelo PT. A disputa eleitoral é um momento crucial para unificar a esquerda e derrotar o golpe. Golpe, autoritarismo e austeridade não combinam com eleições. Se o golpe não tem força para suprimir as eleições, pode ter força para retirar-lhe o conteúdo democrático.

4. É, portanto, tarefa do PT e de Lula continuar a liderar o processo de constituição desta unidade do campo democrático e popular. É em torno da palavra de ordem LULA LIVRE, LULA PRESIDENTE que se organiza um amplo movimento democrático para disputar as eleições e derrotar o golpe. Este movimento só tem a sua máxima potência em torno da candidatura de Lula.

5. Deste ponto de vista não tem nenhum sentido declarações ou comentários que anunciem a possibilidade do PT abrir mão da liderança de Lula neste processo. O PT é o partido com maior inserção social, representatividade institucional e preferência eleitoral no campo da esquerda. Esta constatação é fruto de uma já longa construção coletiva de milhares de militantes e do reconhecimento popular da liderança histórica de Lula.

6. As tarefas centrais para este momento de organização da disputa eleitoral são:
a) Luta democrática para ter Lula Livre e candidato a presidente.
b) Definição de um programa para a candidatura Lula de conteúdo democrático radical que inclua o Plebiscito Revogatório para todas as medidas tomadas pelo golpe; convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte com base na participação popular e que atualize o programa antineoliberal.
c) Lançamento público, em todo o Brasil, da pré-candidatura de Lula, com a discussão do programa estruturado a partir das deliberações do 6º Congresso.
d) Constituir a frente de esquerda como alternativa política no 1º e no 2º turno e no pós-eleitoral.

São Paulo, 4 de maio de 2018
GTn – Democracia Socialista

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Comente com o Facebook