Home / Conteúdos / Artigos / A Juventude do PT na 2ª Conferência Nacional de Juventude: ampliar direitos para a juventude

A Juventude do PT na 2ª Conferência Nacional de Juventude: ampliar direitos para a juventude

 

A Juventude do PT na 2ª Conferência Nacional de Juventude ampliar direitos para a juventudePor Joanna Paroli*

A JPT está à frente dos grandes movimentos sociais e populares da juventude brasileira. É uma juventude que milita nas áreas rurais do país, nos sindicatos, grêmios estudantis e nas universidades, nos movimentos por cultura livre, pela livre orientação sexual. É uma juventude militante do feminismo e do antirracismo, anticapitalista e anti-imperialista. Ela é tudo isso porque é a juventude petista, ou seja, de um partido militante. A 2ª Conferência Nacional de Juventude será uma oportunidade histórica de reunir a militância petista e sua própria plataforma de lutas numa mesma agenda.

O ano de 2011 tem sido especial para as lutas juvenis. Em todo o mundo, a juventude se concentra no enfrentamento ao capitalismo e às respostas neoliberais à crise econômica e civilizatória. No Brasil, é também com muita mobilização e política que impulsionamos diversas agendas que dialogam com a construção de um novo mundo, concatenada à dimensão de mais oportunidades e direitos à juventude. Exemplo dessas agendas são os Congressos da UNE e UBES, o II Festival das Juventudes de Fortaleza e a 2ª Conferência Nacional de Juventude. Sob a temática “Juventude, Desenvolvimento e Efetivação de Direitos”, a etapa nacional da Conferência, que deve contar com a presença de mais de dois mil jovens, será um espaço privilegiado para a disputa de ideias e valores do conjunto das juventudes.

Foi nesse cenário que se inscreveu o 2º Congresso da Juventude do PT. Num processo que mobilizou mais de dez mil jovens petistas de todo o país, discutimos diretrizes para um novo patamar organizativo, conformamos uma plataforma política que alia estratégia de desenvolvimento e os anseios da juventude e atualizamos nossos desafios e táticas. Um bom exemplo dessa atualização programática foi a inserção do conceito de revolução democrática em nossa matriz programática.  Também afinamos quais as tarefas prioritárias dessa nova geração militante da JPT, que deve: disputar a juventude brasileira com referências socialistas; protagonizar o setor de vanguarda no PT e na sociedade (através da luta pela legalização do aborto e de direito às liberdades individuais); articular ampla frente de luta pela superação plena do neoliberalismo, em conjunto com as juventudes partidárias de esquerda, mediando ações institucionais e a intervenção nos movimentos sociais.

Na 2ª Conferência de Políticas Públicas para a Juventude, que ocorre nesta semana em Brasília, precisamos aprimorar o debate dos direitos para a juventude. Para além de articular eixos centrais e de caráter mais universalizante, como o acesso à educação pública e de qualidade, a promoção de trabalho decente, a reforma política, a democratização da comunicação, a segurança pública e o fortalecimento do SUS, é imprescindível pensar mais agendas que garantam ao jovem viver plenamente sua juventude.

O direito à participação, ao território, à terra, à mobilidade e acesso aos bens culturais/lazer (tendo o passe livre como expressão importante desta pauta), à diversidade, ao desenvolvimento integral, à experimentação e à vida saudável, são políticas fundamentais que devem ser efetivadas. Além disso, o estado deve assegurar à juventude o direito a uma vida segura, que tem a ver com novas abordagens na política de drogas e segurança, dando respostas a uma das principais bandeiras dos movimentos juvenis, a do fim do extermínio da juventude negra. Por fim, queremos um modelo de desenvolvimento que se contraponha às diversas formas de opressão de mulheres e homens, como o racismo, o machismo e a homofobia. Portanto, permanece o desafio de construir caminhos para um mundo com igualdade.

Uma pauta importante deve dar o tom da Conferência, a agenda pelos Marcos Legais da Juventude. Precisamos continuar mobilizados em torno da aprovação do Estatuto da Juventude, com as emendas pensadas no espaço da Conferência e incluídas no Senado, e do Plano Nacional de Juventude. Além disso, é necessário aprofundar o debate sobre o controle social, enraizando a política dos conselhos e as experiências de gestão das PPJ’s. Por último, regulamentar o Sistema Nacional de Juventude, instituindo um fundo público articulado a um pacto federativo, com atribuição aos municípios, estados e União.

Esse novo momento político que se configura pós-Congresso da JPT, e que dialoga com o contexto de realização da 2ª Conferência, deve apontar o fortalecimento da relação da juventude petista com os movimentos sociais. Isso significa dizer que precisamos estabelecer laços de mais solidariedade e intervenção cotidiana nos movimentos sindical, estudantil, nas pastorais sociais, nos movimentos de cultura, das mulheres, LGBTs e da juventude negra.

Precisamos extrair desta Conferência uma plataforma comum dos movimentos e das juventudes partidárias de esquerda, que nos organize para as lutas do próximo período. Sobretudo, a principal ação da JPT nesta Conferência é garantir mais direitos para a juventude brasileira, disputando seus valores a partir da construção de uma cultura coletiva, em contraponto ao consumismo, ao individualismo e à mercantilização da vida.

*Joanna Paroli é militante da Marcha Mundial de Mulheres e eleita para a próxima Direção Nacional da JPT

Veja também

Lula e o Rio São Francisco: 2 anos | Antonio Carlos de Freitas Souza

A sede de água do povo Nordestino começou a ser amenizada com a transposição do São Francisco. A sede de justiça, de igualdade, de democracia continua em suas várias lutas, dentre elas uma muito importante, assim como as águas do Velho Chico corre livre pelos sertões, para um Brasil livre, democrático e soberano, lutemos todos nós por Lula Livre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook