Home / Conteúdos / Artigos / Agricultura familiar: escolhas e desafios

Agricultura familiar: escolhas e desafios

Publicado originalmente no Jornal Folha de S. Paulo. Se preferir, clique aqui e leia o artigo no seu local original.

A agricultura familiar é responsável por cerca de 60% dos alimentos que chegam à mesa das famílias brasileiras

GUILHERME CASSEL

A AGRICULTURA familiar é responsável por cerca de 60% dos alimentos que chegam à mesa das famílias brasileiras e pela matéria-prima para muitas indústrias, representando 85% do total de estabelecimentos rurais do país. Além disso, contribui para o esforço exportador do Brasil, sendo responsável por cerca de 10% do PIB nacional. Ao todo, são aproximadamente 4,1 milhões de famílias gerando renda e respondendo por 77% das ocupações produtivas e dos empregos no campo.

Esses dados justificam os investimentos nesse setor que, além de produzir alimentos, gera trabalho e renda, ajudando a construir um padrão sustentável de desenvolvimento.

O Plano Safra 2007/2008 da Agricultura Familiar disponibilizará R$ 12 bilhões nas diversas linhas de crédito para custeio, investimento e comercialização do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) -R$ 2 bilhões a mais do que foi investido na safra 2006/ 2007. Ao todo, serão cerca de 2,2 milhões de famílias acessando o crédito do Pronaf, com aumento de cerca de 10% dos valores médios financiados em relação à safra passada.

Além da ampliação do crédito, o Plano Safra traz outros avanços: mais recursos a juros menores, ampliação e qualificação dos serviços de assistência técnica e extensão rural, novos estímulos à diversificação produtiva, à proteção do meio ambiente e à geração de renda.

Trata-se do maior e mais completo plano da agricultura familiar. É o maior pelo volume de recursos, pela taxa de juros, que nunca foi tão baixa, e porque é capaz de agregar mais de 2 milhões de famílias ao programa. E é o mais completo porque, pela primeira vez, há um leque de políticas que cobre todo o âmbito da agricultura familiar: seguro, assistência técnica, comercialização, agroindústria e desenvolvimento territorial.

Outro elemento importante é a democratização da distribuição dos recursos, condição para a superação de distorções regionais.

Há quatro anos, 80% dos investimentos eram aplicados na região Sul; hoje, quase 50% de todos os recursos investidos estão no Nordeste, que conta com mais de 2 milhões de agricultores familiares.

Para dimensionar a importância dessas políticas, vale lembrar que, nas últimas décadas, a combinação de uma estrutura agrária concentradora e de padrões tecnológicos excludentes produziu o empobrecimento de milhares de famílias, processo que, em muitos casos, resultou na perda de suas propriedades, na perda da biodiversidade e na contaminação pelo uso intensivo de agrotóxicos.
Do ponto de vista social, o êxodo forçado do campo alimentou um processo de urbanização caótico.

Do ponto de vista ambiental, a degradação de nossas reservas naturais e a redução da biodiversidade trouxe impactos que não podemos esquecer.
A diversidade das culturas está se reduzindo nos terrenos agrícolas de todo o mundo, conforme advertência feita pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) em 2006.

Nos últimos cem anos, 75% das variedades agrícolas se perderam. Historicamente, o ser humano utilizou entre 7.000 e 10 mil espécies, ao passo que hoje só se cultivam 150 espécies -12 das quais representam 75% do consumo alimentar humano. Dessas, só quatro espécies são responsáveis pela metade dos nossos alimentos.

Reverter esse quadro de destruição da biodiversidade exige investimentos em práticas ambientalmente sustentáveis e em tecnologias de energia renovável.
Podemos repetir experiências do passado, concentradoras de terra e de renda, com forte impacto social e ambiental, ou trilhar novos caminhos, aliando a produção de alimentos de qualidade ao uso de biomassa para diversificar nossa matriz energética, a políticas de distribuição de renda, geração de trabalho e combate à pobreza rural.

Países como França, Itália e Alemanha mostraram como a agricultura familiar contribui para a preservação ambiental e para a melhoria da qualidade de vida da população.

Historicamente, o Brasil construiu um modelo agrícola baseado fortemente na monocultura. Os problemas sociais, ambientais e energéticos que nos desafiam parecem indicar que está na hora de seguirmos outros rumos.

GUILHERME CASSEL , 50, engenheiro civil, é ministro do Desenvolvimento Agrário.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook