Home / Conteúdos / Artigos / Água! Pra que te quero?

Água! Pra que te quero?

A demanda crescente por água tem se notabilizado fortemente nas experiências mais recentes e vivenciadas pela sociedade. Tanto o modelo de consumo, como a matriz geradora do modelo de produção conseguiram dar cabo e acelerar o esgotamento hídrico em várias regiões do planeta.

É possível imaginar que o comportamento que se fortalece ao longo do tempo em relação à consciência que as pessoas têm da importância da água, como um elemento fundamental para sanidade humana, estivesse diretamente atrelado aos interesses do capital que se movimenta atrás das águas e numa aposta manipuladora de mentes visando tão somente a imbecialização das pessoas. Nessa perspectiva a Monsanto faz ensaios surpreendentes. Em rede televisiva mandou um recado para milhares de pessoas usando a figura amada de Louis Armstrong e a sua obra prima What a Wonderful World (Que Mundo Maravilhoso).

O cenário que se desenrola na atualidade é permeado de sinais claros de um pesadelo coletivo. Está na pauta do dia da agenda de vários governos o aquecimento global, as alterações ou mudanças climáticas. Os profetas da chuva, ainda em voga, continuam rolando suas pedrinhas no tabuleiro das incertezas e exercitam uma leitura que mescla esforços e saberes distinto. Por exemplo, o circulo e a dança indígena para fazer chover, pedras de sal e a barra vermelha no horizonte. O espírito em clara viagem ao céu. No nosso caso o céu do semi árido bem mais desafiador.

Num contexto urbano forjado de espertezas a figura real e ameaçadora do senhor Desinfeta um sobrevivente da classe média, proprietário de um apartamento num condomínio onde vivem advogados e engenheiros. Queixoso de sua profissão de biólogo resolveu instalar no subsolo de seu condomínio, uma fabrica de desinfetante tendo a principal matéria prima – a água – garantida para seu sucesso. Tem sido assim anos e anos. Dessa forma beneficiado pela cumplicidade e o medo dos demais que só contestam nas suas costas e são incapazes de denunciarem tal crime. Tem mais! O senhor Desinfeta concorre as eleições para sindico do prédio utilizando-se de um golpe sórdido. Um voto por um desinfetante.

Considerando a indiferença dos condôminos quanto ao destino da água, a mesma água que lhes garante asseio, cozinhar e beber. É lamentável o nível de consciência das pessoas. Por isso a temática do reuso da água é intrigante, porém um tema de grande importância, pois passa a ser uma atividade mais abrangente que é o uso racional ou eficiente da água, o controle de perdas e desperdícios, e a minimização da produção de efluentes e do consumo de água. No reuso de água a redução da demanda sobre os mananciais se dar devido à substituição da água potável por uma água de qualidade inferior que atenderá a fins específicos.

A cidade de Fortaleza tem um desenho hídrico quase num formato de cinturão de águas. Uma população de 3.517.275 habitantes. Milhares de domicílios, ligados ou não a rede coletora, com uma capacidade extraordinária de águas residuárias consideradas descartadas. Enquanto a renuncia da responsabilidade ambiental contribui para que essa água descartada tenha serventia de alimentar e poluir pântanos, sítios de lama e aumentar o flagelo nas áreas de risco que proliferam nas cidades de crescente população.

Tratar desse tema é cuidar das garantias de uma cidade sustentável, é provocar estranheza naqueles (as) que tem práticas semelhantes ao senhor Desinfeta. Reeducá-los (as) juntamente com os princípios da justiça ambiental. É não se contentar apenas com alguma atividade já existente de reuso da água com fins agrícolas, em certas regiões do Brasil, ainda exercida de maneira informal e sem as salvaguardas ambientais e de saúde publica adequadas. É necessário mais do que nunca que se avance nos ambientes rural e urbano com viés na institucionalidade, na regulamentação e promoção do setor através da criação de estruturas de gestão, preparação de legislação, disseminação de informação, desenvolvimento de tecnologias compatíveis com as nossas condições técnicas, cultural e sócio econômicas. É um longo caminho que precisamos trilhar. E devemos começar pelo local, pela nossa cidade. Águas para vida!

Historiadora, especialista em políticas e planejamento educacional.Ambientalista e diretora da Companhia de Transporte Coletivo de Fortaleza. Membro Diretório Estadual e da Secretaria Nacional Meio Ambiente e Desenvolvimento do PT.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook