Home / Conteúdos / Artigos / Aprovada pela CCJ da Câmara, adesão da Venezuela vai a plenário

Aprovada pela CCJ da Câmara, adesão da Venezuela vai a plenário

O deputado federal Dr. Rosinha (PT-PT), vice-presidente do Parlamento do Mercosul, acredita que o projeto de decreto legislativo que trata da adesão da Venezuela ao bloco será submetido ao plenário da Câmara dos Deputados já na próxima semana.

Na tarde desta quarta-feira (21/11), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou o projeto, por 44 votos a 17. Relator da matéria na Comissão de Relações Exteriores, Dr. Rosinha encaminhou o voto favorável na CCJ em nome da base aliada ao governo Lula. Os parlamentares do PSOL e do PV também votaram a favor. Os deputados do DEM, PSDB e PPS votaram contra.

“Já conversei com a liderança do governo para que o projeto seja votado pelo plenário da Câmara já na semana que vem”, informa Dr. Rosinha. “O Congresso brasileiro precisa mostrar sua posição favorável à ampliação do Mercosul e à integração sul-americana.”

O deputado Dr. Rosinha, que meses atrás havia se comprometido a trabalhar pela aprovação do ingresso da Venezuela ainda este ano, vê tal possibilidade como “muito difícil”. “Ainda dá tempo [para aprovar o projeto até dezembro], vamos tentar, mas se a oposição insistir em obstruir o processo também no Senado, será muito difícil.”

Relator do projeto na CCJ, o deputado Paulo Maluf (PP-SP) não compareceu à votação. “O relatório dele [Maluf] era tão ruim que ele nem deu as caras para votá-lo”, observa Dr. Rosinha.

Maluf apresentou um parecer favorável, mas recheado de críticas e provocações ao “senhor Chaves” [sic]. O nome do presidente venezuelano Hugo Chávez é grafado de forma incorreta em todas as 15 vezes em que é citado no documento. “O povo venezuelano não merece o dirigente que eventualmente está tendo”, sentencia o parecer.

Apesar dos ataques, o relatório conclui que, ao não admitir o ingresso da Venezuela, “estaríamos antes penalizando o povo venezuelano que não merece tal tratamento como povo amigo”.
OEA e democracia

Dr. Rosinha avalia que os partidos de oposição não têm argumentos para impedir a entrada do país vizinho no bloco. “Na falta de argumentos consistentes, forçam a barra e fazem os discursos que setores da imprensa brasileira querem ouvir”, afirma o parlamentar.

“Os deputados da oposição que vêem falta de democracia na Venezuela sequer leram a reforma constitucional que tramita naquele país, simplesmente desconhecem o que se passa na Venezuela.”

O parlamentar petista lembra que a Organização dos Estados Americanos (OEA), que abriga a Venezuela entre seus membros, tem uma cláusula democrática em vigor. “A vigência do regime democrático é condição necessária para a participação dos países na OEA”, diz trecho do texto de apresentação da Carta Democrática Interamericana da entidade.

Em visita ao Brasil no último mês de julho, o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, afirmou o seguinte em relação à Venezuela: “Não há motivos para criticar um país com longa tradição democrática”.

O secretário-geral expressou ainda tranqüilidade em relação à decisão do presidente Hugo Chávez de não renovar a licença da emissora Radio Caracas de Televisión (RCTV). “Temos a prerrogativa de não interferir em temas internos dos países.”

“Ter a Venezuela fora do Mercosul é algo que só deveria interessar aos Estados Unidos, e não a siglas políticas brasileiras”, avalia Dr. Rosinha.
Histórico

A proposta de adesão da Venezuela ao Mercosul tramita no Congresso desde fevereiro deste ano. Em julho de 2006, os presidentes dos quatro países membros do Mercosul assinaram o protocolo de ingresso do país.

As instâncias legislativas de cada país precisam ratificar o protocolo. Argentina, Uruguai e a própria Venezuela já o fizeram. Além do Brasil, falta também o Paraguai concluir sua tramitação.

Com a Venezuela, o Mercosul terá mais de 250 milhões de habitantes e um PIB superior a US$ 1 trilhão —aproximadamente 76% do PIB da América do Sul. O bloco deve se tornar um dos mais significativos produtores mundiais de alimentos, energia e manufaturados.

O protocolo de adesão prevê um prazo máximo de quatro anos para que a Venezuela adote as normas do Mercosul. O mesmo prazo é imposto para que o país vizinho adote a tarifa externa comum (TEC).

• A íntegra do relatório de Dr. Rosinha na Comissão de Relações Exteriores
http://www.camara.gov.br/sileg/integras/493772.pdf

• A tramitação da matéria na Câmara
http://www.camara.gov.br/sileg/Prop_Detalhe.asp?id=342581

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook