Home / Temas / Brasil / Assembleia gaúcha lembra e comemora os 50 anos do Movimento da Legalidade

Assembleia gaúcha lembra e comemora os 50 anos do Movimento da Legalidade

O deputado Raul Pont, professor de História e cientista político, foi o escolhido para representar a bancada petista nas homenagens. “Este é o grande símbolo, a maior homenagem que podemos fazer meio século depois àqueles que, por seu protagonismo, por sua ação, alteraram o rumo dos acontecimentos, o rumo da história. Diante da prepotência, do arbítrio, da força, da aparente maioria que se formava para impor ao país um golpe antidemocrático, homens e mulheres erguem-se para dizer não”, disse.

Durante a fala, Pont destacou os fatos que antecederam e desencadearam a campanha. Antes da eleição de Quadros, o Brasil vinha de um período desenvolvimentista, capitaneado por Juscelino Kubitschek e sua campanha para crescer cinquenta anos em cinco. O deputado destacou que antes deste período, o Brasil viveu o início e o fim da Era Vargas, marcado pelo populismo da figura extremamente carismática de Getúlio. “O suicídio de Vargas não era apenas o epílogo de uma tragédia pessoal, mas a demonstração inequívoca de que a classe dominante brasileira temia a ousadia do projeto nacional e soberano que Getúlio Vargas inaugurara nos anos 30 e retornava com a legitimidade do voto em 1950”, destacou.

A eleição de Jânio Quadros trouxe ao poder um projeto marcado pelo personalismo e moralismo, mas que não contava com uma base partidária sólida. A renúncia de Jânio Quadros gerou a tentativa do comando militar de impedir a posse do vice-presidente João Goulart, que estava em viagem à China. “A desorientação e as contradições do curto período janista só aguçam a radicalização da crise de rumos que o país vivia. A figura personalista, autoritária, eleita pelo udenismo e por uma campanha moralista não combinava com um país que se descobria no cinema novo, na bossa nova, no Teatro Opinião e nos Centros Populares de Cultura da UNE”, pontuou Pont.

O deputado destacou que, apesar de outras manifestações terem acontecido na época, foi no Rio Grande do Sul, através de Leonel Brizola, que a luta pela legalidade constitucional foi determinante. “No parlamento, nos movimentos sociais e até entre os militares ouve-se a voz de condena à agressão à Democracia. Brizola sabia que não ficaria isolado e assumiu sua responsabilidade histórica, demonstrando o papel e a importância do protagonismo para mudar o rumo dos acontecimentos. Nossa homenagem e respeito ao governador Brizola e aos companheiros que pelo gesto imantaram milhares de brasileiros e brasileiras que saíram às ruas para a defesa da legalidade”, salienta.

A programação completa das comemorações, você confere aqui.

Fonte: http://www.raulpont.com.br

Obs.: O Governo estadual que também tem programação específica sobre o tema criou a páginahttp://www.legalidade.rs.gov.br/. Acesse e saiba mais.

Veja também

Lula e o Rio São Francisco: 2 anos | Antonio Carlos de Freitas Souza

A sede de água do povo Nordestino começou a ser amenizada com a transposição do São Francisco. A sede de justiça, de igualdade, de democracia continua em suas várias lutas, dentre elas uma muito importante, assim como as águas do Velho Chico corre livre pelos sertões, para um Brasil livre, democrático e soberano, lutemos todos nós por Lula Livre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook