Home / Conteúdos / Artigos / Bolsonaro devolve o Brasil ao século 19 | Miguel Rossetto

Bolsonaro devolve o Brasil ao século 19 | Miguel Rossetto

Cronicas do Sul

O anúncio da extinção do Ministério do Trabalho é um caso de excepcional gravidade. Devolve o Brasil à Republica Velha, pré-trinta, onde trabalhador não tinha direitos e as questões sociais eram caso de polícia.

Junto com a reforma trabalhista que fragiliza os direitos e dificulta o acesso do trabalhador a justiça do trabalho, esta extinção é a senha para o saque generalizado aos trabalhadores. Com a fiscalização do trabalho enfraquecida, com Sindicatos fragilizados e com barreiras ao acesso à justiça não é difícil antever o agravamento daquilo que já deveria estar a muito superado como o trabalho escravo e as condições sub humanas de remuneração, de segurança e das condições de trabalho.

Toda esta avalanche de destruição é animada pelo mito mentiroso e interessado de que o trabalhador brasileiro custa caro e tem muitos direitos, sintetizada na inacreditável frase de Bolsonaro “é horrível ser patrão no Brasil”. O Brasil segue sendo o campeão das desigualdades e da concentração da renda e da riqueza. E é no mundo do trabalho que esta desigualdade se constrói. Baixos salários e renda e riqueza concentrada.

Pesquisa recente do IBGE mostrou que os 10 % de maior renda ficam com 46% do total dos rendimentos e que os 10% de menos renda com 0.8% da massa salarial. Aponta também que 50% desta imensa população ocupada, sem formalidade e trabalhando por conta própria, quase 45 milhões de trabalhadores recebe menos do que 1 salario mínimo por mês. A contra reforma trabalhista, anunciada como condição para a retomada e formalização do emprego se revelou uma grande mentira.

Hoje, são 13 milhões de desempregados e quase 28 milhões de brasileiros sub-ocupados. Uma gigantesca população que luta diariamente para ter um trabalho, uma renda para sobreviver e que pressiona brutalmente o mercado de trabalho, reduzindo salários e condições de trabalho. Quase 90% das ocupações geradas nos país foram sem carteira assinada e por conta própria, bicos. Encontramos todos os dias estes homens e mulheres nas ruas das cidades.

Para se ter uma ideia o salário mínimo brasileiro é dez vezes menor que o salário-mínimo americano, o salário médio brasileiro é 75% menor que salário médio chinês, país usado como exemplo para o achaque de direitos e renda.

O discurso do custo da mão de obra é um truque e um acinte. Não tem qualquer amparo nos fatos e serve apenas para aumentar a taxa de exploração do trabalho. A extinção do Ministério do Trabalho, assim como o da Previdência é o mesmo tempo um anúncio. O anúncio do fim do direito a aposentadoria e dos direitos dos trabalhadores e da ampliação de forma insuportável da exclusão e da violência social.

Na próxima visita que fizer aos EUA (país que admira tanto a ponto de bater continência à bandeira de churrascaria), Bolsonaro podia aproveitar e visitar o Ministério do Trabalho americano no prédio Frances Perkins, que nem Trump ousou tocar. Se continuar achando que é horrível ser patrão no Brasil devia tentar ser trabalhador.

Miguel Rossetto, ex-ministro do Trabalho e da Previdência Social, e do Desenvolvimento Agrário.
Publicado originalmente em Cronicas do Sul

Veja também

Lula e o Rio São Francisco: 2 anos | Antonio Carlos de Freitas Souza

A sede de água do povo Nordestino começou a ser amenizada com a transposição do São Francisco. A sede de justiça, de igualdade, de democracia continua em suas várias lutas, dentre elas uma muito importante, assim como as águas do Velho Chico corre livre pelos sertões, para um Brasil livre, democrático e soberano, lutemos todos nós por Lula Livre!

Comente com o Facebook