Home / Conteúdos / Notícias / Com quantos sonhos se ganha uma eleição?

Com quantos sonhos se ganha uma eleição?

386889Por Tica Moreno

Decidir lançar uma candidatura a vereador em São Paulo exige capacidade, coragem e muita ousadia.
Foi isso que a gente decidiu que tinha. A mistura de trajetórias de vida e militância distintas, mas com um projeto comum, foi o que fez a campanha do Gabriel Medina acontecer do jeito que vocês estão vendo acontecer.
E é sobre isso que eu quero falar nesse post.
A gente, que já tinha feito um monte de campanha por aí, queria fazer uma campanha com a nossa cara, do nosso jeito.
Uma campanha que contribuísse pra derrotar essa lógica que impera em São Paulo, que transforma a maioria das pessoas em coisas descartáveis (ou incineráveis), mais um monte de gente em consumidoras e algumas poucas pessoas em gente rica.
A gente via as possibilidades de viver uma vida que vale a pena ser vivida ir para o ralo caso a gente continuasse perdendo aqui em SP pra essa direita conservadora.
A gente juntou todas as nossas indignações que dão o impulso pra gente ser militante, mas também juntamos toda a nossa experiência de um fazer política com a cumplicidade no desafio de conquistar corações e mentes. Somos de esquerda, somos libertários e acreditamos que não dá pra ser livre no capitalismo. Mas como falar de outro mundo possível, de socialismo, de desmercantilização da vida em plena eleição?
Muitos(as) do nosso partido rebaixam o discurso pra ser palatável. Muitos de partidos que se autoproclamam o caminho, a verdade e vida da esquerda mundial resumem seu discurso à defesa de uma ética baseada nas virtudes de indivíduos e não em transformações estruturais. Estes fazem isso em uma campanha confortável, pois estão fazendo propaganda nas eleições e não tem nem perto do horizonte a possibilidade de governar a cidade.
Nós estamos fazendo outra coisa.
Saímos da nossa zona de conforto e fomos defender em São Paulo um projeto de vida, que passa por melhorar a cidade, mas que passa também por mudar o mundo.
E nós fomos defender isso com a cara limpa, nas ruas e nas redes.
O Gabriel não parou um dia de percorrer a cidade, conversar com as pessoas, com gente que se organiza nos movimentos sociais, com gente que se organiza nos bairros, com gente que se organiza através da arte e da cultura, em grupos de teatro e trios de forró. E além disso também conversamos com as pessoas que não se organizam no sentido “tradicional” do termo, mas estão em movimento ao compartilhar suas opiniões ou ao decidir ocupar as praças e ruas para dançar.
Essa campanha representa a nossa geração política. E pra nós, uma nova geração política não tem a ver apenas com a idade, mas com uma forma e conteúdo que marcam o nosso fazer política. Aprendemos isso ao fazer o Acampamento da Juventude no Fórum Social Mundial em 2005, ao questionar a verticalização de estruturas burocráticas do movimento estudantil, ao organizar intervenções urbanas e dar a cara a tapa (ou a bombas de gás lacrimogênio).
Pra nós o novo não tem que apagar a tradição, mas tem que ver onde é que se situa num presente, considerando um acúmulo que fez a gente chegar até aqui, que passou por muitas mãos e lutas, e experiências que deram certo e outras que não deram. O novo que não se enxerga na história é só discurso, e normalmente acaba sendo mais do mesmo conservadorismo.
Tô divagando pra dizer que a campanha do Gabriel conseguiu expressar, nesses poucos meses, o que a nossa geração política tem para dirigir não só a juventude, mas sim a cidade e os processos políticos em que estamos metidos.
E essa direção é coletiva.
Chamamos voto para uma pessoa, mas vejo a cada dia um candidato que se preocupa o tempo todo em despersonalizar esse processo, em ser coletivo. Fazemos uma campanha que já teve como pauta, na mesma reunião, o conteúdo do programa, o slogan da campanha e a organização da limpeza do comitê.
Mas, o que eu queria mesmo dizer é que hoje, faltando 2 dias para as eleições, sabemos que a candidatura do Gabriel Medina é a candidatura de esquerda viável em São Paulo.
Esquerda não só como quem critica a direita, ok? Então, uma breve retrospectiva dessa campanha de esquerda:
Sintetizamos a nossa proposta em um manifesto e em uma plataforma de programa aberta para contribuições.
Participamos da elaboração do programa de governo do Haddad, ao mesmo tempo em que afirmamos que o novo em São Paulo não pode abrir caminho para o atraso.
Vencemos todas as burocracias para finalmente conseguir um comitê, que ocupamos com muito conteúdo: rodas de conversa LGBT, de mulheres, dos inter-religiosos que defendem o Estado laico, do combate ao racismo.
Fazemos uma campanha que fala de liberdade sem ser liberal. Que fala do direito à cidade e à ocupação das ruas e da noite, mas que afirma que esse direito não existirá de fato se: as mulheres não têm direito pleno a autonomia (com direito ao aborto, a uma vida livre de violência e com autonomia econômica); ou se a população LGBT continua sendo violentada por expressar seu afeto e sexualidade, ou se o genocídio da juventude negra continua sendo praticado inclusive pelo Estado. A saúde mental é um componente importante da campanha, o combate à política de drogas que criminaliza as pessoas e transformam usuários em não sujeitos.
Defendemos o direito de ir e vir, pra trabalhar ou curtir, a qualquer hora do dia e da noite, com o #Busao24h.
Inventamos o “É nóis produções” e experimentamos a horizontalidade na criação de conteúdo, imagens, frases e processos.
Fazemos a campanha na rede, mas fazemos muita campanha nas ruas.
Fizemos essas e outras na campanha, e temos um lado, somos parte de um projeto: somos do PT.
Defendemos o amor, mas sabemos que pra gente poder amar mesmo, aqui em SP, muito conflito tem que rolar. E que só o amor não muda o mundo, um tanto de indignação e movimento formam o combustível dessa luta que é cotidiana, mas que tem uma data pra mostrar que é viável.
Dia 7 de outubro não vai ser só a data que eu completo 29 anos e saturno faz (ou deixa de fazer) alguma coisa na minha vida.
Vai ser o dia que vamos mostrar nas urnas que o nosso projeto de vida é viável e que é a gente que faz acontecer.
E que nós viemos pra ficar =)

Decidir lançar uma candidatura a vereador em São Paulo exige capacidade, coragem e muita ousadia.

Foi isso que a gente decidiu que tinha. A mistura de trajetórias de vida e militância distintas, mas com um projeto comum, foi o que fez a campanha do Gabriel Medina acontecer do jeito que vocês estão vendo acontecer.

E é sobre isso que eu quero falar nesse post.

A gente, que já tinha feito um monte de campanha por aí, queria fazer uma campanha com a nossa cara, do nosso jeito.

Uma campanha que contribuísse pra derrotar essa lógica que impera em São Paulo, que transforma a maioria das pessoas em coisas descartáveis (ou incineráveis), mais um monte de gente em consumidoras e algumas poucas pessoas em gente rica.

A gente via as possibilidades de viver uma vida que vale a pena ser vivida ir para o ralo caso a gente continuasse perdendo aqui em SP pra essa direita conservadora.

A gente juntou todas as nossas indignações que dão o impulso pra gente ser militante, mas também juntamos toda a nossa experiência de um fazer política com a cumplicidade no desafio de conquistar corações e mentes. Somos de esquerda, somos libertários e acreditamos que não dá pra ser livre no capitalismo. Mas como falar de outro mundo possível, de socialismo, de desmercantilização da vida em plena eleição?

Muitos(as) do nosso partido rebaixam o discurso pra ser palatável. Muitos de partidos que se autoproclamam o caminho, a verdade e vida da esquerda mundial resumem seu discurso à defesa de uma ética baseada nas virtudes de indivíduos e não em transformações estruturais. Estes fazem isso em uma campanha confortável, pois estão fazendo propaganda nas eleições e não tem nem perto do horizonte a possibilidade de governar a cidade.

Nós estamos fazendo outra coisa.

Saímos da nossa zona de conforto e fomos defender em São Paulo um projeto de vida, que passa por melhorar a cidade, mas que passa também por mudar o mundo.

E nós fomos defender isso com a cara limpa, nas ruas e nas redes.

O Gabriel não parou um dia de percorrer a cidade, conversar com as pessoas, com gente que se organiza nos movimentos sociais, com gente que se organiza nos bairros, com gente que se organiza através da arte e da cultura, em grupos de teatro e trios de forró. E além disso também conversamos com as pessoas que não se organizam no sentido “tradicional” do termo, mas estão em movimento ao compartilhar suas opiniões ou ao decidir ocupar as praças e ruas para dançar.

Essa campanha representa a nossa geração política. E pra nós, uma nova geração política não tem a ver apenas com a idade, mas com uma forma e conteúdo que marcam o nosso fazer política. Aprendemos isso ao fazer o Acampamento da Juventude no Fórum Social Mundial em 2005, ao questionar a verticalização de estruturas burocráticas do movimento estudantil, ao organizar intervenções urbanas e dar a cara a tapa (ou a bombas de gás lacrimogênio).

Pra nós o novo não tem que apagar a tradição, mas tem que ver onde é que se situa num presente, considerando um acúmulo que fez a gente chegar até aqui, que passou por muitas mãos e lutas, e experiências que deram certo e outras que não deram. O novo que não se enxerga na história é só discurso, e normalmente acaba sendo mais do mesmo conservadorismo.

Tô divagando pra dizer que a campanha do Gabriel conseguiu expressar, nesses poucos meses, o que a nossa geração política tem para dirigir não só a juventude, mas sim a cidade e os processos políticos em que estamos metidos.

E essa direção é coletiva.

Chamamos voto para uma pessoa, mas vejo a cada dia um candidato que se preocupa o tempo todo em despersonalizar esse processo, em ser coletivo. Fazemos uma campanha que já teve como pauta, na mesma reunião, o conteúdo do programa, o slogan da campanha e a organização da limpeza do comitê.

Mas, o que eu queria mesmo dizer é que hoje, faltando 2 dias para as eleições, sabemos que a candidatura do Gabriel Medina é a candidatura de esquerda viável em São Paulo.

Esquerda não só como quem critica a direita, ok? Então, uma breve retrospectiva dessa campanha de esquerda:

Sintetizamos a nossa proposta em um manifesto e em uma plataforma de programa aberta para contribuições.

Participamos da elaboração do programa de governo do Haddad, ao mesmo tempo em que afirmamos que o novo em São Paulo não pode abrir caminho para o atraso.

Vencemos todas as burocracias para finalmente conseguir um comitê, que ocupamos com muito conteúdo: rodas de conversa LGBT, de mulheres, dos inter-religiosos que defendem o Estado laico, do combate ao racismo.

Fazemos uma campanha que fala de liberdade sem ser liberal. Que fala do direito à cidade e à ocupação das ruas e da noite, mas que afirma que esse direito não existirá de fato se: as mulheres não têm direito pleno a autonomia (com direito ao aborto, a uma vida livre de violência e com autonomia econômica); ou se a população LGBT continua sendo violentada por expressar seu afeto e sexualidade, ou se o genocídio da juventude negra continua sendo praticado inclusive pelo Estado. A saúde mental é um componente importante da campanha, o combate à política de drogas que criminaliza as pessoas e transformam usuários em não sujeitos.

Defendemos o direito de ir e vir, pra trabalhar ou curtir, a qualquer hora do dia e da noite, com o #Busao24h.

Inventamos o “É nóis produções” e experimentamos a horizontalidade na criação de conteúdo, imagens, frases e processos.

Fazemos a campanha na rede, mas fazemos muita campanha nas ruas.

Fizemos essas e outras na campanha, e temos um lado, somos parte de um projeto: somos do PT.

Defendemos o amor, mas sabemos que pra gente poder amar mesmo, aqui em SP, muito conflito tem que rolar. E que só o amor não muda o mundo, um tanto de indignação e movimento formam o combustível dessa luta que é cotidiana, mas que tem uma data pra mostrar que é viável.

Dia 7 de outubro não vai ser só a data que eu completo 29 anos e saturno faz (ou deixa de fazer) alguma coisa na minha vida.

Vai ser o dia que vamos mostrar nas urnas que o nosso projeto de vida é viável e que é a gente que faz acontecer.

E que nós viemos pra ficar =)

* Tica Moreno é militante da Democracia Socialista e integrante da coordenação nacional da Marcha Mundial das Mulheres no Brasil.

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook