Home / Conteúdos / Artigos / Conferência reúne militantes de 16 estados

Conferência reúne militantes de 16 estados

A conferência extraordinária da Democracia Socialista terminou no dia 24 de abril, com um resultado muito positivo. Os quatro dias de debates resultaram em consensos importantes, entre eles, por aclamação, o nome de Raul Pont como candidato a presidente nacional do PT.

Depois da primeira noite de abertura e aprovação do regimento, o segundo dia começou com a aprovação da tese guia da Conferência, o texto apresentado pela Coordenação Nacional. Na seqüência vieram os debates sobre América Latina e Brasil. No sábado de manhã, discutiu-se a situação do PT e da DS. O sentido foi atualizar os termos da disputa de rumos do partido e do governo e de afirmação do papel da DS como tendência do PT. Logo em seguida, vieram os debates sobre as reformas política e universitária. No domingo, aconteceu o debate de reforma sindical e a votação das emendas.

Na sua maior conferência nacional, a participação dos militantes foi expressiva, com 145 delegados de 16 estados, incluindo o DF, representando cerca de 2200 militantes em dia com suas contribuições financeiras e com participação no processo preparatório.

Além das companheiras e companheiros da DS, estiveram presentes convidados nacionais e internacionais: companheiros das correntes do PT Alternativa Socialista (MG), Ação Popular Socialista, Articulação de Esquerda, Fórum Socialista, Coletivo Socialista e Democrático (Campinas) e Movimento Socialista (SC); Francisco Louçã e Jorge Costa, ambos do Bloco de Esquerda de Portugal e da IV Internacional; e Aldo Gilli e Humberto Ramirez, do Partido Socialista dos Trabalhadores, do Uruguai.


Leia ainda

Marcos internacionais na disputa de rumos do PT. [Link Indisponível] Sobre o debate internacional na Conferência da DS

Veja também

Um debate essencial | Carlos Henrique Árabe

Em artigo Carlos Henrique Árabe, secretário nacional de Comunicação do Partido dos Trabalhadores, apresenta um contraponto à crítica feita pelo ex-ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, sobre a política econômica dos golpistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook