Home / Conteúdos / Notícias / Conheça as propostas apresentadas à Executiva Nacional do PT

Conheça as propostas apresentadas à Executiva Nacional do PT

2723340Propostas apresentadas pelas correntes Articulação de Esquerda, Avante Socialismo XXI, Mensagem ao Partido e Militância Socialista à reunião da Executiva Nacional do PT, reunida nesta quarta-feira, 05 de outubro.

 

Mudar o PT! Unidade da esquerda no 2º turno! VI Congresso já!

 

A CEN apresenta um balanço preliminar das eleições e dele tira consequências práticas e inadiáveis. Tanto o balanço como as tarefas do partido serão aprofundados pelo DN, convocado para dia _ de outubro.

Com o segundo turno em andamento e com o PT e as forças de esquerda disputando cidades importantes do país, nossa primeira grande tarefa é construir uma forte unidade em torno das candidaturas do campo democrático popular. Nas disputas de 2º turno sem representação da esquerda e do campo democrático e popular, o PT se pautará pelo esclarecimento dos interesses conservadores em disputa e, reafirmando a posição do Diretório Nacional do PT, não apoiará candidaturas golpistas.

É preciso, desde já, reconhecer que sofremos uma grande derrota eleitoral no dia 2 de outubro de 2016. Esse resultado não pode ser compreendido senão dentro do mesmo quadro de fatores e erros políticos que resultaram no golpe contra a democracia e exige respostas urgentes de mudança do nosso partido.

A direita buscou nestas eleições ampliar a ofensiva conservadora desencadeada pelo golpe de Estado de 2016. Para isso, contou com o apoio decisivo da grande mídia que diuturnamente fez campanha contra a esquerda e pelos candidatos conservadores. O mesmo vale ser dito para setores do judiciário, polícia federal e ministério público que atuaram como verdadeiros partidos de direita e que centraram suas armas e manipulações para criminalizar o PT e interditar o presidente Lula. O abuso do poder econômico, expresso na eleição de candidatos milionários e denúncias de compra de votos em várias cidades, persiste a despeito da proibição do financiamento empresarial de campanha.

Há ainda que destacar o efeito da intensa campanha contra a política – na verdade, uma campanha para afastar o povo da política – atestada nos mais altos índices registrados de abstenção, votos nulos e brancos. Depois do golpe, esse foi um dos êxitos da campanha da direita: reduzir os votos válidos, através da criminalização da política e dos políticos. Temos hoje um presidente golpista e sem votos e teremos prefeitos eleitos sem legitimidade, sendo eleitos por uma baixa percentagem de eleitores.

Esses fatores foram decisivos no golpe e também agora na construção da derrota do PT. No entanto, não podemos deixar de lado os erros cometidos pelo PT que nos fizeram perder apoio social e agora eleitoral. A guinada neoliberal na política econômica em 2015 agravou a recessão e o desemprego, o que nos fez perder o apoio da classe trabalhadora e dos setores populares. Esse apoio que nos faltou no enfrentamento do golpe também nos faltou agora. E não podemos culpar o povo! Na mesma linha, a acomodação eleitoral e institucionalista do partido nos fez perder militância, o recurso mais precioso para o tipo de eleição que enfrentamos. Nossas vitórias e nossos acúmulos são maiores onde foi maior a presença da militância e onde não escondemos nossas posições políticas. E não podemos deixar de falar da ausência de reforma política depois de 12 anos de governos do PT, que permitiu a permanência dos métodos tradicionais da política brasileira, dentre eles a corrupção e a presença do poder econômico mesmo com a proibição das doações empresariais.

Em 2012, lançamos 1829 candidaturas a prefeito, em 2016 lançamos 995. Em 2012 lançamos 40 mil candidaturas à vereança, em 2016 lançamos 22 mil. O PT caiu de 630 para 231 prefeituras. Mas a derrota não foi só do PT. Foi também do conjunto da esquerda. O número de eleitores que votam na esquerda, em suas variadas expressões, é muito menor hoje do que nas eleições anteriores.

Quem cresceu com a derrota do PT? O PSDB. Ou seja: os fatos não confirmaram aquele discurso segundo a qual a derrota do PT seria acompanhada pelo fim da polarização PT x PSDB. E dentro do PSDB, a grande vitória é do setor Opus Dei, do governador de São Paulo. Não se deve ainda menosprezar a emergência de uma nova direita, além daquela de corte fascista já presente nas manifestações de massa a favor do golpe. Trata-se de uma nova direita a la Hayek, que faz do elogio à desigualdade sua bandeira.

Nas mobilizações sociais e contra o golpe de Estado em 2016 e mesmo nos resultados eleitorais continua a existir energia popular e de esquerda.  Fomos derrotados, mas podemos reconstruir um projeto capaz de enfrentar a direita e disputar novamente corações e mentes.

A CEN assume autocriticamente sua responsabilidade e conclama todo o partido ao esforço de reconstrução militante e mudança política e de direção do PT. Para isso, dará início imediato ao VI Congresso Nacional do PT, com sua etapas municipais em novembro e dezembro, etapas estaduais em fevereiro de 2017 e conclusão nacional em março de 2017.

O VI Congresso é convocado com poderes para resolver os problemas que se acumularam e preparar o partido para os novos e duros tempos pela frente: construir uma nova estratégia e um novo programa sob a perspectiva do socialismo democrático, definir novos métodos de organização com base em uma estratégia que inclui a disputa eleitoral e volta a combiná-la com a disputa social e cultural, estabelecer claramente o compromisso com a construção da unidade da esquerda e, como síntese, eleger uma nova direção.

Essas tarefas são inadiáveis e vamos lutar para realiza-las a partir de agora.

 

 

 

A CEN convoca a militância a construir o VI Congresso já!

O projeto que dirigiu os rumos da Nação nos últimos 14 anos foi profundamente derrotado pelo rompimento da democracia através de um golpe de Estado. O golpe trouxe para o centro do Estado brasileiro um programa derrotado sucessivamente na luta de massas e nas quatro últimas eleições presidenciais, abrindo um período de desconstrução do nosso legado e de ataque direto à democracia, às esquerdas, aos movimentos sociais e às nossas principais lideranças, presidente Lula e presidenta Dilma.

Ao final do processo eleitoral municipal e de forma coordenada com a resistência ao golpe, não há tarefa mais necessária e urgente ao PT que convocar sua militância ao debate sobre o necessário balanço deste processo e sobre o futuro de nosso projeto político.

O VI Congresso, urgente e necessário, deverá ocorrer com amplo debate, por meios virtuais e presenciais, que traga para a roda de conversa toda a vitalidade dos que resistem conosco ao golpe – movimentos sociais, intelectuais, artistas, religiosos, jovens, mulheres, a linha de frente da resistência democrática que, apoiando ou não nosso Partido e governos, são parceiros necessários para a busca de novos horizontes para as esquerdas brasileiras. É assim que responderemos de forma unitária aos desafios que se colocam para o PT e paras as esquerdas brasileiras.

Um Congresso que impulsione a capacidade crítica e criativa que deu origem e fundamento ao PT, que aponte uma nova estratégia e programa no centro do enfrentamento à ofensiva conservadora em curso e que nos unifique para além dos interesses imediatos e eleitorais num amplo processo de reorganização de nosso Partido.

A Executiva Nacional encaminha a convocação do VI Congresso, para promover o debate programático e a renovação da direção do Partido, com eleição de delegados pela base em etapas congressuais livres, zonais, municipais e estaduais precedidas de amplo processo de participação e discussão de teses e proposições. A nova direção, uma nova estratégia e programa e a atualização da nossa organização são decisões e sínteses coletivas que devem andar juntas, expressar nosso pluralismo e a construção da unidade partidária.

A eleição de delegados nas etapas zonais ou municipais será feita em novembro e dezembro. As etapas estaduais ocorrerão em fevereiro e o VI Congresso acontecerá em março de 2017.

Um Congresso pra valer, com debate político, com delegados e delegadas eleitos pela base, com paridade de gênero e cotas de etnia e jovens, com amplos poderes para aprovar nossa linha política, nosso programa, nossa estrutura organizativa e eleger nossas direções. Um Congresso pra responder aos desafios do nosso tempo e para colocar o PT na linha de frente da luta pela democracia e na construção do socialismo.

 

——————————-

 

Unidade da esquerda no 2o turno!

 

A Executiva Nacional do PT cumprimenta candidatos e candidatas que dignificaram com seu empenho e dedicação a campanha do nosso Partido no primeiro turno das eleições municipais. Manter erguida a bandeira do PT, nossos compromissos históricos e as propostas do modo petista de governar, neste ambiente de ruptura democrática suscitado pelo golpe, foi fundamental para a defesa da democracia, do nosso legado nacional e do nosso futuro enquanto partido de esquerda na sociedade brasileira.

Para o segundo turno das eleições municipais, a Executiva Nacional do PT conclama nossa militância e as forças de esquerda a cerrarem fileira nos estados nos municípios em que disputamos com candidatos/as próprios/as ou em coligações que integramos no primeiro turno.

Esse esforço de mobilização será coordenado em cada estado pela Direção Estadual do Partido, com acompanhamento do Diretório Nacional nas capitais e cidades com mais de 200 mil eleitores. Dedicamos especial atenção e mobilização à eleição do companheiro João Paulo em Recife, única capital em que o nosso partido estará disputando neste segundo turno. Também em Juiz de Fora, Vitória da Conquista, Mauá, Santo André, Anápolis e Santa Maria, cidades nas quais candidaturas do PT também estão presentes, conclamamos a unidade da esquerda para vencer a direita. O mesmo comportamento adotaremos em qualquer 2º turno onde haja uma representação da esquerda e do campo democrático e popular

Nos municípios em que não disputamos o segundo turno diretamente, consideraremos a tática eleitoral já aprovada pelo Diretório Nacional de nenhum apoio a golpistas. Neste segundo turno, buscaremos o fortalecimento de nossas alianças com os partidos e candidaturas que conosco integram a resistência democrática, a oposição ao governo Temer e a atuação comum com as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

No Rio de Janeiro e em Belém, por exemplo, apoiamos as candidaturas de Marcelo Freixo e Edmilson Rodrigues, visto que, mesmo tendo sido oposição ao nosso governo federal, o PSOL e esses candidatos em particular se posicionaram de forma inequívoca contra o golpe e em defesa da democracia e se constituem, nestes dois municípios, na alternativa mais próxima do projeto que o PT representou no primeiro turno das eleições. Esperamos com esse gesto reforçar a luta em defesa dos direitos e pelo restabelecimento da democracia e contra o projeto neoliberal representado pelo governo golpista de Michel Temer.

Brasília, 5 de outubro de 2016

Comissão Executiva Nacional do PT

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook