Home / Temas / Brasil / Conheça o Coletivo Nacional Enegrecer

Conheça o Coletivo Nacional Enegrecer

O racismo constrói mecanismos de perpetuação brutais. Uma elite organiza as leis, opiniões, ações públicas e midiáticas para garantir sua manutenção. Essa ação selvagem acontece em detrimento de outra parcela da população, majoritária, a comunidade negra. Isto é racismo. É recorrente falar que desde a falsa abolição pouco se fez. O debate agora é a urgência do que há por fazer.

Percebe-se o capitalismo começando a discutir de forma tardia a inclusão dos negros e das negras. O que queremos influenciar é a partir de qual estratégia acontece essa inclusão. As empresas começam a discutir diversidade étnico-racial, público negro como comprador, produtos específicos para a comunidade negra. Mas até onde estas ações são reparadoras? O Sistema vigente atual não nos interessa.

Defendemos o socialismo como superação do sistema capitalista que usa o racismo para sustentar-se. Queremos uma sociedade na qual a diversidade seja respeitada.  As políticas de reparação existem para corrigir distorções históricas provocadas pela elite branca. Esta elite construiu postos de trabalho, Universidades, espaços de lazer e cultura que não nos permitem acessar. Espaços reservados aos negros apenas para servirem. Não aceitaremos as exceções, como se a inclusão de um ou dois negros resolvesse. O problema é global e sistêmico. As políticas de reparação devem ser para toda população negra.

Nos movimentos de juventude e estudantil, o relacionamento não é muito diferente. A inclusão da pauta racial deu-se a partir do sangue e suor da militância negra nas universidades. Mas onde estão e quais são as pautas principais do movimento estudantil? Quais espaços são prioridade e onde estão os investimentos políticos e financeiros? É um enorme avanço entidades como a UNE e o Conselho Nacional de Juventude incluírem atores e atrizes sociais negros e negras. Mas a pauta deve ser centralmente direcionada para a questão racial, problema estruturante para as relações excludentes do país.

Há uma efervescente luta cotidiana pela inclusão e manutenção dos jovens negros na Universidade. Mesmo sem muitos perceberem, os principais ataques da mídia continuam sendo fascistas, racistas, homofóbicos e machistas. Suas ações são contra os movimentos sociais e as políticas de inclusão da comunidade negra, reflexo do alcance das políticas públicas do último período e da nítida luta de raça e classe que vivemos contra as elites hegemônicas do país.

Todas essas constatações deixam algumas tarefas para o Coletivo Nacional Enegrecer. A primeira é constituir nas Universidades brasileiras e no movimento estudantil um movimento negro jovem politizado e de massas. Não há processo revolucionário sem muita luta, ampla mobilização, conscientização das bases e muito debate político. Essa ação não nega a importância das organizações negras que já existem nas Universidades. Algumas dessas organizações construíram um conteúdo programático profundo e qualificado que deve servir como essência para esta ação de unificação. Este Movimento Nacional deve ter eco e contar com toda a juventude negra organizada e independente.

A segunda tarefa é ocupar os espaços de poder para pautar a questão racial. Centros Acadêmicos, Diretórios Acadêmicos, DCEs, entidades representativas, Conselhos Municipais, Estaduais e Nacional. Elabora quem intervem. Garantir uma intervenção negra é estar nos espaços onde as políticas são elaboradas e implementadas.

A última tarefa é urgente. Nós, juventude negra organizada, temos que estimular as lideranças negras. Só haverá centralidade na pauta racial quando formarmos aqueles que representam, que falam e que escrevem. Nessa perspectiva, é tático ocuparmos papéis principais. É fundamental tratarmos desses espaços como prioritários para nossa luta. Se não colocarmos a juventude negra, mesmo quando sem “experiência” para liderarem, estes nunca terão experiência.

Por que quase sempre as indicações para cargos e espaços de poder não são de pessoas negras? Essa é uma constatação cruel e desumana. Os nomes representativos não surgem instantaneamente. Eles são construídos; precisamos construir mais nomes da juventude negra. Só haverá centralidade na pauta racial quando formos aqueles que representam, que falam e que escrevem. Não podemos aceitar argumentos falsos como o da experiência, legitimidade ou falta de acúmulo político. Todos estes objetos são alicerçados, se não colocarmos o jovem para adquiri-los, eles nunca os terão.

Nós, do coletivo Enegrecer, lançamos nossa carta de apresentação. Somos jovens que se organizam na Democracia Socialista e independentes. Reafirmamos nosso compromisso com O PT, com a JN13 e com as lutas do povo Negro. Queremos nos somar às lutas e ajudar a construir vitórias coletivamente. Para tal, queremos construir uma cultura racial para todos os espaços juvenis.

Vida longa às organizações Juvenis Negras!

Coletivo Nacional Enegrecer

Veja também

Carlos Árabe convoca para ato dia 20 em defesa do Lula

Secretário de Comunicação do PT chama militância para o Dia de Mobilização em Defesa da Democracia, do Lula, por Fora Temer e pelas Diretas Já!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook