Home / Conteúdos / Artigos / Dia 28 de setembro é o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização

Dia 28 de setembro é o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização

Essas mulheres estão expostas a infecções, agravos clínicos e ao julgamento de uma sociedade que insiste em fechar os olhos e calar a voz daquelas que sonham em viver livremente.

Quando defendemos a legalização do aborto, defendemos o acesso a saúde, livre de preconceitos e discriminações. Defendemos, também, um Estado laico.

Mas, quando defendemos a legalização do aborto, queremos abrir a real discussão intrínseca a esse tema. Defendemos a autonomia das mulheres sobre seus corpos e suas vidas. Sonhamos e desejamos que a mulher viva sua sexualidade livremente, distanciando-a da imposição à maternidade.

Sabe-se que todos os métodos anticonceptivos guardam uma porcentagem de erro. De outro lado, precisamos evidenciar o fato de que muitas mulheres têm dificuldade de negociar abertamente os métodos anticonceptivos com seus companheiros. Isso não deve ser um aprisionamento a condições colocadas. Ser mãe deve ser uma opção.

Nossa sociedade insiste em associar maternidade a uma suposta “condição feminina”, relacionada ao cuidado, a atenção, ao carinho. Essas últimas, também integram um mix de características “naturalmente femininas”. Bem, de nossa parte, podemos dizer que cuidado também é trabalho e deve ser dividido por todos e todas. Em outro sentido, atenção, carinho e solidariedade devem ser eixos estruturantes de toda a sociedade, inclusive, parte das políticas públicas do Estado.

Para tanto, essa semana comemoramos através de luta, coragem, ousadia e mobilização, o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização e Legalização do Aborto.

Dia 28 de Setembro, todos e todas evidenciamos a opção de uma sociedade radicalmente igualitária, libertária e solidária.

O Partido dos Trabalhadores tem a tarefa de publicizar essa bandeira, somando-se ao esforço do conjunto dos militantes que mobilizam e pressionam para nenhuma mulher morra ou seja presa por exercer o direito de autonomia sobre seus corpos.

Ana Cristina de Lima Pimentel ´e Secretária Estadual da Juventude do Partido dos Trabalhadores de Minas Gerais

Veja também

A ideologia do não dito | Arlete Sampaio

Por trás do apontamento de ideologias falsificadas, da tentativa de revisar e negar a nossa história, está a ideologia do capital que é antipovo, que atenta contra a soberania do Brasil e os interesses populares. A ideologia do capital é a não dita, porque não pode ser dita e sustentada para os fins que os ocupantes do poder querem, que é a hegemonia das ideias, o apoio popular. A moda da invencionice de ideologias esconde a verdadeira ideologia que pauta o governo Bolsonaro: a do capital que é cruel e danosa com o povo brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook