Home / Conteúdos / Artigos / Dr. Rosinha é vice-presidente do Parlamento do Mercosul

Dr. Rosinha é vice-presidente do Parlamento do Mercosul

O paraguaio Alfonso González Núñez, que é senador em seu país, foi eleito nesta segunda-feira (07) presidente do Parlamento do Mercosul. Também integrarão a Mesa do Parlamento, como vice-presidentes, Alberto Balestrini, da Argentina, Dr. Rosinha (PT-PR), do Brasil, Roberto Conde, do Uruguai e Saul Ortega, da Venezuela

O paraguaio Alfonso González Núñez, que é senador em seu país, foi eleito nesta segunda-feira (07) presidente do Parlamento do Mercosul. Ele já vinha ocupando a presidência temporária da instituição desde a sua sessão de constituição, que ocorreu em dezembro, no Brasil. Também integrarão a Mesa do Parlamento, como vice-presidentes, Alberto Balestrini, da Argentina, Dr. Rosinha (PT-PR), do Brasil, Roberto Conde, do Uruguai e Saul Ortega, da Venezuela. Logo no início da sessão foi aprovado um regulamento provisório para a Parlamento do Mercosul. A primeira sessão do Parlamento do Mercosul aconteceu em Montevidéu.

Ao todo, são 72 parlamentares titulares —18 de cada país-membro do bloco (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai). Os representantes da Venezuela, que ainda está em processo de adesão ao Mercosul, terão direito a voz, e não a voto.

“O Parlamento do Mercosul irá trazer maior responsabilidade política ao bloco, além de oferecer aos cidadãos e aos movimentos sociais um espaço de participação mais efetiva no processo de integração, algo que hoje não existe”, afirmou Dr. Rosinha, membro titular do Parlamento.

Também presente à sessão realizada nesta segunda-feira, o deputado Nilson Mourão (PT-AC), que integra o Parlamento pelo Brasil como membro suplente, disse que com o funcionamento do Parlamento do Mercosul, divergências e eventuais disputas entre os países serão resolvidas pela via da diplomacia parlamentar, tendo a democracia como base. “O início das atividades do Parlamento do Mercosul é um fato histórico que está sendo saudado por todos os setores da vida desses países, que irão presenciar a integração passar das questões meramente econômicas e comerciais, como vinham sendo tratadas pelos respectivos governos, para abranger questões culturais, educacionais, sociais, de ciência e tecnologia, pesquisa, com vistas a promoção de uma sociedade integrada, justa, fraterna e solidária” disse.

Atribuições

Instalado de maneira simbólica em dezembro do ano passado, o Parlamento do Mercosul terá, entre outras atribuições, a de recomendar normas para o bloco, enviar anteprojetos para harmonizar as legislações dos países-membros e solicitar relatórios sobre questões vinculadas ao processo de integração.

Também caberá ao órgão realizar audiências públicas com a participação de entidades da sociedade civil e dos setores produtivos. Todos os projetos de normas do Mercosul que necessitem de aprovação legislativa serão analisados e terão parecer prévio do parlamento.

“Os parlamentares do Mercosul serão ouvidos antes de qualquer acordo, e terão 60 dias para emitir seus pareceres”, detalha Dr. Rosinha. “Hoje, os legislativos nacionais quase não tomam conhecimento dos acordos internacionais”.

Veja também

“Os jovens entram no mercado de trabalho desempregados”, aponta sociólogo Anderson Campos em seminário da CUT-RS

A difícil realidade dos jovens no mercado de trabalho foi o assunto do seminário “Juventude …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook