Home / Conteúdos / Artigos / Duas décadas de luta pela reforma agrária

Duas décadas de luta pela reforma agrária

Duas décadas de luta pela reforma agrária
Ocupação do MST no pontal do Paranapanema – Fonte: Arquivo MST

No dia 19 de junho, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra comemorou seus 20 anos. Queremos deixar registrada nossa homenagem a um dos mais importantes movimentos sociais do país. A reforma agrária, luta diária do movimento, é condição indispensável para o desenvolvimento com distribuição de renda, e um dos principais pilares da luta contra a desigualdade social. Herdeiro de diversos movimentos populares do país, especialmente dos camponeses, o MST mantém viva a esperança dos lutadores do povo.

Nesse momento de júbilo, fica também a denúncia da perseguição ao movimento praticada por um dos maiores defensores do latifúndio e do desmatamento. O deputado Abelardo Lupion (PFL-PR), autor dos requerimentos de quebra de sigilo bancário da ANCA e da Concrab, é grande proprietário de terras e já foi presidente da UDR. Ele é neto de Moisés Lupion, ex-governador do Paraná, que foi afastado e preso por corrupção.

Proezas dos Lupion

Moisés foi megagrileiro, chegando a criar uma empresa que revendia áreas devolutas cultivadas por posseiros; foi acusado inclusive de revender uma praça pública. Abelardo, por sua vez, segundo o Diap, foi o idealizador do decreto governamental que proíbe vistoria em terras ocupadas, e é conhecido aliado da repressão militar.

A tentativa de criminalização do MST representa, portanto, um ataque à reforma agrária e ao movimento popular. Vindo de quem vem, nada espantoso. Ao denunciar essa perseguição, rechaçamos também os que atuam para manter a estrutura fundiária aviltante ainda vigente no Brasil.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook