Home / Conteúdos / Artigos / Entre dois modelos de desenvolvimento

Entre dois modelos de desenvolvimento

Entre dois modelos de desenvolvimento
De mãos cheias. Pequenos produtores mostram resultado da produção de tomates em assentamento de Sumaré (SP) – Foto: Arquivo MST

Agrodisputas. Definições no campo opõem agricultura familiar e agronegócio.

Por Caio Galvão*

A busca por alternativas para o modelo de desenvolvimento brasileiro passa pela definição de um novo padrão também para o meio rural. Modelos distintos de produção e de distribuição de terras conduzem a diferentes resultados. O próprio governo já se mostrou internamente dividido na orientação de políticas públicas. O debate, no entanto, revela que ainda há muitas visões mitificadas.

A suposta inviabilidade econômica da agricultura familiar é um desses mitos. Este universo é hoje responsável pela maior parte da produção dos alimentos que compõem a cesta básica do brasileiro. O modelo familiar responde por 77% dos postos de trabalho no campo e tem participação expressiva na cadeia produtiva de importantes produtos de exportação, como leite e frango. Tudo isso sem assistência técnica, com um acesso ao crédito inferior ao seu peso na produção e sem um sistema de inovação tecnológica adequado às suas características.

Para além dessa importância econômica, a agricultura familiar contribui para um padrão mais equilibrado de ocupação do território, do ponto de vista espacial e ambiental. Isso também se observa nos assentamentos de reforma agrária. Pesquisas mostram que os assentamentos resultam em melhoria das condições de vida da população beneficiária e produzem importantes impactos sobre a região, diversificando a produção e dinamizando a atividade econômica.

Modernização conservadora

Os que alegam a inviabilidade desse modelo o fazem de forma indireta, defendendo as conquistas da modernização conservadora da agricultura brasileira. Em geral, põem em destaque os ganhos de produtividade e competitividade, mas desconsideram outros de seus efeitos bastante conhecidos.

A concentração da propriedade de terra é o mais imediato deles. Outra distorção é a injeção de subsídios expressivos – na forma de crédito e pesquisa – para a consolidação de um modelo tecnológico intensivo na utilização de insumos, cada vez menos demandante de força de trabalho.

Ocultando os efeitos sociais e ambientais, os arautos do agronegócio sustentam seu discurso numa suposta dualidade. De um lado estaria o setor “moderno”, “que produz”, a agricultura patronal rebatizada, com seus expressivos resultados comerciais e sua independência do Estado. De outro, o campo dos conflitos, das ocupações com motivações políticas, da agricultura familiar, que para sobreviver precisaria ser objeto de políticas sociais.

A criminalização dos movimentos sociais do campo durante o governo FHC e a associação do agronegócio com a estabilidade econômica, por meio de sua contribuição para o saldo comercial, reforçaram esta caracterização, que mais oculta do que desvela. Até porque, a própria dinâmica que impulsiona essa capacidade exportadora é a mesma que produz e reproduz a desigualdade no meio rural brasileiro.

Em disputa

Duas questões objetivas concretizam essa disputa de modelos. O primeiro é o debate sobre as redefinições no comércio internacional. Para o Ministério da Agricultura e a Confederação Nacional da Agricultura, a prioridade é a ampliação do acesso a mercados de exportações, o que justificaria concessões brasileiras em outras áreas, como compras governamentais e propriedade intelectual. Eles consideram o aumento do comércio como condição para o desenvolvimento.

Já o Ministério do Desenvolvimento Agrário, ao lado do Itamaraty, vem defendendo a visão oposta. As definições sobre comércio é que devem estar subordinadas a um projeto de desenvolvimento. Mantém-se a demanda pela ampliação do acesso a mercados, mas ganha peso a necessidade do país preservar sua capacidade de implementar políticas internas.

A segunda polêmica refere-se à lei de biossegurança, cujo principal debate público é sobre a liberação da soja transgênica. A polaridade se repete. De um lado, os que sustentam a liberalização, que “proporcionaria vantagens comparativas ao Brasil e uma ampliação de nossas exportações”. Do outro, os que defendem o princípio da precaução e do risco da dependência que os agricultores passariam a ter das indústrias químicas, hoje proprietárias das indústrias de sementes.

Defensores dessa vertente, os pequenos agricultores e os sem-terra conquistaram boas perspectivas a partir do Plano Nacional de Reforma Agrária (ver texto abaixo). As alianças sociais galvanizadas no processo de construção do Plano fortalecem o campo político que defende esse modelo. Do outro lado, as crises econômica, urbana e ambiental revelam os limites do atual padrão de acumulação.

Assim, fica claro que a questão agrária deve integrar a agenda econômica, como condição estruturante de alternativas sintonizadas com um projeto democrático e popular. A reforma agrária e o fortalecimento da agricultura familiar são condição não apenas para um novo padrão de desenvolvimento rural, mas para reestabelecer novas bases de um projeto de nação.

*Caio Galvão é coordenador do Núcleo de Estudos Agrários de Desenvolvimento Rural (NEAD)

 

Veja também

Para além do financiamento: por um sindicalismo combativo! | Milton Rezende

Diante da reforma trabalhista, que entra em vigor em novembro, a principal discussão na mídia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook