Home / Temas / Brasil / Exigimos prisão do assassino e a garantia do direito democrático ao voto e a manifestação

Exigimos prisão do assassino e a garantia do direito democrático ao voto e a manifestação

É com profunda indignação e pesar que informamos o assassinato de Charlione Lessa Albuquerque, de 23 anos, filho de Maria Regina Lessa – tesoureira do Sindicato dos Sapateiros do Ceará, Secretária da Mulher Trabalhadora da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo do Vestuário da CUT-CNTRV, militante da Democracia Socialista e da CUT Socialista e Democrática, ocorrido no início da noite deste sábado, 27 de outubro, na cidade de Pacajus, no estado do Ceará, durante um carreata em apoio a Fernando Haddad, candidato do PT, à presidência da República.

O jovem que trabalhava como servente de pedreiro, participava ao lado de sua mãe da carreata que seguia em clima pacífico e descontraído, como tem sido nossa campanha. Segundo testemunhos, um seguidor de Jair Bolsonaro (PSL) desembarcou de um carro e disparou vários tiros contra a manisfestação. Após os disparos o assassino bradou orgulhosamente o nome de Bolsonaro.

A Democracia Socialista, corrente interna do Partido dos Trabalhadores, solidariza-se com sua militante Regina Lessa e exige das autoridades do Ceará e do Brasil a rápida prisão do assassino e demais participantes do crime e também exige explicações de Jair Bolsonaro, candidato do PSL à presidência da República, cujo os seguidores agem diariamente com extrema violência, impulsionados pelo seu discurso de ódio e intolerância contra todos que tem uma opinão divergente a sua.

Na oportunidade expressamos, nesse momento de dor profunda e perda, total solidariedade da militância da Democracia Socialista e CUT Socialista Democrática com nossa querida companheira Regina Lessa.

Seguimos combatendo o fascismo, o ódio, a intolerância e o autoritarismo com as armas da democracia. O Brasil não é fascista e não podemos permitir que uma disputa eleitoral, impulsionada pelo ódio e intolerância – como o propagado por Jair Bolsonaro, transforme nosso país em um campo de guerra.

FASCISTAS NÃO PASSARÃO.

JUSTIÇA JÁ.

CHARLIONE, PRESENTE!

São Paulo, 27 de Outubro de 2018.

Democracia Socialista

Veja também

Das lutas pela terra, há 35 anos nascia o MST

Em 21 de janeiro de 1984, o 1° Encontro Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, em Cascavel (PR), reunia centenas de representantes de camponeses, sindicatos rurais e movimentos sociais do campo, com apoio da Pastoral da Terra da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ao final do encontro, foi criado o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que em pouco tempo viria a se tornar uma das mais importantes organizações sociais do país, com reconhecimento internacional.

Comente com o Facebook