Home / Conteúdos / Notícias / Cafarnaum, filme escancara crueza das relações humanas | Eduardo Tadeu Pereira

Cafarnaum, filme escancara crueza das relações humanas | Eduardo Tadeu Pereira

O filme da libanesa Nadine Labaki é daqueles que aos quais se assiste com curiosidade. É também daqueles que marcam, com cenas, falas e provocação de sentimentos inesquecíveis, que fazem aflorar emoções e imobilizam o espectador ao término da projeção.

A história de Zain, menino na periferia de Beirute, poderia ocorrer em qualquer grande cidade do mundo. Ator que nasceu na Síria, não profissional, o jovem Zain Al Rafeea tem performance fantástica. Inclusive ao simular ser refugiado para pedir esmolas e puxar o sotaque sírio.

Cafarnaum retrata a vida do menino Zain, que vive com sua família em extrema pobreza. Para proteger sua irmã, que ao menstruar passa a ser negociada pelos pais com um comerciante local, sai de casa, vive o drama de refugiados, comete um crime ao esfaquear o homem para quem seus pais entregaram a irmã e, por isso, acaba preso e condenado aos 12 anos de idade. Ao processar seus pais por o terem colocado no mundo, Zain questiona a estrutura da sociedade e do Estado.

Assim, o enredo passa pelo drama da família de Zain e a esperteza do menino. Aborda ainda a problemática de imigrantes oriundos de países pobres e a situação das mulheres, particularmente naquela sociedade em que podem ser tratadas como objeto e, portanto, negociadas. Trata ainda da relação dos pobres com o Estado, no caso com o Judiciário, como estrutura exclusiva das elites.

Muito marcante no filme é crueza das relações humanas. A percepção do pai do menino de que: “nós não somos seres humanos, somos insetos”. Então, para que documentos? Isso é para quem tem lugar na sociedade, no mundo. Documentos são para os seres humanos…
Ao ser preso, o pequeno Zain é examinado na delegacia por um médico que, ao conferir os dentes do menino, decreta: tem em torno de 12 anos. Como se faz com animais e se fazia com escravos. A cena corta o coração.

Ao processar os pais, Zain questiona, na realidade, a sociedade. Coloca frente a frente a representação da sociedade formal, através da estrutura judicial, e a família excluída, vilipendiada, desconsiderada. A representação da exclusão com sua dureza. Filme imperdível para alimentar a revolta e a esperança!

Título: Cafarnaum
Direção: Nadine Labaki
Música: Khaled Mouzanar
Produção: Líbano/França
Elenco: Zain Al Rafeea, Nadine Labaki, Yordanos Shifera, Boluwatife Treasure Bankole

Originalmente publicado em Fundação Perseu Abramo.
Eduardo Tadeu Pereira é historiador e doutor em educação, foi prefeito em Várzea Paulista.

Veja também

Jornal Em Tempo digitalizado está disponível na base de dados do CSBH

Periódico, que circulou de forma impressa de 1977 até 2004, é uma preciosa ferramenta para quem quer conhecer a história da esquerda brasileira nas últimas quatro décadas. Projeto inovador e democrático, o jornal Em Tempo participou da formação de toda uma geração de combatentes socialistas.

Comente com o Facebook