Home / Conteúdos / Artigos / Líder em Fortaleza, Luizianne ataca Ciro e jura fidelidade a Cid

Líder em Fortaleza, Luizianne ataca Ciro e jura fidelidade a Cid

Reproduzimos a seguir Entrevista da Prefeita petista Luizianne Lins, candidata a reeleição, publicada no último dia 26/08 no Jornal Valor Econômico. Luizianne que subiu 5 pontos percentuais nas últimas pesquisas, reassumiu a liderança da disputa contra Praticia Saboya (PDT/PSDB) e Moroni Torgan (DEM/PP).

Publicado originalmente no Jornal Valor Econômico
Por Raquel Ulhôa

Luizianne quer Lula na campanha: “Fortaleza foi a capital petista que lhe deu o maior percentual de votos. Ele deve isso (a nós)”

A prefeita Luizianne Lins (PT) disputou em 2004 contra a vontade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defendia apoio do partido a Inácio Arruda (PC do B). Eleita, trabalhou ativamente para a reeleição de Lula em 2006. Agora candidata à reeleição, cobra de Lula apoio no primeiro turno. “Ele deve isso a quem lhe deu 67,5% dos votos em Fortaleza em 2006”, diz. Mesmo sem Lula no palanque, a prefeita, que vinha se mantendo atrás do candidato do DEM, Moroni Torgan, passou a liderar a disputa, segundo pesquisas de ontem.

O presidente mantém distância no primeiro turno porque a senadora Patrícia Saboya (PDT), também da base aliada, concorre. E não quer desagradar o deputado Ciro Gomes (PSB), que apóia Patrícia embora o PSB esteja coligado ao PT. A prefeita critica a postura de Ciro, “que a cada eleição pensa de um jeito”, e diz que Lula não pode se render à “ambigüidade política” do deputado.

Em entrevista ao Valor, a prefeita diz que sua eleição abriu “novo ciclo político de poder” no Ceará e por isso tornou-se a principal adversária do senador Tasso Jereissati (PSDB), que governou o Estado três vezes e elegeu dois sucessores. “A turma viu que a gente não veio para brincar e está construindo um novo projeto político econômico para o Estado, então está tentando recuperar o poder” afirma.

Luizianne compara Tasso – que pôs fim à “política dos coronéis” no Ceará – a um “coronel eletrônico”. Diz ela: “O curral (eleitoral) virou o curral eletrônico. Ele tem uma televisão, para servir à política dele.”

Nesta campanha, Luizianne enfrenta oposição hostil de evangélicos. Em outdoors espalhados na cidade pela Convenção de Ministros das Assembléias de Deus Unidas do Ceará (Comaduec), é chamada de “Jezabel” (princesa fenícia que combatia o Deus de Israel e perseguiu profetas, segundo o Antigo Testamento). Para a prefeita, a entidade está sendo “instrumentalizada” pela campanha concorrente.

Apesar das críticas a Ciro, a prefeita reafirma o compromisso do PT do Ceará com a reeleição do governador Cid Gomes (PSB), seu aliado e irmão do deputado. Ao Valor, Ciro disse não acreditar que o PT vá apoiar a reeleição de Cid, assim como não o apoiará para presidente em 2010. A seguir,a entrevista da prefeita ao Valor.

Valor: Ciro está certo ao avaliar que o PT não apoiará a reeleição de Cid?
Luizianne Lins – Até que se prove o contrário, somos aliados de um projeto duradouro de poder. Se não houver mudança de conjuntura, se Cid continuar nosso aliado político estratégico, é inconteste que será nosso candidato a governador. Talvez o Ciro diga isso por ter dificuldade de imaginar projetos políticos que se firmam e pessoas que acreditam e confiam umas nas outras. De gente que a toda eleição muda de conversa e diz uma coisa diferente, não se pode esperar perspectiva futura. Não é o caso do Cid, um homem sério que tem se mostrado cumpridor de palavra.

Valor: Mas, sendo reeleita, a senhora não será forte candidata para o governo do Estado?
Luizianne – Jamais serei candidata a governadora contra a reeleição do Cid, se ele permanecer com a inteireza política que vem demonstrando. Não por causa do Ciro. Por causa do Ciro eu já seria oposição ao irmão.

Valor: E com relação à candidatura de Ciro para presidente?
Luizianne – Esse é um debate que o partido vai fazer nacionalmente. Sou membro do Diretório Nacional e posso atestar que o partido nunca fez essa discussão. Nunca tratamos disso. É justificativa que o deputado está arranjando para a posição dele. É claro que, como política se faz com gestos, esse tipo de comportamento do deputado Ciro Gomes, que a cada eleição pensa uma coisa ou apóia uma pessoa diferente, nos causa desconfiança e estranhamento.

Valor: A senhora pretende disputar o Senado em 2010?
Luizianne – A minha intenção é ser prefeita mais quatro anos de Fortaleza, cidade que a gente está começando a reconstruir do zero. Uma das cidades mais difíceis de governar, a quarta do país em população (2,5 milhão), que acumulou problemas de saúde, educação, habitação e infra-estrutura. Temos uma explosão demográfica.

Valor: Como a senhora responde às críticas de falta de gestão?
Luizianne – Eu recebi essa prefeitura devendo R$ 278 milhões de restos a pagar e fornecedores com quatro, cinco meses em atraso. Peguei a cidade quase inviabilizada financeiramente. A folha de pagamento era de R$ 40 milhões e a prefeitura não tinha esse dinheiro . Se eu não tinha dinheiro nem para pagar o servidor, quanto mais para fazer investimento. Só o Hospital da Mulher, que estamos construindo, vai ser obra de R$ 60 milhões de reais. Cada Cuca (Centro Urbano de Cultura, Arte, Ciência e Esporte), um grande projeto de política pública para juventude, custa R$ 10 milhões e vou fazer seis.

Valor: De onde vem o dinheiro?
Luizianne – Nesses três anos e meio só corri atrás de dinheiro. O financiamento do Cuca é do BID (Banco Interamericano). E os recursos para o Hospital da Mulher vêm de emenda de bancada parlamentar e do Orçamento da União. Vamos ter o Transfor (obra de R$ 86 milhões, financiada pelo BID), projeto de transporte urbano que vem desde o governo passado e nunca deslanchou por falta de recursos. Mais de 100 mil pessoas moram em áreas de risco. A média anual do Orçamento é de R$ 2 bilhões e pouco. Só o IJF (hospital geral) consome cerca de R$ 110 milhões, que é mais que a arrecadação do IPTU do ano passado, e 50% da internação é do povo do interior. Nunca o governo do PSDB construiu um hospital no interior do Estado. Por que os modernos, os mudancistas, nunca construíram hospital? Os 20 anos de neoliberalismo tucano devassaram o interior do Estado.

Valor: E a modernização promovida pela gestão tucana?
Luizianne – Quando ele (Tasso) foi eleito em 86, vinha com uma crítica aos coronéis. Eles estabeleceram a figura do coronel eletrônico. O curral virou o curral eletrônico. Ele tem uma televisão, para servir a ele e à política dele. Eles tinham um modelo de industrialização do interior do Estado que não vingou. Deram, durante esses 20 anos, em torno de R$ 4 bilhões de renúncia fiscal para atrair empresas. Arrebentaram a agricultura familiar e muitas dessas empresas, quando tiveram que pagar o que o Estado investiu com essa renúncia fiscal, se mandaram. O único lugar onde teve impacto de empregos foi Sobral, onde a Grandene se instalou. Nos outros lugares as empresas quebraram e foram embora. Não ficou nem agricultura nem indústria.

Valor: A senhora se tornou a maior opositora de Tasso. Por que?
Luizianne – A nossa eleição de 2004 abriu novo ciclo político de poder no Ceará. Eu não sou filha do poder econômico do Estado nem do poder político. A turma viu que a gente não veio para brincar, que está construindo um novo projeto político econômico para o Estado, e está tentando recuperar o projeto.

Valor: O presidente vai participar da campanha?
Luizianne – Fortaleza foi a capital administrada pelo PT que deu o maior percentual de votos a Lula. Ele deve isso (a nós). O DEM e o PSDB estão do outro lado, são inimigos políticos ideológicos de classe contra o projeto político do Lula. Eu não vou medir esforços para convencer o presidente que a presença dele é muito importante no 1º turno.

Valor: Mas ele não quer problemas com o Ciro, que apóia a senadora Patrícia.
Luizianne – Ciro transita numa ambigüidade política que vai do Tasso ao presidente Lula. Só que isso não pode ser uma amarra para nós, porque são dois lados antagônicos, projetos políticos antagônicos, e o PSDB quer destruir o projeto nacional popular do PT. Não podemos ficar nos rendendo à ambigüidade do juízo político do Ciro. (RU)

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook