Home / Temas / Brasil / Militância do PT dará resposta no PED, diz Raul Pont

Militância do PT dará resposta no PED, diz Raul Pont

Militância do PT dará resposta no PED, diz Raul PontO deputado Estadual e ex-prefeito de Porto Alegre Raul Pont lançou, no último dia 15, sua candidatura à presidência nacional do PT no Paraná.

Para Raul os filiados do PT de todo o país darão uma respostas à atual crise vivida pelo partido. E essa resposta virá no próximo mês de setembro, durante o Processo de Eleições Diretas (PED) do PT.

Para o ex-prefeito de Porto Alegre, a raiz da crise que atinge o PT está no tipo de política de alianças adotada nos últimos anos pelo partido. “O atalho das alianças fez o PT perder nitidez política. Ficamos parecidos com as outras siglas.”

Raul Pont esteve no último fim de semana em Curitiba, onde lançou a candidatura do deputado federal Dr. Rosinha —também integrante da DS— à presidência do diretório do PT no Paraná.

Questionado sobre as chances das correntes de esquerda na eleição para a presidência nacional do partido, Raul Pont afirmou que a possibilidade de 2º turno na disputa é “concreta”.

“Milhares de filiados já não vêem mais a política de alianças como uma questão menor, secundária. Estão vendo porque nós sempre dizíamos que essa política não ia dar certo”, avalia Pont. “Pela crise que vive o Campo Majoritário, que sequer definiu sua candidatura, a nossa chance [da esquerda petista] no PED é concreta.”

Além de Pont, os candidatos Valter Pomar, Plínio de Arruda Sampaio e Maria do Rosário já fecharam um acordo de apoio mútuo, num eventual segundo turno, contra o candidato a ser definido pelo Campo Majoritário —a substituição de José Genoino, que seria candidato à reeleição, ainda não foi oficializada.

Partido eleitoral x socialismo – O ex-prefeito da capital gaúcha afirmou ainda que a manutenção de um partido meramente “eleitoral” não condiz com o caráter socialista do PT.

“Queremos construir uma sociedade alternativa ao capitalismo. E criar uma referência de socialismo exige um trabalho de construção, de núcleos, que priorize o debate. E não um partido eleitoral”, afirmou Raul Pont.

“O PT se transformou num partido que se endivida para disputar eleições, fato que nos rebaixa, nos iguala aos outros.”

Cicatrizes – Para o deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), o PT teve {mosimage}sua imagem “profundamente arranhada” ao longo dos últimos meses.

“O PT foi arranhado, e sairá desta crise com cicatrizes”, afirma Dr. Rosinha. “Essas cicatrizes serão mais ou menos profundas, a depender do resultado das eleições internas de setembro.”

Na opinião do deputado paranaense, se a atual direção do partido for mantida, tal processo de “cicatrização” será “lento”.

Mudar o governo Lula – Pont afirmou que os petistas não podem renunciar ao patrimônio construído durante mais de 25 anos pelo PT. “Vamos sobreviver”, disse. “Mudando o PT, vamos dar um passo decisivo para mudar também o governo.”

O candidato à presidência do partido voltou a defender o afastamento do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que responde a inquérito perante o STF. Disse ainda que a reeleição de Lula depende de uma mudança na política econômica do governo. “Com a atual política econômica, seremos derrotados”, sentenciou.

“O sentimento da maioria dos filiados é de que a política de juros altos está equivocada. Já são mais de dois anos e meio de transição, desde o fim do governo FHC. Chega de transição.”

Erros e propostas – Para Raul Pont, o maior erro do governo Lula foi ficar refém de um Congresso Nacional “extremamente conservador”, que “aplaude uma política econômica anti-popular e anti-nacional”. “O governo não teve a ousadia de buscar uma participação direta da população.”

Quanto aos erros do PT, afirmou que o Campo Majoritário deu autonomia demais para seus representantes na executiva do partido, entre eles Delúbio Soares. “O Campo Majoritário autonomizou os cargos da executiva nacional. A instância partidária foi alijada das informações.”

Entre as propostas defendidas por Raul Pont estão a convocação de assembléias populares nas capitais para discutir assuntos como o Orçamento da União, o fim das emendas parlamentares individuais, a aprovação da reforma política e a rejeição das alianças petistas com partidos de direita.


Ouça:

Raul Pont fala sobre as chances da esquerda petista no PED

Raul Pont fala sobre erros cometidos pelo Governo Lula

Veja também

Pelo que lutamos no 6º Congresso do PT | Coordenação Nacional da Democracia Socialista

Lutaremos junto com todos e todas que estiverem a favor de viabilizar a opção da democracia interna e da necessária mudança de rumo, à esquerda, do PT. Enfrentaremos os que querem inviabilizar por meios burocráticos desonestos o 6º Congresso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook