Home / Conteúdos / Artigos / O Brasil evoluiu muito do ponto de vista fiscal, diz Arno Augustin

O Brasil evoluiu muito do ponto de vista fiscal, diz Arno Augustin

Responsável pelo cofre do governo, o gaúcho Arno Augustin garante que não está preocupado com os resultados fiscais de 2009. Mesmo com as despesas em alta e um rombo de R$ 7,63 bilhões nas contas de setembro, argumenta que o país optou por uma estratégia fiscal de tranquilidade e está otimista para 2010. No dia em que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciava a prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados para a linha branca de eletrodomésticos, Augustin estava bem-humorado. Leia entrevista do Secretário do Tesouro Nacional, concedida ao jornal Zero Hora.

Economista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Arno Augustin está há mais de dois anos à frente da Secretaria do Tesouro. Mesmo afinado com a equipe econômica, vira alvo da boataria pré-eleitoral. Na esteira da saída do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles – que deve se afastar para concorrer às eleições —, integrantes da área técnica ameaçam deixar o governo. Petista alinhado à corrente Democracia Socialista, Augustin nega que possa sair da secretaria. A seguir, os principais trechos da entrevista:

Zero Hora — Quando o senhor assumiu a secretaria, o ministro Guido Mantega afirmou que a sua missão seria garantir solidez fiscal. Conseguiu cumprir a tarefa?

Arno Augustin — O Brasil evoluiu muito do ponto de vista fiscal. Hoje, temos opções. Em 2008, tivemos um resultado que cumpria a meta e ainda permitia poupança de 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto). A economia brasileira vinha crescendo em velocidade grande. A missão era reduzir o gasto e ter o maior resultado fiscal possível. Em 2009, diante da crise, o governo decidiu auxiliar o crescimento econômico com resultado fiscal menor. Todos os programas de investimentos foram mantidos, inclusive o PAC (Plano de Aceleração do Crescimento). Além disso, emprestamos R$ 100 bilhões para o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social). Tudo para fazer a economia crescer.

ZH — O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, defende o controle fiscal, e economistas criticam o governo pelo descontrole nos gastos, com o aumento do funcionalismo. Há como lançar mão dessas políticas em um ano de crise econômica sem provocar problemas nas contas da União?

Augustin — O país optou por uma estratégia fiscal de absoluta tranquilidade, permitindo que a relação da dívida com o PIB continue a cair. Respeitamos a crítica, mas não é verdadeira nem consistente. Num ano de crise, seria pior se o governo não tivesse essa política anticíclica. Aumentamos as despesas em investimento. Os gastos em custeio tiveram algum aumento também. No caso do funcionalismo, em áreas absolutamente necessárias, a Receita Federal, o Banco Central, ou seja, áreas importantes para cobrança. Isso está errado? Não acho.

ZH — O governo prorrogou o IPI reduzido para a linha branca de eletrodomésticos. Essa política de redução de imposto pode se tornar permanente?

Augustin — O governo vai avaliar em cada caso qual a equação tributária final. A tendência é de que as desonerações dadas por prazo sejam respeitadas. O objetivo é que sejam um motivador num momento em que a demanda não está aquecida. Mas é claro que você poderá analisar alguns setores e chegar à conclusão de que a melhor tributação definitiva pode ser outra. O governo continua a trabalhar para fazer a economia crescer. Em 2008, o trabalho era reduzir a demanda, e o fizemos. Em 2009, tínhamos de aumentar a demanda. Haverá um momento em que isso se equilibrará novamente, e estimamos que seja em 2010.

ZH — A equipe econômica não teme risco de inflação para o próximo ano?

Augustin — A tendência é de inflação totalmente controlada.

ZH — Arrisca um índice de crescimento da economia em 2010?

Augustin — Trabalhamos com 4,5% a 5% de crescimento. Temos a equação monetária e a inflação sob controle. A dívida que vence em 2010 é pequena, assim como a de 2009.

ZH — Taxar a entrada de capital estrangeiro era necessário?

Augustin — Absolutamente necessária para que a taxa de câmbio não tivesse efeito negativo sobre a economia. Fizemos isso porque o Brasil sofreu muito com a queda mais forte do dólar no pré-crise e, depois, com a subida na sequência. Isso faz muito mal para a economia. O governo deve estar sempre atento. Quando enxerga um movimento de valorização excessiva, como a gente estava enxergando, tem de agir.

ZH — O senhor pretende deixar o governo para atuar na campanha eleitoral do PT no Rio Grande do Sul?

Augustin — Não existe isso. Eu pretendo ficar aqui no ministério até o final do governo. Essas questões, que às vezes você lê no jornal, não existem.

(fonte: jornal Zero Hora)

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook