Home / Conteúdos / Notícias / O feminismo e os caminhos para o futuro que queremos

O feminismo e os caminhos para o futuro que queremos

1602299TATIANA OLIVEIRA

O PT tem acertado ao fazer das mulheres as principais beneficiárias dos programas sociais. Apenas esta medida já apresenta impactos significativos na autonomia econômica e financeira das mulheres, além de ter-se mostrado medida auxiliar importante no combate à violência doméstica.

No contexto de um pleito eleitoral, em que, após pouco mais de dez anos de governo da esquerda no Brasil a linguagem dos direitos se instala como critério que habilita as candidaturas em disputa – seja pela esquerda ou pela direita – torna-se necessário integrar ao debate as experiências e as expectativas das mulheres.

E, nesse sentido, também, as contribuições que o feminismo tem a oferecer a um projeto de sociedade verdadeiramente justa e igualitária.

Em que pesem os avanços em termos da conquista de direitos, do acesso ao mercado de trabalho e do acesso à educação e à universidade, é fundamental posicionar as mulheres de forma mais ampla e profunda no cenário político, a fim de enxergar os desafios à frente.

Sem isso, será impossível atingir o objetivo da igualdade e prosperidade para todas e todos.

Na minha análise, parto da crítica elaborada pela economia feminista sobre a incidência da realidade machista e patriarcal sobre a vida das mulheres.

Uma das premissas de alguns desses estudos é que o capitalismo “incorporou a dominação patriarcal como estruturante do seu modelo econômico e de suas práticas, tendo como base a divisão sexual do trabalho, o controle sobre o corpo das mulheres e a imposição da família patriarcal e da heteronormatividade da sexualidade como modelos” (ver “Feminismo em Marcha Para Mudar o Mundo”, Nalu Faria, Revista Democracia Socialista, dezembro de 2013, p.176.)

Assim, a primeira coisa que deve ser observada quando nós, feministas, falamos em igualdade, é que estamos chamando a atenção para o fato de que as mulheres somos afetadas de maneira desigual por problemas comuns.

Na prática, isso significa que para realizar o debate sobre pobreza e desigualdade social, sobre trabalho, ou sobre desenvolvimento socioeconômico, há que se levar em consideração as especificidades que caracterizam a vida das mulheres.

Nesse aspecto, o governo do Partido dos Trabalhadores tem acertado ao fazer das mulheres as principais beneficiárias dos programas sociais desenhados e postos em prática pelo governo federal.

Apenas esta medida, sem contabilizar outras mais, já apresenta impactos significativos no que tange a autonomia econômica e financeira das mulheres, além de ter-se mostrado medida auxiliar importante no combate à violência doméstica.

É preciso notar também que se tem, aqui, um ganho em termos de cidadania, posto que as mulheres somos as principais chefas de família no Brasil – quase sempre na condição de mães solteiras.

Esse movimento do Estado indica o reconhecimento, todavia incipiente, das dificuldades enfrentadas pelas mulheres que acumulam o trabalho produtivo e reprodutivo, bem como o compartilhamento dessa responsabilidade por meio da formulação de uma política pública específica.

A desigualdade é, entretanto, persistente, está no cotidiano e ao alcance dos olhos. Apesar de sermos 46,1% da População Economicamente Ativa (PEA), segundo dados do IBGE de 2011, a defasagem salarial entre homens e mulheres é de cerca de 30%.

Ou seja: As mulheres, que somos, hoje, em geral mais escolarizadas do que os homens, ganhamos em torno de 70% dos salários deles, mesmo quando ocupamos os mesmos cargos e assumimos as mesmas tarefas.

De mais, as mulheres ainda somos exceção nos cargos de gerência e de decisão; somos discriminadas em trabalhos considerados não femininos; somos maioria no emprego doméstico; somente 28% de nós possuímos carteira assinada, e, dentre estas, 72% ganhamos menos de um salário mínimo.

Em relação às mulheres brancas, as negras enfrentam uma realidade de desigualdade ainda mais aguda. Estas ganham salários ainda menores do que os daquelas e ocupam os postos de trabalho mais desvalorizados em relação às primeiras.

Uma saída para enfrentar essa realidade é o debate sobre a despatriarcalização do Estado. Isso quer dizer refundar as instituições e suas práticas de modo a que elas sirvam para impulsionar um projeto de sociedade capaz de contemplar a liberdade das mulheres e a igualdade entre os gêneros.

Despatriarcalizar implica romper com o monopólio masculino sobre o poder, e garantir o direito das mulheres (da mesma forma que outras identidades de gênero) para decidirem sobre sua vida e seus corpos, mas também sobre economia, política e cultura.

Contudo, embora um desenho institucional adequado possa favorecer esse processo (por exemplo, garantindo a paridade de gênero nas instâncias públicas e legislativas), estamos falando da alteração de padrões culturais de vivência, além de históricos de sociabilidade, cujo sucesso depende, em larga medida, da capacidade do feminismo de agregar aliados à sua luta.

O feminismo é modo de pensamento e movimento político organizado que propõe um projeto de igualdade entre os gêneros, sem discriminação de raça e etnia, militando também pelo livre exercício da sexualidade.

O Estado não pode funcionar como agente reprodutor das desigualdades. E precisamente por isso esperamos que a visão das mulheres possa ser incorporada de modo efetivo ao próximo mandato presidencial.

 

Artigo originalmente publicado em Brasil Debate.

Veja também

“Os jovens entram no mercado de trabalho desempregados”, aponta sociólogo Anderson Campos em seminário da CUT-RS

A difícil realidade dos jovens no mercado de trabalho foi o assunto do seminário “Juventude …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook