Home / Conteúdos / Artigos / O massacre da PF no Paraná | Dr. Rosinha

O massacre da PF no Paraná | Dr. Rosinha

Agora que a poeira baixou, que a fumaça, pelo vento, foi varrida para longe, o sangue do chão foi lavado pela chuva, os gritos de dor foram silenciados e os de indignação, guardados dentro do peito, é possível escrever sobre o sábado, dia 7 de abril.

O distanciamento que permite escrever a respeito desse massacre agora é apenas aquele da marcação do tempo no relógio, porque a indignação é pulsante a cada dia que passa.

Naquele dia 7, muita gente apreensiva e indignada esperava a chegada de Lula ao prédio da Policia Federal (PF) do Paraná.

Eram mais de mil pessoas em frente à PF, que estavam ali para demonstrar solidariedade à Lula e para protestar contra a injustiça de sua prisão, bem como para defender a democracia. Protestar contra a ditadura do Poder Judiciário e da mídia comercial.

Ao longo do dia, desde o período da manhã, aos poucos foram se juntando no local gente e mais gente: homens, mulheres e crianças.

Pessoas de todas as idades se abraçavam e, indignadas, comentavam sobre a conjuntura política e a desgraça que desaba sobre o Brasil e seu povo, principalmente sobre a classe trabalhadora.

Cumprimentos e encontros apreensivos.

Apreensiva espera.

Para todos e todas que ali estavam, a espera era como o cumprimento de uma sentença. Infelizmente, uma sentença anunciada.

Um olho, um ouvido aqui e outro em São Bernardo do Campo (SBC).“Bem que o povo de SBC não devia ter deixado ele sair de lá”, alguns comentaram. Deixaram.

A tarde de apreensão e nervosismo entrou na noite de espera. A espera para demonstrar a solidariedade a Lula e o protesto pela injusta condenação.

Solidários, esperávamos o Lula. Solidários a Lula e em protesto contra a parcialidade de Sérgio Moro, o juiz que não prende os corruptos do PSDB, melhor, nas fotos, está sempre sorridente e feliz ao lado de alguns deles.

Entre nós, um ir e vir.

Entre nós, um nervosismo crescente.

Entre nós, noticias desencontradas encontravam nossos ouvidos.

Nervosos, nos perguntávamos o que era verdade e o que era mentira.

Riso apertado.

Choro nervoso. Desesperado.

O helicóptero com Lula começa a se aproximar. Bombas começam a explodir.

Correria. Mais bombas.

Bombas. Tiros.

Bombas. Tiros. Gritos.

Correria em rumo incerto: para onde correr?

Correria com final incerto: até onde as bombas alcançarão.

Policiais da Polícia Federal atiravam e regozijavam-se dessa ‘proeza’.

Alegres atiravam.

Riam da dor alheia.

Se, de um lado do prédio da PF do Paraná, havia manifestantes em solidariedade a Lula, do outro lado, do mesmo prédio, estavam os fascistas se embriagando de álcool e de ódio à Lula.

Com bateria de foguetes e raios laser contra o helicóptero, atentavam, naquele momento, contra a vida de Lula. Atentavam também contra a vida do piloto.

Contra estes, os policias da PF nada faziam. Melhor, tudo permitiam.

A PF e a Policia Militar do Paraná foram alertadas, antes da chegada do helicóptero, de que havia bateria de foguetes. Negaram que havia e, quando se constatou que existia, nada fizeram.

Desde o início da investigação da Lava Jato, o Ministério Público, o Poder Judiciário, na figura de Sérgio Moro e a PF do Paraná têm agido ideologicamente e de maneira parcial.

A ação da PF nesse dia foi mais uma demonstração da postura ideológica. Massacrava os que se solidarizavam com Lula e protegia quem atentava contra sua vida.

No pós-massacre imediato, restou a rua cheia de objetos pessoais. Na fuga, abandonou-se o banquinho, o guarda sol, perdeu-se o sapato, óculos, chaves de carro.

Pessoas eram socorridas e outras se abraçavam chorando. Crianças em desesperado pranto tremiam e se abraçavam. Dentro do prédio da PF policiais festejavam o feito.

Hoje, se a poeira baixou, se a fumaça, pelo vento, foi varrida para longe, se o sangue do chão foi lavado pela chuva e se os gritos de dor foram silenciados, restam os gritos de revolta e de indignação.

Estes continuam a ser gritados e são ouvidos todos os dias a cem metros do prédio da PF do Paraná.

O que era uma vigília, no pós-massacre, se transformou num acampamento. Lá, todos os dias, indignados e revoltados pela perseguição a Lula, gritamos “Lula Livre”.

Doutor Rosinha é presidente do Diretório Estadual do PT-PR, ex-deputado federal e foi Alto Representante do Mercosul no Governo Dilma
Publicado originalmente no Vio Mundo 

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Comente com o Facebook