Home / Conteúdos / Artigos / O povo tem direito à verdade

O povo tem direito à verdade

Na última quarta-feira 5 de agosto, a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), foi formalmente acusada de ter participado do roubo do Detran. Por razões de sigilo jurídico, o procurador federal encarregoado do caso não disse se Yeda operou a fraude, se ela intermediou a fraude, ou se ela ficou com dinheiro da fraude. Leia artigo sobre o pedido de afastamento e a nota da executiva estadual do PT-RS.

Maneco *

Quando, em 5 de março deste ano, o blog RS Urgente apresentou uma catastrófica previsão do tempo na política gaúcha, é porque já naquele momento estava formada a convicção de que a máfia que roubara 44 milhões do Detran, havia deixado rastros muito salientes pelo caminho.

Precisamente às 15h52min da quarta-feira 5 de agosto, o procurador federal Fredi Wagner se encarregou de comprovar aquela previsão: Yeda Rorato Crusius foi formalmente acusada de ter participado do roubo do Detran. Por razões de sigilo jurídico, o procurador não disse se Yeda operou a fraude, se ela intermediou a fraude, ou se ela ficou com dinheiro da fraude. Mas uma, ou duas, ou três dessas coisas, isso ela fez, afirmou o procurador que, por isso, pediu à Justiça que decrete o afastamento da governadora do cargo.

Nunca, antes, na história política do Rio Grande do Sul, houve qualquer coisa parecida. É a maior crise institucional de que se tem notícia no Estado. E não só porque a governadora é ré de uma ação de improbidade. Mas, também, porque seu marido, Carlos Crusius, é acusado da mesma coisa. E não só ele. Ainda o ex-Secretário Geral de Governo de Yeda, Delson Martini. E o ex-Chefe da Casa Civil de Yeda e ex-presidente do PMDB de Porto Alegre, deputado Luiz Fernando Zachia. E dois ex-presidentes da Assembleia Legislativa, deputados do PP, José Otávio Germano e Frederido Antunes, todos da base aliada da governadora. Como se não bastasse, também o ex-tesoureiro de campanha de Yeda, Rubens Bordini que hoje ocupa a vice-presidência do Banrisul no governo dela e a assessora mais próxima da governadora, seu braço-direito, Walna Vilarins Meneses foram formalmente acusados.

Toda esta gente está acusada oficialmente de ter mandado às favas a integridade, a honestidade, a honradez, a retidão e a justiça. Sim, ser probo é ser isto: íntegro, honesto, reto e justo. E a acusação que pesa sobre eles é de Improbidade. O tempo, definitivamente, fechou. E aqueles gaúchos que, por ventura, se sentirem envergonhados por tudo o que está acontecendo, que lembrem das palavras do procurador Ivan Marx ditas ao justificar a ação do Ministério Público: “O povo tem direito à verdade. E que a impressão não seja de desamparo, mas de um Estado melhor”.

* Publicado em 5 de agosto no blog RS Urgente: rsurgente.opsblog.org.
Abaixo, nota da exeutiva estadual do PT-RS sobre o pedido de afastamento da governadora do estado:

NOTA DA EXECUTIVA ESTADUAL DO PT DO RIO GRANDE DO SUL

O PT vem a público manifestar a sua indignação frente à gravidade da crise política e ética que se abateu sobre o Rio Grande.

Nesse sentido, entende que a atual governadora Yeda Crusius não tem mais condições políticas de continuar a frente do Executivo Gaúcho e endossa o pedido do Ministério Público Federal de seu imediato afastamento do cargo.

O PT defende, simultaneamente, a imediata instalação da CPI da Corrupção, haja vista as conclusões apresentadas pelo Ministério Público Federal, provocadas pela bancada petista logo após o término da CPI do Detran.

O PT/RS se soma aos movimentos sociais na luta pelo Fora Yeda e convoca sua militância a participar ativamente da grande mobilização popular no próximo dia 14 de agosto de 2009.

Porto Alegre, 06 de agosto de 2009.

Veja também

“Os jovens entram no mercado de trabalho desempregados”, aponta sociólogo Anderson Campos em seminário da CUT-RS

A difícil realidade dos jovens no mercado de trabalho foi o assunto do seminário “Juventude …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook