Home / Conteúdos / Artigos / Os limites do pluralismo norte-americano

Os limites do pluralismo norte-americano

Sistema eleitoral alimenta distorções e condena os EUA ao bi-partidarismo.

Há quatro linhas críticas aos limites históricos da democracia norte-americana. A primeira delas incide exatamente sobre o caráter classista desta democracia. Os EUA são o único grande país moderno do Ocidente que não tem uma tradição partidária trabalhista ou socialista enraizada. Isto não é um acaso: a forma de organização do sistema político, que se baseia na concorrência federativa em grandes espaços e grandes eleitorados, favorece o poder do dinheiro em detrimento das formas de organização de base. Não há financiamento público de campanha nos EUA, nem propaganda eleitoral gratuita democrática como no Brasil. A organização de uma campanha exige investimentos milionários para gerar um aparecimento público nacional. A ciência política norte-americana legitima a ação dos lobbies e confere aos grupos de interesse um papel central na estruturação da dinâmica política institucional.

A segunda linha crítica trata da carência republicana desta democracia. Isto é, ela não obriga e não incentiva a participação do cidadão na esfera política. O voto não é obrigatório e não é sequer feriado no dia das eleições presidenciais. O índice de abstenção nas eleições presidenciais é historicamente em torno de 50%; nas eleições para governadores chega a 70%. A política é assim maximizada no sentido de uma atividade de profissionais separada da cidadania.

Eleição por minorias

A terceira tradição de crítica explicita o sentido não democrático substantivo deste sistema. Como metade dos eleitores em geral não votam, o presidente e os governadores são eleitos por minorias. A eleição que cria um colégio eleitoral nacional baseado em delegados sufragados por maioria em cada Estado – os critérios de aferição variam federativamente – torna possível que um candidato seja eleito presidente mesmo que não tenha obtido a maioria dos votos.

Por fim, há a crítica ao pluralismo estreito da tradição do bi-partidarismo americano. A pressão do liberalismo do país capitalista mais forte do mundo e a força da máquina dos dois grandes partidos, Democrata e Republicano, limitam a opção dos eleitores a um campo ideológico estreito. Vozes e candidatos dissidentes têm o direito de vir à luz, mas não entram na disputa central.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook