Home / Conteúdos / Editorial / Pelo que lutamos no 6º Congresso do PT | Coordenação Nacional da Democracia Socialista

Pelo que lutamos no 6º Congresso do PT | Coordenação Nacional da Democracia Socialista

Vivemos momentos definidores para a democracia e para a esquerda brasileira.

O golpe está sendo enfrentado pela mobilização da classe trabalhadora, das mulheres e da juventude. A vitoriosa greve geral e sua ampliação em um movimento democrático-popular de massas são passos fundamentais para impor recuos ao  poderoso bloco das classes dominantes que deu o golpe.

Esses passos fundamentais exigem uma alternativa política-programática clara e firme que expresse a luta por um governo democrático-popular. Essa é a dimensão que queremos imprimir à candidatura Lula e que propomos que seja assumida pelo 6º Congresso do PT.

Ao mesmo tempo, o bloco das classes dominantes no poder avança a ofensiva midiática-policial-jurídica para inviabilizar a candidatura presidencial de Lula e dar plenitude ao golpe. E, com isso, levar a esquerda à dispersão e à incapacidade de polarizar politicamente.

Vivemos, portanto, uma conjuntura de possibilidades extremadas.

Esse momento histórico exige, mais que nunca, um PT capaz de liderar um bloco de forças democráticas, populares e socialistas, portador de um programa da revolução democrática na perspectiva do socialismo. Por isso mesmo, lutamos para que o 6º Congresso vença o desafio de mudar o PT, retomar sua identidade socialista e reinseri-lo na construção da grande unidade democrática e popular necessária para derrotar o maior ataque à democracia desde o golpe militar de 1964.

A luta pelo 6º Congresso do PT começou já no primeiro ano do segundo governo Dilma, mais precisamente após o 5º Congresso ter fracassado enquanto formulador de uma alternativa à guinada neoliberal então implementada em frontal contradição com o programa eleito.

Convocado para 1, 2 e 3 de junho, o 6º Congresso continua como desafio: em que situação política e em quais condições internas o realizaremos? A greve geral e a ameaça contra Lula nos dizem que o caminho é um congresso voltado à política e à reconstrução socialista do PT. Para isso, o absoluto respeito à democracia interna é essencial.

Lutaremos contra fraudes e fraudadores que buscam o caminho oposto, o de bloquear a reconstrução vigorosa do PT como partido socialista e democrático e sua capacitação para enfrentar as urgentes tarefas políticas do momento, com destaque para a definição da candidatura presidencial de Lula vinculada a alianças e programa de esquerda.

O 6º Congresso está entre dois caminhos.

Lutaremos junto com todos e todas que estiverem a favor de viabilizar a opção da democracia interna e da necessária mudança de rumo, à esquerda, do PT. Enfrentaremos os que querem inviabilizar por meios burocráticos desonestos o 6º Congresso.

Trabalhamos pela unidade do Muda PT nos Congressos estaduais e no 6º Congresso. Na tese da Mensagem ao Partido estão nossas propostas para o debate. Conclamamos ao diálogo as correntes e militantes que querem o caminho do congresso democrático e voltado a construir o papel de esquerda do PT na luta de classes.

A luta por um PT socialista e democrático vem desde sua fundação. Sempre a compreendemos de forma simultânea à construção de uma corrente marxista-revolucionária.  A construção partidária, desde a perspectiva socialista, não só não é espontânea como está permanentemente sob pressão – e atração – da ordem política e dos interesses das classes dominantes. Essa é a luta que se trava no 6º Congresso.

 

São Paulo, 23 de abril de 2017

Coordenação Nacional da Democracia Socialista, tendência do PT

Veja também

Resolução Política da 3ª Plenária Nacional da Democracia Socialista – PT

A Democracia Socialista divulga resolução política de sua 3ª Plenária Nacional, realizada nos dias 30 e 31 de março. Confira o documento!

Comente com o Facebook