Home / Conteúdos / Notícias / Piketty e o Brasil

Piketty e o Brasil

1483178“São injustas todas as ações que se referem ao direito de outros homens, cujas máximas não se harmonizem com a publicidade” (Immanuel Kant)

Por Cláudio Puty *

No livro “O Capital no Século 21”, o economista francês Thomas Piketty apresenta um estudo admirável sobre a desigualdade. Ele adota uma abordagem que integra crescimento econômico e distribuição de renda. Considera, para tanto, as rendas obtidas na forma de salário e as decorrentes da disponibilidade de capital, usando uma longa série histórica de dados cujas fontes são os registros tributários.

As evidências apontam que a renda do capital e a riqueza obtida de forma hereditária continuam exercendo um papel relevante na expansão da desigualdade na França, Reino Unido e Estados Unidos. O aumento da desigualdade de renda e riqueza nos principais países desenvolvidos têm alarmado a opinião pública e sugerido a necessidade de redefinição do escopo das políticas econômicas.

Sabemos que o sistema tributário tem um papel importante na definição dos padrões de distribuição de renda e riqueza. Ora, a sistematização e publicação das bases de dados de que dispõe a fazenda pública federal pode –observado o sigilo fiscal do contribuinte– favorecer o desenvolvimento de estudos e a elaboração de políticas públicas orientadas à redução das desigualdades sociais.

No Brasil, é sabido que a desigualdade sempre galgou níveis alarmantes, e várias políticas públicas, com sucesso, têm sido utilizadas na última década para reduzi-la. No entanto, como constatou o próprio Piketty, a sociedade brasileira não dispõe de informações sobre a distribuição da riqueza e dos efeitos da tributação vigente em reduzir as desigualdades. Assim, torna-se imperioso que sejam produzidas informações estatísticas de qualidade para guiar políticas públicas efetivas.

Tais fatos motivaram a apresentação do projeto de lei nº. 7.698, de 10 de junho de 2014, estabelecendo que o Poder Executivo elabore anualmente um relatório sobre a distribuição pessoal da renda e da riqueza da população com base nos dados da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF). O relatório deverá ser publicado e enviado ao Congresso Nacional até 31 de março de cada ano.

Preservado o sigilo fiscal do contribuinte, o relatório deverá disponibilizar todos os dados da declaração anual de IRPF. Ele observará o seguinte padrão de detalhamento: a renda e a alíquota efetiva do IRPF; a renda segundo a natureza da fonte; o valor dos bens e direitos; o valor dos ônus e dívidas; os valores e os tipos de deduções e isenções utilizadas pelos contribuintes; o número médio de dependentes por parcela da população contribuinte; e a posição na distribuição de renda e riqueza do ano anterior.

O desenvolvimento econômico compromissado com a redução das desigualdades demanda o aperfeiçoamento contínuo da ação de governo e das instituições. Isso inclui a maior transparência das bases de dados e o conhecimento da configuração da distribuição da renda e da riqueza na nossa economia.

*CLÁUDIO PUTY é deputado federal (PT-PA), vice-líder do governo no Congresso Nacional

** publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook