Home / Conteúdos / Notícias / Plenária Nacional da CUT debate Ano Internacional da Agricultura Familiar com a presença do ministro Miguel Rossetto

Plenária Nacional da CUT debate Ano Internacional da Agricultura Familiar com a presença do ministro Miguel Rossetto

1526880“É o momento para relembrarmos a história e as conquistas e apontarmos os desafios”, afirmou Rosane Bertotti, secretária nacional da Comunicação da CUT. “Mais que um sistema de trabalho, é um processo cultural de morar e viver em função da terra e que deve ser valorizado”, disse.

Rosane coordenou a mesa de debate sobre o Ano Internacional da Agricultura Familiar nesta quinta (31) durante a 14ª Plenária Nacional da CUT e destacou em sua fala a capacidade da Central na representação de agricultores familiares, assalariados, ribeirinhos, pescadores e quilombolas.

Soberania e desenvolvimento – a agricultura familiar é responsável por cerca de 40% do total da produção agrícola, por mais de 70% da alimentação que chega a mesa dos brasileiros e responde por 10% do PIB nacional.

Estes dados, por si só, demonstram sua relevância para a soberania alimentar e o desenvolvimento do País.

Carmen Foro, vice-presidenta da CUT, apontou a necessidade de ampliar a compreensão e o fortalecimento da aliança entre campo e cidade, já que os alimentos compartilhados pela agricultura familiar são consumidos pelos companheiros e companheiras das áreas urbanas.

Ela elencou dois grandes desafios: disputa de classes com o agronegócio e luta contra concentração de terras.

Já o presidente da CUT, Vagner Freitas e o secretário de Meio Ambiente, Jasseir Fernandes, repudiaram a manobra impulsionada pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) em caracterizar a agricultura familiar como grupo econômico. “Querem transformar os agricultorores familiares em empresários. Não vamos permitir isso de maneira alguma”, afirmou o presidente da CUT.

Políticas públicas – Carmem também pontuou em sua fala o fato do Brasil ser hoje referência para o mundo no que tange a consolidação das políticas públicas para a agricultura familiar. “É o resultado de um intenso processo de diálogo e construção da democracia participativa que possibilitaram impulsionar nossas conquistas”, analisou.

Alcançar este patamar de reconhecimento só foi possível por conta do processo de inflexão no relacionamento com agricultores familiares a partir do governo do ex-presidente Lula. Esta é a avaliação do ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto.

Ele apresentou uma série de dados para corrobar sua afirmação. Poíticas de crédito, seguro, renegociação de dívidas, moradia, assistência técnica, comercialização, para o jovem, conduziram um novo cenário para a agricultura familiar

“Avançamos no meio rural brasileiro em um processo de empoderamento e organização da agricultura familiar. Agora, temos que dar um novo salto e ampliar todas as nossas conquistas na busca pela qualidade de vida do povo do campo”, disse o ministro.

Rosseto citou caso do cidade de Maués. A única maneira para se chegar até este município do Amazonas é de barco. Mesmo assim, Maués já possui um Instituto Federal e, agora, com o programa Mais Médicos, recebeu também profissionais cubanos.

Alessandra Lunas, representante CUTista na Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura), conclamou os/as delegados/as a fazer o debate acerca da questão do Ano Internacional da Agricultura Familiar e da soberania alimentar para mudar a visão da sociedade sobre o meio rural e eliminar os entraves ainda existentes.

Marcos Rochinski, coordenador-geral da Fetraf (Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar), assinalou que um dos desafios é justamente o de enfrentar o preconceito ainda enraizado na sociedade, onde o espaço rural é estigmatizado como de segunda categoria.

“A agricultura familiar é o único modelo capaz de gerar e distribuir renda, de produzir alimentos com a preservação ambiental, de garantir o desenvolvimento sustentável. Não existe soberania alimentar mantendo este inaceitável quadro de campeão em uso de agrotóxicos, com o atual modelo exportador de commodities baseado no agronegócio”, disse Rochinski, que finalizou sua apresentação com a frase: “agricultura familiar, quem não vive dela, depende dela para viver”.

Ambas as entidades possuem ações específicas para negociar a pauta de reivindicações com o governo. A Contag com o Grito da Terra Brasil e a Fetraf com a Jornada de Lutas da Agricultura Familiar.

Artigo publicado originalmente em www.cut.org.br

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook