Home / Conteúdos / Notícias / Portugal: renúncia de ministros pode levar ao fim de governo

Portugal: renúncia de ministros pode levar ao fim de governo

848837Por Iuri Faria Codas

O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho (PSD) pode ser forçado a renunciar nos próximos dias. Graças a sua política de austeridade – que continua afundando o país em uma recessão econômica -, cortes nas políticas sociais e aumento do desemprego e da pobreza, Portugal viveu, no último dia 27 de junho, uma greve geral de ampla adesão.

Quatro dias depois da greve, seu ministro das Finanças e número dois do governo, Vitor Gaspar, pediu demissão. Em poucas horas ele nomeou para substitui-lo Maria Luis Albuquerque, até então secretária de Estado do Tesouro, que vem sofrendo diversas críticas pela celebração de contratos de “swap” em algumas empresas públicas e está sendo acusada de mentir à Assembleia da República sobre seu alegado desconhecimento do caso. Com essa mudança no primeiro escalão do governo, o ministro de Estado e Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, do partido conservador CDS-PP, principal aliado na coligação com o PSD, passaria a número dois do governo.

Porém, nesta terça-feira (2), Paulo Portas apresentou sua demissão ao primeiro-ministro alegando que o CDS-PP não foi consultado sobre a nomeação pro Ministério das Finanças. As centrais sindicais CGTP (que convocou a última greve geral), UGT, o Bloco de Esquerda, o Partido Comunista Português e o Partido Socialista já começaram a cobrar eleições antecipadas. Pelas redes sociais, já estão sendo convocadas festas em Lisboa e Porto pra “comemorar o fim do governo”. O primeiro-ministro ainda não deu nenhuma declaração sobre isso.

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook