Home / Conteúdos / Artigos / Presidente do ParlaSul acompanha referendo em La Paz

Presidente do ParlaSul acompanha referendo em La Paz

Deputado brasileiro Dr. Rosinha (PT-PR) relata testemunhar “tranqüilidade” nas ruas da capital boliviana. Governo e corte eleitoral dizem não acreditar em distúrbios no domingo (10/8).

O presidente do Parlamento do Mercosul (ParlaSul), deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), coordenador da delegação de observadores do bloco na Bolívia, acompanhará o referendo deste domingo (10/8) na região de La Paz, capital do país. Ao longo do dia, Dr. Rosinha pretende circular por diversos locais de votação.

Os observadores do Mercosul se dividiram para também acompanhar o referendo em outros três departamentos: Santa Cruz de la Sierra, Cochabamba e Oruro.

“Depois de uma reunião com o vice-ministro de Relações Exteriores da Bolívia e de um encontro com autoridades eleitorais, percebi que tanto o governo quanto o tribunal aparentam tranqüilidade e dizem não acreditar na ocorrência de distúrbios de rua”, informa Dr. Rosinha. “Aqui em La Paz a tranqüilidade nas ruas é tão grande que, em alguns momentos, parece inclusive que não haverá uma eleição nacional no domingo.”

São mais de 22 mil locais de votação em todo o território boliviano. “Apesar do fato de o voto ser obrigatório, a expectativa é de pouco mais de 70% dos eleitores compareçam para votar”, afirma Dr. Rosinha, com base em estimativa revelada pela Corte Nacional Eleitoral (CNE).

Serão oito horas de votação —o horário de abertura e fechamento das urnas é variável, conforme a região do país. A apuração dos votos será feita nos próprios locais das urnas. Conforme o presidente do ParlaSul, a totalização do resultado deve demorar “vários dias”.

Na tarde deste sábado (9/8), os observadores internacionais participam de dois seminários promovidos pela CNE a respeito do referendo e do regulamento da atividade de observação.

Dr. Rosinha é o único parlamentar brasileiro que acompanha o referendo revogatório de mandatos na Bolívia. O ParlaSul enviou à Bolívia parlamentares argentinos, uruguaios, paraguaios e venezuelanos.

O referendo perguntará aos eleitores bolivianos se estão de acordo com a permanência de Morales e de 8 dos 9 governadores do país em seus cargos —seis deles de oposição ao governo nacional.

Conforme as regras do pleito, previstas em lei, seriam necessários 53,7% dos votos para tirar Evo Morales da presidência. A CNE estabeleceu que os mandatos dos governadores serão revogados apenas com mais de 50% dos votos. A legislação, por sua vez, estabelece como parâmetro o percentual de votos obtidos nas urnas, o que facilitaria a perda do mandato dos governadores.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook