Home / Conteúdos / Artigos / Primeiro debate entre os candidatos será dia 25, no Rio de Janeiro

Primeiro debate entre os candidatos será dia 25, no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte sediam a primeira rodada de debates entres os candidatos a presidência nacional do PT. Fortaleza, Recife, Salvador, Curitiba, Porto Alegre, Brasília e Belém também receberão debates ao longo da campanha. Ainda esta semana a Comissão organizadora definirá o calendárido de debates das chapas ao Diretório Nacional.

O regulamento do PED prevê debates entre as chapas nacionais em 17 capitais: Rio Branco, Maceió, Manaus, Macapá, Vitória, Goiânia, São Luís, Campo Grande, Cuiabá, João Pessoa, Teresina, Natal, Porto Velho, Boa Vista, Florianópolis, Aracaju e Palmas. Os debates entre os candidatos à presidência ocorreram em São Paulo, Porto Alegre, Brasília, Recife, Belo Horizonte, Fortaleza, Curitiba, Belém, Rio de Janeiro e Salvador.

Veja abaixo o calendário para os debates entres os candidatos à presidência nacional do partido:

25/10 – Rio de Janeiro
26/10 – São Paulo
27/10 – Belo Horizonte
08/11 – Fortaleza
09/11 – Recife
10/11 – Salvador
22/11 – Curitiba
23/11 – Porto Alegre
29/11 – Brasília
30/11 – Belém

O calendário dos debates entre os representantes das chapas nacionais será divulgado até o dia 19 de outubro.

Regras

Os debates entre os candidatos a presidente serão divididos em duas rodadas. Na primeira, haverá um sorteio que definirá a ordem de fala dos postulantes, que terão dez minutos cada um para fazer a sua exposição.

Após as falas serão abertas dez intervenções de três minutos cada uma, para que participantes do plenário possam fazer perguntas.

Na segunda rodada, a ordem do sorteio anterior será invertida e cada um dos sete candidatos terá cinco minutos para fazer seu pronunciamento.

Veja também

A antirreforma trabalhista: sem direitos e sem emprego | Miguel Rossetto

A nova reforma trabalhista é filha do golpe contra a democracia, a soberania nacional e os direitos do povo. Reduz o valor do trabalho e aumenta a exploração do trabalhador. Interrompe o ciclo virtuoso iniciado em 2003. Quer enfraquecer os sindicatos, acabar com direitos trabalhistas, dificultar o acesso à Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook