Home / Conteúdos / Notícias / Resistência de estudantes paranaenses contra os retrocessos tucanos e golpistas

Resistência de estudantes paranaenses contra os retrocessos tucanos e golpistas

2737814Poliana Nadim e Marcelo Miranda.

A onda de ocupações que está varrendo as escolas públicas do Paraná evidencia uma nova demanda das lutas sociais: a defesa da escola pública, gratuita e de qualidade em diálogo com a perspectiva da juventude que se move. Compreender a importância deste momento é fundamental para renovar as esperanças neste contexto de profundos retrocessos em que vivemos.

O que está acontecendo no Paraná precisa ser entendido com base no tempo em que estamos vivendo, dentro de uma nova dinâmica de relação de poder estabelecida a partir do impeachment da presidenta Dilma e do estabelecimento de um governo ilegítimo que promove retrocessos.

Teve início na cidade de São José dos Pinhais a primavera secundarista. Nascido no calor da edição da MP 746, a eclosão deste movimento revela que a juventude estudantil está antenada nas mudanças que o governo Temer pretende para a educação. Na esteira das grandes greves promovidas pelos trabalhadores da educação pública do Paraná, nos dois anos anteriores, impulsionados pelos exemplos do movimento ocupaminc e as ocupações das escolas ocorridas em outros estados, após debaterem a MP no chão das escolas, os estudantes do Paraná não tiveram dúvidas, transformaram as escolas em territórios de luta!

Dentre as principais preocupações sobre a MPT 746 está a não obrigatoriedade de disciplinas como arte, educação física, sociologia e filosofia, o aumento de carga horária de 800 horas para 1400 horas em escolas de tempo integral, por questões estruturais e também pelo fato que muitos deles(as) trabalham ou desenvolvem outras tarefas no contra turno. Além disso, compreendem que não terão condições de escolher a área que cursarão, já que a escolha será para quem oferta e não para quem cursa.

Além da MP 746, os estudantes se opõe à PEC 241, que congela os investimentos para educação por 20 anos. Exigem que a MP seja retirada, que seja criada uma comissão permanente para debater o ensino médio, a garantia dos 75% dos royalties do pré sal para a educação e, no estado, a maior efetividade nas investigações da Operação Quadro Negro. Enfim, não há como esconder: os estudantes entenderam a intenção do governo ilegítimo de Temer em desmontar o ensino público criando dois sistemas: uma educação “empobrecida” para as filhas e filhos da classe trabalhadora e uma educação “enriquecida” para quem pode pagar. A proposta de reforma é, na verdade, um retorno ao velho modelo dualista que condena filhas e filhos da classe trabalhadora à pobreza.

O movimento auto organizado de estudantes busca atingir, além do governo federal, o governo do estado do Paraná, que há tempos não tem boa relação com a educação.

Desde o início do segundo mandato, Beto Richa aplica com mais intensidade o programa neoliberal do PSDB, havendo diversos deslocamentos de quadros nacionais para o Paraná.

Em duas semanas, 800 escolas e 11 universidades foram ocupadas no estado. No mesmo dia em que o governador decretou que nas escolas ocupadas teria recesso escolar, mais de 100 escolas foram ocupadas e no dia em que o governador ganhou a reintegração de posse de 13 escolas, 60 escolas foram ocupadas.

O desacerto do Tucano impulsiona cada dia mais ocupações e deixa para toda a sociedade a mensagem de que a juventude resistirá na defesa de uma educação pública digna, gratuita e de qualidade.

Hoje, a galera que ocupa as escolas e resiste aos duros ataques que vem sofrendo, debate e alimenta uma grande expectativa: a possibilidade de nacionalização das ocupações e seu consequente fortalecimento, buscando a derrubada da terrível “reforma do ensino médio”.

Poliana Nadim, diretora da UNE, e Marcelo Miranda, vice-presidente da União Paranaense de Estudantes Secundaristas, são militantes da Kizomba

Veja também

Ato em SP contra reformas de Temer abre caminho para greve geral do dia 28

Manifestação com vistas à derrubada das propostas contra os direitos dos trabalhadores tem participação de 70 mil pessoas na capital paulista."O apogeu dessa mobilização vai ser a greve geral no dia 28", diz Guilherme Boulos

Comente com o Facebook