Home / Temas / Brasil / Ressurge o futebol latinoamericano

Ressurge o futebol latinoamericano

* Beto Bastos

Fora essas seleções, em nosso continente, o resto era saco de pancada, com algumas exceções como o Chile na década de 60, o Peru na década de 70 e o Paraguai, que, a partir da copa de 1998, começou a montar times mais competitivos. Pode-se falar também de um certo crescimento do futebol colombiano no final dos anos noventa. Mas nada além disso. Pior, a “Celeste” uruguaia experimentou um dos piores desmanches da sua estrutura futebolística, resultado direto das crises econômicas e políticas do continente. Manteve-se com um futebol de ponta somente até a copa de 70. E Venezuela e Bolívia? Era jogo pra marcar palpite de goleada. No mínimo 5 x 0. Alguém se lembra de algum grande jogador desses países?

Pois é, essa Copa América da Argentina mostrou uma nova realidade: as mudanças políticas e econômicas na América do Sul estão invadindo os gramados. Não tem mais goleada, vitória de véspera. Todo mundo tá virando gente grande. Até a Venezuela, cuja tradição esportiva é, ou era, o beisebol e basquete.

Resultado das quartas de final: Peru bate a Colômbia; Uruguai, a Argentina; Venezuela, o Chile; e o Paraguai, autêntico, o Brasil. Eu achei perfeito. Quem não faz leva!

Essa é a máxima do futebol, e esteve presente nos quatro jogos das quartas-de-final. Todos os que perderam, sem exceção, jogaram melhor. Perderam inúmeras oportunidades, mas esbarraram nos goleiros, traves e em suas má pontarias. Aos céticos, insisto: a bruxa estava solta na Argentina. No caso, bruxas indígenas.

De qualquer forma, Brasil e Argentina, continuam, de longe, sendo as duas maiores seleções da América do Sul, e o Uruguai começa a querer remontar a antiga trinca. Como joga esse Forlán!

E o Brasil?

Depois da excelente apresentação do último domingo, em função da derrota, os céticos já apareceram. E o esquema tático? O Mano não é técnico pra seleção e o Neymar e Ganso não são isso tudo! Quanta bobagem. A Copa é só daqui a três anos. Querer definição de esquema tático agora, numa seleção que começa a ser montada após um processo de renovação brutal de jogadores, é muita pretensão. O Mano é um dos melhores técnicos disponíveis e a base que está sendo montada é muito boa. Não temos problemas de goleiro; os laterais direitos são os que jogaram; a zaga será Thiago Silva e mais um (torço pro Dedé do Vasco); o meia ofensivo será o Ganso, com uma possível fórmula aproveitando o Lucas; o ataque com dois dentre Neymar, Pato e Nilmar. Nossos problemas estão nos volantes e na lateral-esquerda. Temos tempo de sobra pra revelar novos nomes e montar uma seleção que dispute o título. Lembrem que o Neymar, Ganso e Lucas estarão jogando ano que vem no futebol europeu. Serão dois anos e meio de aprendizado e amadurecimento. Estamos no caminho certo.

Em relação aos pênaltis, não tem jeito: foi alguma bruxa Guarani!

* Beto Bastos é integrante da coordenação estadual da DS-RJ.

Veja também

Lula e o Rio São Francisco: 2 anos | Antonio Carlos de Freitas Souza

A sede de água do povo Nordestino começou a ser amenizada com a transposição do São Francisco. A sede de justiça, de igualdade, de democracia continua em suas várias lutas, dentre elas uma muito importante, assim como as águas do Velho Chico corre livre pelos sertões, para um Brasil livre, democrático e soberano, lutemos todos nós por Lula Livre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook