Home / Destaques DS / Revista #DemocraciaSocialista7 disponível para baixar

Revista #DemocraciaSocialista7 disponível para baixar

Baixe aqui a Revista DemocraciaSocialista

eleição de outubro de 2018 não é uma eleição a mais do ciclo democrático iniciado com a promulgação da Constituição de 1988 e a primeira eleição para presidente após o fim da ditadura, em 1989. Nem sequer é tão somente uma eleição de grande importância como foi a de 2002 que, com a vitória da candidatura Lula, mudaria os rumos do país criando
condições para sair do ciclo de governos neoliberais e iniciar a  aplicação de um programa democrático-popular. 

No evento que temos pela frente se decide mais do que quem vai ser o presidente do país e com qual plataforma de governo. O que temos vivido é uma situação em que, sob o manto da democracia, instituições componentes do Estado brasileiro atuam para travar o desejo das maiorias. Nossas organizações políticas e sociais serão capazes de fazer com que prevaleça a vontade popular por um país igualitário e soberano?

Longe do escrutínio popular, setores do Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal se aliaram à classe po lítica mais corrupta e neoliberal e aos meios de comunicação de massas e colocaram na cadeia o candidato que o povo brasileiro quer ver na presidência da República.

O Partido dos Trabalhadores tem feito um duro aprendizado nos últimos anos. O Sexto Congresso consolidou muitas das lições da luta de classes ocorrida desde 2014. E a prisão
do Lula deu o ensinamento definitivo, da incompatibilidade deste Estado com a Democracia plena.

Assim, a tática eleitoral da atual campanha não é apenas isso, mas deve ser parte de uma estratégia geral das esquerdas brasileiras para superar os obstáculos que esta democracia – cada vez mais restringida – coloca à soberania popular. É sobre esse pano de fundo que se desenvolvem os argumentos dos dois primeiros artigos deste número da Revista: em “A luta contra o golpe, por Lula e pela retomada da democracia no Brasil”, Wagner Romão apresenta uma visão sobre a tática necessária neste período. E Juarez Guimarães escreve sobre os principais temas programáticos propostos pela campanha petista em “Da resistência à luta pela refundação democrática do Brasil”. 

Um dos terrenos fundamentais da disputa política no  período recente tem sido o da educação pública. Trata-se de um direito fundamental que está sob intenso ataque do governo golpista e das forças neoliberais em geral e, além disso, envolve diretamente importantes setores sociais organizados, movimentos de professores e estudantes, que têm tido grande protagonismo político nos últimos anos. Daí que uma visão de conjunto do que está em jogo e sobre como defender os direitos das maiorias é fundamental. É o que faz Guilherme Barbosa no artigo “A educação em tempos de golpe”.

A participação das mulheres nas lutas sociais no Brasil e América Latina tem sido historicamente importantes sempre, mesmo que em grande parte das vezes tenha sido invisibilizada pela história e pela ciência política. E desde os anos 1970 o  feminismo como corrente político-ideológica tem tido importante participação em diversos momentos chave nas disputas na sociedade. Mas o que a conjuntura brasileira e latinoamericana tem registrado nos últimos anos é um fenômeno novo. É um feminismo de massas, com forte componente popular e juvenil, capaz de intervir tanto em agendas gerais como nos temas de direitos das mulheres. O evento mais recente desse fenômeno foi a campanha pela legalização do aborto na Argentina que teve impacto em praticamente todos os países da América Latina. Tica Moreno e Luiza Mançano analisam a campanha em “Aborto e mobilização popular: aprendizados e desafios a partir da luta das mulheres argentinas”.

A Democracia Socialista é uma corrente do Partido dos Trabalhadores que se formou ainda em 1979 como herdeira de varias experiências anteriores da esquerda brasileira, entre elas, a do Partido Operário Comunista (POC), fundado em 1968. Com motivo dos cinquenta anos daquele momento Raul Pont organizou um livro: 1968-2018 50 anos do POC. Uma coletânea de textos, dentre os quais um de autoria do próprio Raul, “A Dissidência/RS e a fusão no POC” que reproduzimos aqui. Esse artigo pode ser lido como complemento à entrevista que Raul deu à nossa revista no número 2, de dezembro de 2014.  Finalmente, encerra nossa revista, o poema “Pelas mãos das mulheres” de Camila Paula.

Os Editores

Veja também

Reino Unido continua vivendo impasse acerca da saída da União Europeia

Semana turbulenta no Reino Unido conforme se aproxima a data final para o país chegar a um acordo sobre sua saída da União Europeia, aprovado em um referendo em 2016 por uma pequena margem. Na última terça-feira (15) a proposta apresentada pelo governo da primeira-ministra Theresa May (Partido Conservador) foi rejeitada de forma contundente por 432 votos contrários e apenas 202 à favor, a maior derrota já sofrida por um governo na história da Grã-Bretanha.

Comente com o Facebook