Home / Conteúdos / Notícias / Texto da chapa Unidade Feminista Faz História no PT

Texto da chapa Unidade Feminista Faz História no PT

214799Leia abaixo o texto de apresentação da chapa Unidade Feminista Faz História no PT, para o encontro setorial da Secretaria de Mulheres do partido. O encontro será realizado nos dias 5 e 6 de maio, em Brasília.

 

Em 2010, o Partido dos Trabalhadores (PT), quebrou um paradigma na história política brasileira, ao eleger a primeira mulher à Presidência da República. Hoje, Dilma tem mais de 70% de aprovação do eleitorado. Ao compor o seu ministério imprimiu uma nova cara ao Governo Federal, com maior equilíbrio na composição sexual e manteve e fortaleceu as Secretarias de Políticas para as Mulheres (SPM) e de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR).

Sua eleição, entretanto, não foi acompanhada de um aumento significativo de mulheres nos espaços eletivos. Continuamos sendo apenas 8% de Deputadas Federais, 14% de Senadoras e em média 12% de Deputadas Estaduais.

O PT e a luta das mulheres 

A história das mulheres do PT é marcada na luta pela ocupação de espaços de poder e pela afirmação das mulheres como sujeitos políticos. Ousamos ao dizer: “Não há socialismo, sem feminismo”, ou seja: sem o protagonismo das mulheres, não existe transformação social de verdade. Apontamos os mecanismos necessários para romper com a desigualdade ao apresentar e aprovar as políticas de ações afirmativas.

Construímos organismos executivos de políticas para as mulheres, em especial a SPM. Afirmamos que as mulheres têm direito ao seu corpo e ao livre exercício de sua sexualidade e, enfrentando corajosamente o debate no partido e na sociedade, aprovamos a descriminalização do aborto em Congresso.

No último congresso, em 2011, mais uma grande vitória: a aprovação da paridade entre mulheres e homens – nas direções, delegações e comissões – o que significa uma mudança conceitual em relação à participação política das mulheres. O avanço também se deu no plano estratégico ao se regulamentar a destinação de 5% do Fundo Partidário para a formação política das mulheres.

Soma-se a essa conquista a adoção de cotas para jovens e uma maior representação étnico-racial nas instâncias de decisão do PT. O desafio agora é transformá-las em realidade na vida das mulheres petistas. Por isso, nenhuma força política do partido é capaz de responder a essa agenda de forma isolada.

O PT e as mulheres nas eleições

As eleições municipais são uma oportunidade ímpar para o diálogo com a sociedade e para a construção de programas de governo transformadores. As mulheres devem ser incentivadas a concorrer nas eleições e o Partido tem a obrigação de dar suporte a elas.

Nossos programas de governo devem propor equipamentos públicos municipais que socializem o trabalho doméstico e do cuidado, como creches, lavanderias públicas e restaurantes populares. É preciso incentivar a criação de secretarias ou coordenadorias municipais de política para as mulheres, com estrutura e orçamento, e incentivar a criação de conselhos e outras formas de participação popular.

No meio rural, a maioria das mulheres trabalha sem auferir renda e sem em acesso a serviços e espaços de decisão. Para efetivar os direitos das mulheres rurais, é preciso garantir a autonomia econômica das mulheres, com a promoção da cidadania, o direito à terra, o apoio à organização econômica, produção e comercialização, além da gestão participativa e descentralizada.

Apesar dos avanços no enfrentamento à violência contra as mulheres, ainda existe a impunidade e deficiência na implantação de políticas públicas de enfrentamento à violência. Essa situação contribuiu para a instalação, em fevereiro de 2012, da CPMI da Lei Maria da Penha para apurar as dificuldades de aplicação da Lei e discutir as medidas que podem ser aprimoradas no combate e enfrentamento à violência.

Faz-se necessária uma luta constante em defesa do Estado Laico, assegurando direitos políticos, econômicos, sociais, culturais e sexuais; pela descriminalização e legalização do aborto no Brasil, num contexto de garantia plena dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres; a isonomia no mundo do trabalho, com salário igual para trabalho igual, e qualificação profissional sem divisão sexual, além do acesso paritário aos postos de chefia para as mulheres; o respeito ao direito de organização, à livre expressão e à autonomia dos movimentos sociais; o empoderamento das mulheres através da formação político-feminista; o combate sistemático ao sexismo, ao racismo e à homofobia e lesbofobia; o compromisso com as práticas democráticas em todas as instâncias partidárias.

As mulheres petistas e a construção partidária

Precisamos fortalecer a SNMPT a muitas mãos: construir um coletivo forte, com condições de funcionamento sistemático; coordenação do processo de formação política e de organização interna das mulheres de todo o Brasil, que seja capaz de promover um diálogo permanente com a sociedade no que diz respeito à defesa da reforma política, do financiamento público de campanha e lista fechada com alternância entre mulheres e homens. Também construir condições para que possamos ampliar a presença das mulheres comprometidas com as causas das mulheres no parlamento e no executivo.

O trabalho coletivo voltado para a defesa de uma plataforma feminista do PT foi o que sempre nos permitiu, independente de nossas diferenças ideológicas, construir um espaço de ação, uma organização e presença sólida das mulheres no partido.

Conclamamos a todas que possamos mais uma vez atuar para que as grandes vencedoras sejam as mulheres. Chamamos todas as forças políticas para somar esforços no sentido de garantir a pluralidade na SNMPT, a construção coletiva e conjunta ampliando assim, as conquistas para que possamos fazer do PT e do Brasil: um lugar de mulheres e homens livres e iguais.

1. Combater qualquer tentativa de hegemonia religiosa nas instâncias de poder;

2. Combater o sexismo, o racismo e a lesbofobia;

3. Por uma educação não sexista, libertadora, para romper o paradigma do patriarcado que estabelece a hierarquia entre os sexos; combater o uso indevido da imagem da mulher na mídia, como nas propagandas que associam o corpo da mulher à mercadoria;

4. Fortalecer o combate a divisão sexual do trabalho como requisito indispensável para a democratização do mercado de trabalho e a conseqüente conquista da autonomia econômica das mulheres;

5. Enfrentar todas as formas de violência contra as mulheres, um dos mais poderosos eixos de sustentação do patriarcado;

6. Impedir qualquer recuo em relação aos direitos reprodutivos das mulheres; por uma vida reprodutiva plena e autônoma, pelos direitos sexuais e a livre orientação afetivo-sexual;

7. Lutar pela descriminalização do aborto no Brasil, em cumprimento à resolução aprovada no III Congresso do Partido. Sem retrocessos!

8. Defender o modelo de gestão petista, democrático e sustentável, baseado na participação popular, que priorize o fortalecimento das instâncias como Conselhos, Comitês e Fóruns e mecanismos de controle social, como o orçamento participativo, as audiências e as consultas públicas. Incentivar a criação, manutenção e ampliação dos organismos de Políticas para as Mulheres e de Promoção da Igualdade Racial nos governos petistas;

9. Estabelecer ações articuladas com outras secretarias, em especial as de Formação Política, Movimentos Populares e Combate ao Racismo;

10. Ampliar a participação das mulheres enquanto candidatas nas eleições de 2012 e formular diretrizes de políticas para as mulheres a serem incorporadas por nossas candidaturas majoritárias;

11. Garantir uma política de finanças do PT específica para a Secretaria, que viabilize infraestrutura e recursos humanos para o trabalho coletivo. Cumprir a legislação federal em relação à aplicação do fundo partidário e da visibilidade das mulheres nos programas de TV;

12. Afirmar a Secretaria Nacional como espaço político feminista, de formação de quadros e disseminação de idéias e práticas, incorporando a diversidade das mulheres petistas;

13. Enfrentar todas as formas de violência contra as mulheres. O PT precisa avançar no sentido da realização de campanhas internas e da punição de militantes homens que cometam qualquer tipo de violência contra as mulheres.

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook