Home / Conteúdos / Artigos / 29 anos e muito mais por fazer

29 anos e muito mais por fazer

10 de fevereiro de 1980. Depois de mais de uma década de luta por liberdade e democracia, da resistência organizada pelos sindicalistas, pela juventude, pelas mulheres, pelos camponeses, pela Igreja progressista e tantos outros lutadores e lutadoras sociais, esses mesmos setores convergiam para uma mesma compreensão de que era o momento de construir um instrumento dos(as) trabalhadores(as) para organizar essa luta no período da redemocratização – afinal, ainda havia muito o que fazer.

ALESSANDRA TERRIBILI

Esse momento, essa convergência, essas lutas, essa vontade de olhar pro mundo com os olhos dos setores historicamente excluídos fez e faz do PT uma experiência ímpar na esquerda internacional. E é isso, ainda hoje, entre mais outros momentos, lutas e sonhos, que garante a atualidade do projeto do maior partido de esquerda da América Latina.

Hoje, o momento é muito outro. Enfrentamos uma década de neoliberalismo brabo, e nos pusemos a resistir. Vivenciamos a experiência de administrar cidades, pequenas e grandes, e construímos o modo petista de governar. Não sem contradições, afinal, por vezes, a experiência de governar e de disputar eleições mexeu com nosso caminho.

Depois de 13 anos – curioso, não? – o PT elegeu Lula para governar o Brasil. A campanha não foi como em 1989. O PT não era o mesmo, o Brasil também não. Dez anos de neoliberalismo tiveram duros impactos sobre ambos. E o nosso governo começou em meio a crises nossas, críticas nossas, receios e desconfianças. Nossos. Porque nós sabíamos da nossa vocação de construir mudança de verdade.

Cinco anos se passaram e nós nos orgulhamos do que o nosso governo tem pra mostrar. Sabemos das imperfeições, das disputas, das mil contradições. Sabemos que a política econômica não é a que queremos. Os meios de comunicação, nós os queremos democratizados. Não queríamos conosco os que, por ora, estão. Queremos democracia plena, democracia com participação. E tanto mais coisas, poderíamos fazer diferente. Mas não somos comentaristas da História. Fundamos o PT para fazer exatamente o oposto disso, foi pra ser protagonista.

Se formos falar de ações de governo, podemos dizer que Lula entregará ao Brasil um Brasil que o Brasil nunca tinha sido. A valorização do salário mínimo, a política internacional, o caminho que tomamos na direção de uma efetiva inversão de prioridades, o investimento público nas coisas que são públicas. Não é o suficiente. Mas muito caminhamos.

10 de fevereiro de 2009. O PT é mais que o Governo Lula, há que se lembrar. Nesses 29 anos, o partido cresceu muito. Em número de filiados(as), de administrações municipais, estaduais, em presença nos movimentos sociais. Não pode diminuir as suas bandeiras, e nem pode perder a capacidade de encantar as pessoas pela luta. Nossos percalços foram muitos, e alguns persistem. Às vezes, um ou outro deles afasta pessoas de nós. Cabe a nós a responsabilidade histórica de saber superar os percalços, saber manter os lutadores e lutadoras conosco, e apontar com convicção o outro mundo possível que queremos e estamos construindo. Ele não se faz só nos governos. Ele se faz na luta do dia-a-dia. É preciso tomar partido sempre… porque, afinal, ainda há muito mais por fazer.

Alessandra Terribili, vice-presidenta do PT São Paulo e integrante da Secretaria Nacional de Mulheres do PT.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook