Home / Conteúdos / Artigos / A base reafirmou a vitalidade do PT

A base reafirmou a vitalidade do PT

Estamos muito próximos de conhecer o novo presidente do Partido dos Trabalhadores, com mais de 90% dos votos do segundo turno já contabilizados. Neste momento, quero fazer alguns registros que considero de fundamental importância:

Em primeiro lugar, destaco a maior demonstração de vitalidade já dada por um partido político que, em meio a uma grave crise política, mobilizou no 1º turno mais de 300 mil e no 2º turno mais de 200 mil militantes para eleger sua nova direção. Tamanho resultado de participação reafirma o PT como o maior partido de esquerda do país e nos aponta que a saída da crise está justamente na força da nossa militância.

Em segundo lugar, quero manifestar meu orgulho por ter representado neste PED o desejo de mudança, de renovação do Partido, dos sonhos e das utopias, de milhares de militantes do PT. Este desejo fica expresso na pequena diferença de votos registrada no segundo turno. Tenho certeza que o companheiro Ricardo Berzoini entenderá a necessidade de presidir o partido, retomando a boa prática da valorização das instâncias partidárias e da democracia interna.

Fazemos um reconhecimento especial ao trabalho do companheiro Valter Pomar, da companheira Maria do Rosário e de todas as lideranças do nosso Partido que se somaram nesta cruzada pelo PT, de norte a sul do país. Nesse esforço militante e generoso destacamos, também, a atuação de vários intelectuais, construtores do PT, que se somaram nessa importante caminhada de vitalização partidária. O manifesto dos intelectuais, assim como o da juventude petista de São Paulo só aumentaram o meu compromisso com o Partido.

Em terceiro, quero me dirigir a cada militante do PT para reafirmar cada compromisso assumido nesta campanha. Independente do resultado, seguiremos empunhando as mesmas bandeiras e ideais: A necessária autonomia do PT frente ao nosso governo, para elaborarmos um programa de desenvolvimento econômico e social que resgate os compromissos do PT com as maiorias e possibilite a reeleição do nosso projeto; a defesa da mais ampla democracia interna, do debate franco e da produção das políticas a partir das instâncias e da participação ativa da militância; a necessária instalação da Comissão de Ética do partido para analisar as denúncias contra dirigentes do partido, como o instrumento partidário que garante o direito de defesa de cada um dos acusados e defende também o partido.

E é com esse compromisso de renovação partidária que quero convidar a cada um e cada uma para participar ativamente do Congresso partidário, uma verdadeira Constituinte Petista. Entraremos nesse processo com o respaldo das urnas, onde quase 50% dos filiados e filiadas votaram por mudanças. E são estas mudanças que vamos defender nos Encontros Partidários em todos os níveis e no Congresso do PT.

Por último, destaco o papel cumprido pelo companheiro Tarso Genro, na presidência do PT, durante essa fase de transição de direção partidária. Sua postura na condução do PED, seu compromisso com a proposta de refundação do Partido são contribuições importantes para esse processo de saída da crise.

Durante essa campanha, tive a oportunidade de conversar com militantes de diversos lugares do país. Vivi a emoção de presenciar o retorno à ativa de muitos fundadores do PT, que tinham deixado a militância num segundo plano. Vivi a alegria de ver companheiros, que já estavam com o pé na porta de saída, desiludidos diante da crise, e que optaram por permanecer na luta ao nosso lado. Ouvi depoimentos de lideranças comunitárias, populares, reafirmando sua confiança no Partido que um dia foi responsável por mudanças importantes nas suas vidas. São essas pessoas, com a sua esperança, a sua coragem e sua vontade de mudar o país, que dão sentido à luta e a existência do Partido dos Trabalhadores. E é por todas elas que o PT sairá desta crise mais forte ainda. Vida longa ao Partido dos Trabalhadores!

Porto Alegre, 11 de Outubro de 2005.

Raul Pont, deputado estadual do PT/RS


Leia a versão da nota em espanhol [Link Indisponível]

Veja também

A antirreforma trabalhista: sem direitos e sem emprego | Miguel Rossetto

A nova reforma trabalhista é filha do golpe contra a democracia, a soberania nacional e os direitos do povo. Reduz o valor do trabalho e aumenta a exploração do trabalhador. Interrompe o ciclo virtuoso iniciado em 2003. Quer enfraquecer os sindicatos, acabar com direitos trabalhistas, dificultar o acesso à Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook