Notícias
Home / Conteúdos / Artigos / A democracia encontra o SUS: a Conferência Livre da Saúde | Túlio Batista Franco

A democracia encontra o SUS: a Conferência Livre da Saúde | Túlio Batista Franco

Imagem: ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva

Há uma grande atualização no reconhecimento popular dos significados do SUS. A Conferência Nacional Livre Democrática e Popular de Saúde acontece neste dia 5 de agosto de 2022, na Casa de Portugal, em São Paulo, sob a insígnia: A Defesa da Vida, da Democracia e do SUS, expressa essa atualização. Ela foi convocada pela Frente pela Vida, movimento que se formou no início da pandemia de Covid-19, no primeiro semestre de 2020, para proteger a população e enfrentar o governo federal, que negava a gravidade da crise sanitária e a grave ameaça à saúde e vida das pessoas.

Após dois anos de uma luta incessante na pandemia, a Frente pela Vida entendeu que o ano de 2022 seria cenário da grande disputa de projetos para o Brasil, no contexto das eleições presidenciais. Seria o momento oportuno para lançar uma grande discussão nacional em torno da proposta de uma política e um sistema de saúde capazes de atender às necessidades das pessoas.

Foi com este propósito que, no dia 7 de abril deste ano, a Frente pela Vida fez o lançamento da Conferência Nacional Livre, tendo como objetivos mobilizar a população em torno de propostas para a política de saúde, diretrizes a serem implementadas pelo novo governo que começa em 2023. Foi nesta perspectiva que se propôs a mobilização de entidades da saúde coletiva, redes de trabalhadores/as de saúde, academia, gestores/as do SUS, movimentos sociais e grupos de diversas origens, na discussão sobre a política de saúde para o Brasil.

Desde seu lançamento, em abril de 2022, o movimento em torno da Conferência Livre já realizou mais de 120 atividades preparatórias, entre conferências estaduais e setoriais, encontros de entidades nacionais e movimentos ligados à saúde. Uma multiplicidade de vivências, experiências, fortalecem a ideia geral de que há um processo de apropriação do SUS pela população, que entende muito bem, que este é o seu sistema de saúde, aquele ao qual ela pode recorrer em caso de necessidade.

Esse movimento tem fortalecido a ideia de que é fundamental defender o caráter público do SUS, a única forma de garantir que a população tenha acesso universal aos serviços de saúde, em todos os níveis, para o atendimento às suas necessidades. Para isto, é necessário que o governo garanta recursos suficientes para seu bom funcionamento, algo em torno de 6% do Produto Interno Bruno (PIB). Isto é o que os países desenvolvidos investem nos seus sistemas de saúde hoje. No Brasil, esse índice está em 3,8%, o que é insuficiente.

Outra questão importante neste contexto é a defesa da democracia, pois apenas com liberdade de expressão e opinião, participação popular na discussão da política de saúde é possível sustentar o SUS 100% público, e de direito universal. Não há SUS sem democracia, assim como não haverá democracia sem o SUS, porque a democratização de recursos públicos é fundamental para a garantia dos direitos sociais.

A mobilização em torno da Conferência Nacional Livre Democrática e Popular cria um laço forte entre o povo brasileiro e a saúde, como se fosse um só corpo social na defesa da vida. Importante que esta rica e potente participação popular persista. Os movimentos organizados em torno da defesa da vida, da democracia e do SUS precisam continuar mobilizados para que, de fato, as diretrizes aprovadas na Conferência tenham força política para serem implementadas no novo governo.

Túlio Batista Franco é integrante da Frente pela Vida, da Rede Unida e diretor do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal Fluminense.

Via Brasil de Fato

Veja também

“Os recursos previstos para Assistência Social em 2023 seriam suficientes para 10 dias apenas”, diz ex-ministra Tereza Campello

Em entrevista, coordenadoras do GT de Desenvolvimento Social revelam cenário de abandono de políticas na …

Comente com o Facebook