Home / Conteúdos / Artigos / A Revolução Democrática e a Universidade brasileira

A Revolução Democrática e a Universidade brasileira

No Brasil, o contexto de crise global, de reposicionamento da esquerda local e da necessária superação das contradições oriundas da condição de frentes populares estarem à frente dos governos centrais em países com forte entrada histórica do neoliberalismo, formula-se a estratégia da revolução democrática como elemento central na superação do capitalismo e construção de um novo modelo de sociedade. Uma das tarefas centrais da revolução democrática é a democratização por inteiro da educação superior

Tiago Ventura *

O contexto internacional e a esatratégia da Revolução Democrática
O atual contexto econômico está marcado pela crise do capitalismo financeiro. O seu principal significado reside na incapacidade dos pólos capitalistas de gerirem a sociedade a partir dos seus sistemas de poder, economias e valores, mostrando que os padrões capitalistas são incompatíveis com a sobrevivência do planeta, de que as soluções para as problemáticas atuais estão fora dos seus marcos.

No entanto, não se pode afirmar que estão abertas as possibilidade para a construção imediata de processos sociais constituintes do socialismo. Porém, coloca-se aos setores progressistas um processo de disputa do pensamento hegemônico presente na sociedade por meio do fortalecimento dos movimentos sociais, tendo em vista a superação do sistema capitalista.

No Brasil, o contexto de crise global, de reposicionamento da esquerda local e da necessária superação das contradições oriundas da condição de frentes populares estarem à frente dos governos centrais em países com forte entrada histórica do neoliberalismo, formula-se a estratégia da revolução democrática como elemento central na superação do capitalismo e construção de um novo modelo de sociedade.

Revolução Democrática: conceito e tarefas
A revolução democrática se insere no diálogo em torno da tradição do socialismo democrático com o republicanismo.

O socialismo democrático se constrói a partir da crítica à “ditadura do proletariado” e às limitações da social- democracia, na perspectiva de fortalecer ações de controle popular, entendendo a radicalização da democracia como elemento indissociável do surgimento de novos direitos e da construção do socialismo brasileiro.

O republicanismo é encarado no processo da revolução democrática nos termos da filosofia como concepção de política alternativa ao liberalismo, distanciando-se quando define a liberdade a partir de valores positivos, tendo como centrais e inseparáveis a igualdade formal e material, encarando a desigualdade como elemento central às limitações impostas à igualdade e responsabilizando de forma pública a participação política do indivíduo.

A superação das contradições colocadas para a esquerda brasileira pode ser encontrada no conceito central na concepção do republicanismo de espaço público, entendido como a gestão democrática realizada por novos sujeitos históricos, que permeia desde a construção de um novo sistema produtivo até as experiências de participação popular como o Orçamento Participativo e as conferências temáticas.

A revolução democrática seria definida como um processo de acúmulo de forças na perspectiva de construir reformas no sistema econômico, político, e social por meio da ampliação da democratização do Estado brasileiro. Assim, são tarefas da Revolução Democrática a reforma agrária, a republicanização da economia brasileira, a ampliação da comunicação  pública e estatal, a reforma no sistema político, um novo pacto de direitos que extingua mazelas sociais como a fome e o analfabetismo e a eliminação de quaisquer discriminação por gênero, orientação sexual, cor ou etnia.

Vale ressaltar que a revolução democrática não se limita à chegada à institucionalidade, pelo contrário, ela surge como resposta aos seus dilemas e contradições. O processo de transformação ocorre também por meio da mobilização dos movimentos sociais e dos partidos políticos, pressionando o Estado por reformas estruturais de fora para dentro. Por isso, a importância da sociedade civil organizada incorporar o sentido da revolução democrática.

As tarefas da Revolução Democrática na Universidade brasileira
A disputa da universidade brasileira está alicerçada no modelo de sociedade que se pretende construir. Dessa forma, uma das tarefas centrais da revolução democrática é a democratização por inteiro da educação superior no Brasil, tomando o conceito de espaço público como chave para a transformação social, e concretizando-se na pauta da desmercantilização do ensino superior.

Nesse sentido, a agenda da democratização da universidade brasileira se desdobra em:

a) Acesso a todos e todas ao ensino superior, por meio de ações afirmativas para negros, indígenas, comunidade tradicionais e população de baixa renda;

b) Garantias de permanência aos estudantes por meio da ampliação das verbas do Plano Nacional de Assistência Estudantil ao patamar de 400 milhões e exigindo a existência de assistência estudantil em instituições privadas, principalmente as que fazem parte do Prouni e o Fies;

c) Democratização das estruturas da universidade, garantindo paridade nos conselhos universitários, eleições direta para reitor e dirigentes dos institutos acadêmicos e liberdade de atuação ao movimento estudantil e sindical;

d) Construir uma universidade socialmente referenciada, fortalecendo a relação entre ensino, pesquisa e extensão com demandas que visem mudanças das condições sociais da população brasileira;

e) Fortalecer o financiamento estatal da educação superior pública, alcançando o patamar de 10% do PIB brasileiro até 2014;

f) Ampliar o controle e a finalidade pública no ensino superior privado, avançando na regulação das mensalidades, na fiscalização das isenções estatais, na garantia da liberdade de atuação do movimento estudantil e na paridade nos conselhos universitários.

Colocados os desafios da esquerda brasileira no contexto, a estratégia da revolução democrática nos permite retomar a identidade socialista e transformadora dissipada pelos anos neoliberais. A mudança da universidade brasileira é elemento-chave na abertura de novas perspectivas para o socialismo no Brasil.

* Tiago Ventura é vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook