Home / Conteúdos / Notícias / Chanceler acusa Serra de tentar “comprar voto” do Uruguai para isolar Maduro no Mercosul

Chanceler acusa Serra de tentar “comprar voto” do Uruguai para isolar Maduro no Mercosul

2712534O chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, acusou o governo do Brasil de tentar “comprar o voto do Uruguai” para impedir que a Venezuela assuma a presidência rotativa do Mercosul. De acordo com reportagem publicada nesta terça-feira (16) pelo jornal El País, de Montevidéu, Novoa informou que o ministro das Relações Exteriores, José Serra, ofereceu ao Uruguai a participação em futuros acordos comerciais que seriam negociados pelo governo golpista de Michel Temer com outros países.

“Não gostamos muito que o chanceler Serra tenha vindo ao Uruguai nos dizer – o fez publicamente, por isso digo – que vinham com a pretensão de suspender a transferência e que, além disso, se fosse suspendida, nos levaria em suas negociações com outros países, como querendo comprar o voto do Uruguai”, declarou Novoa na Comissão de Assuntos Internacionais da Câmara dos Deputados do Uruguai, na última quarta-feira (10), de acordo com a versão das notas taquigráficas à qual teve acesso o El País.

Acompanhado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Serra chegou ao Uruguai no dia 5 de julho para reunir-se com o presidente Tabaré Vázquez e o chanceler Novoa. Na coletiva de imprensa, Serra revelou que o Brasil faria “uma grande ofensiva” comercial na África subsaariana e no Irã e queria levar o Uruguai – e não todo o Mercosul – como “sócio”. Ao mesmo tempo, Serra pediu ao governo uruguaio que suspendesse a transferência da presidência do Mercosul à Venezuela.

Tal atitude “irritou muito” o presidente Vázquez e o chanceler Novoa. “O presidente disse clara e rotundamente: o Uruguai vai cumprir com a normativa e vai convocar a mudança da presidência” do Mercosul, enfatizou Novoa.

A todo momento, o Rodolfo Nin Novoa deixou claro que o Uruguai entende que a Venezuela “é um legítimo ocupante da presidência pró tempore e, portanto, quando convocar uma reunião o governo uruguaio participará”. A mensagem aos demais sócios do bloco foi clara: “O Uruguai vai estar presente. Se os outros não vão, será responsabilidade deles”.

O chanceler uruguaio também afirmou que os “sócios do Mercosul”, em alusão a Brasil e Paraguai, utilizam argumentos “eminentemente políticos” e têm o objetivo de “fazer bullying” à presidência da Venezuela. “Digo isso com todas as letras. Pulam o jurídico, que é esse livro que estou mostrando, que contém o corpo normativo, e, aduzindo razões que não estão aqui, querem eludir, erodir, fazer bullying à presidência da Venezuela. Essa é a pura verdade”, sublinhou Novoa na comissão.

O governo uruguaio também tomou a decisão de não participar das reuniões sobre esse tema que estão realizando Argentina, Brasil e Paraguai. Para Novoa, o “grave” foi o fato de que o coordenador do Brasil nesse tema, o embaixador Paulo Estivallet de Mesquita, tenha determinado que nenhum representante brasileiro participaria de reuniões convocadas pela Venezuela.

Rodolfo Nin Novoa concordou com o deputado que convocou a reunião da comissão, Opa Pasquet (Partido Colorado), para quem é preciso “salvar o Mercosul”, e garantiu que o Uruguai não permaneceria “de nenhuma maneira” na presidência. “Respeitando as regras, após seis meses iríamos deixa-la”, pontuou.

Confira a reportagem completa [em espanhol] do jornal El País:

http://www.elpais.com.uy/informacion/gobierno-dice-que-brasil-molesto.html

PT na Câmara com El País (Uruguai)

Veja também

Frentes e Comitê convidam para o ato “Justiça para Lula” dia 13 em SP

É esse o momento de manifestar o seu apoio ao ex-presidente Lula e reivindicar a justiça, liberdade e fortalecimento da democracia também para o povo brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook