Home / Conteúdos / Notícias / Chapa da CSD é reeleita no SINDÁGUA-MG

Chapa da CSD é reeleita no SINDÁGUA-MG

166197Na última sexta-feira (17) a chapa Sindicato Forte (chapa 1) venceu as eleições do SINDÁGUA-MG por ampla vantagem. A chapa, que é formada por sindicalistas ligados à CUT e disputava a reeleição, obteve cerca de 68% dos votos contra 25% da chapa adversária. Essa foi a maior votação já registrada na história das eleições do sindicato.

A nova direção – eleita para o triênio 2012-2015 – é formada por trabalhadores e trabalhadoras que militam na CSD, corrente sindical cutista, que dirige o SINDÁGUA-MG há nove anos.
Após o pleito, o presidente reeleito, José Maria dos Santos, afirmou em nota oficial divulgada pela chapa que essa vitória demonstra a importância da conscientização dos trabalhadores para a necessidade da luta sindical:
“Essa é uma luta de todos por todos. Nessas eleições os trabalhadores disseram em alto e bom som que não admitem interferência estranha na organização da categoria”, afirmou o presidente, numa clara alusão à estratégia do PSDB mineiro de tentar tomar o controle dos três maiores sindicatos do estado, com o duplo objetivo de garantir uma atuação mais branda dos sindicalistas na relação com o atual governo tucano e preparar uma forte base de apoio para as pretensões presidenciais do ex-governador Aécio Neves, em 2014.
Disputa eleitoral, mas também ideológica
Uma das maiores vitórias da gestão de José Maria foi a bem-sucedida luta contra a terceirização e privatização da gestão da água e do saneamento básico no estado. Essa, inclusive, pode ser considerada a maior disputa ideológica do pleito, já que a chapa de oposição era organizada por sindicalistas ligados ao PSDB – partido notoriamente defensor das privatizações – em uma surpreendente aliança com a CTB, central sindical ligada ao PCdoB.
Para a dirigente da CSD e secretária nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, Rosane Silva, a eleição da chapa Sindicato Forte representa não só uma vitória para a categoria, como também um avanço na luta pela construção de um novo modelo de sociedade:
“A vitória da chapa 01 é a demonstração que a classe trabalhadora, quer um sindicalismo combativo, que defenda os interesses imediatos da categoria, mas que também questione o modelo de sociedade vigente e apresente uma alternativa a este modelo, impulsionando lutas gerais junto com o movimento social organizado que altere a vida da classe trabalhadora como um todo”, afirmou a dirigente.
Essa importante vitória acontece dias antes da IV Conferência Nacional da CSD, que acontece entre os dias 2 e 4 de março, em São Paulo. A conferência terá como objetivos principais a realização de um balanço dos 10 anos de existência da CSD e a preparação da intervenção da corrente para o XI Congresso da CUT, que ocorrerá esse ano.

Na última sexta-feira (17) a chapa Sindicato Forte (chapa 1) venceu as eleições do SINDÁGUA-MG por ampla vantagem. A chapa, que é formada por sindicalistas ligados à CUT e disputava a reeleição, obteve cerca de 68% dos votos contra 25% da chapa adversária. Essa foi a maior votação já registrada na história das eleições do sindicato.

A nova direção – eleita para o triênio 2012-2015 – é formada por trabalhadores e trabalhadoras que militam na CSD, corrente sindical cutista, que dirige o SINDÁGUA-MG há nove anos.

Após o pleito, o presidente reeleito, José Maria dos Santos, afirmou em nota oficial divulgada pela chapa que essa vitória demonstra a importância da conscientização dos trabalhadores para a necessidade da luta sindical:

“Essa é uma luta de todos por todos. Nessas eleições os trabalhadores disseram em alto e bom som que não admitem interferência estranha na organização da categoria”, afirmou o presidente, numa clara alusão à estratégia do PSDB mineiro de tentar tomar o controle dos três maiores sindicatos do estado, com o duplo objetivo de garantir uma atuação mais branda dos sindicalistas na relação com o atual governo tucano e preparar uma forte base de apoio para as pretensões presidenciais do ex-governador Aécio Neves, em 2014.

Disputa eleitoral, mas também ideológica

Uma das maiores vitórias da gestão de José Maria foi a bem-sucedida luta contra a terceirização e privatização da gestão da água e do saneamento básico no estado. Essa, inclusive, pode ser considerada a maior disputa ideológica do pleito, já que a chapa de oposição era organizada por sindicalistas ligados ao PSDB – partido notoriamente defensor das privatizações – em uma surpreendente aliança com a CTB, central sindical ligada ao PCdoB.

Por telefone, José Maria disse considerar que esse pleito não representou apenas a disputa de uma categoria, mas sim uma disputa de projeto. Para ele, o movimento sindical entendeu a importância dessas eleições e uniu forças para barrar o projeto sindical tucano.

A dirigente da CSD e secretária nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, Rosane Silva, concorda com José Maria. Para ela, a eleição da chapa Sindicato Forte representa não só uma vitória para a categoria, como também um avanço na luta pela construção de um novo modelo de sociedade:

“A vitória da chapa 01 é a demonstração que a classe trabalhadora, quer um sindicalismo combativo, que defenda os interesses imediatos da categoria, mas que também questione o modelo de sociedade vigente e apresente uma alternativa a este modelo, impulsionando lutas gerais junto com o movimento social organizado que altere a vida da classe trabalhadora como um todo”, afirmou a dirigente.

IV Conferência Nacional da CSD

Essa importante vitória acontece dias antes da IV Conferência Nacional da CSD, que acontece entre os dias 2 e 4 de março, em São Paulo. A conferência terá como objetivos principais a realização de um balanço dos 10 anos de existência da CSD e a preparação da intervenção da corrente para o XI Congresso da CUT, que ocorrerá esse ano.

Veja também

Jornal Em Tempo digitalizado está disponível na base de dados do CSBH

Periódico, que circulou de forma impressa de 1977 até 2004, é uma preciosa ferramenta para quem quer conhecer a história da esquerda brasileira nas últimas quatro décadas. Projeto inovador e democrático, o jornal Em Tempo participou da formação de toda uma geração de combatentes socialistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook