Home / Conteúdos / Notícias / Cuba viverá etapa de mudanças políticas, indica jornal oficial Granma

Cuba viverá etapa de mudanças políticas, indica jornal oficial Granma

478396
Raúl Castro como o novo presidente da Assembleia Nacional, Esteban Lazo

Do site Opera Mundi

O novo mandato de cinco anos do atual presidente de Cuba, Raúl Castro, confirmado neste domingo (24) pela Assembleia Nacional do país, deverá ser dedicado à execução de reformas, inclusive com mudanças no comando político cubano, segundo indicações do jornal oficial Granma. Em reportagem, publicada nesta segunda-feira (25), o jornal informa que a iniciativa conta com o apoio do Comitê Central do Partido Comunista Cubano (PCC).

Raúl Castro, de 81 anos, acumula a Presidência da República e a primeira-secretaria do partido, em substituição ao irmão Fidel Castro, que renunciou ao cargo em decorrência de problemas de saúde, em 2008. Ontem, Fidel, que é deputado federal, participou da sessão na qual o irmão foi confirmado para mais um mandato presidencial.

O Conselho de Estado reelegeu Raúl Castro como presidente e designou Miguel Díaz-Canel, de 52 anos, como primeiro vice-presidente, no lugar de José Ramón Machado, de 82 anos. Para alguns analistas políticos, a nomeação de Díaz-Canel é uma sinalização do início das mudanças políticas em Cuba.

O novo presidente da Assembleia Nacional é Esteban Lazo Hernández, de 68 anos, que tem como vice-presidenta Ana María Mari Machado.

“É uma decisão de importância histórica especial [o conjunto de nomeações divulgado ontem] porque representa um passo decisivo na formação da futura direção do país por meio da transferência gradual e ordenada para a nova geração”, diz o texto do jornal Granma, informando estar reproduzindo o pensamento de Raúl Castro.

A reportagem completa do jornal oficial de Cuba pode ser lida aqui.

Veja também

Reino Unido continua vivendo impasse acerca da saída da União Europeia

Semana turbulenta no Reino Unido conforme se aproxima a data final para o país chegar a um acordo sobre sua saída da União Europeia, aprovado em um referendo em 2016 por uma pequena margem. Na última terça-feira (15) a proposta apresentada pelo governo da primeira-ministra Theresa May (Partido Conservador) foi rejeitada de forma contundente por 432 votos contrários e apenas 202 à favor, a maior derrota já sofrida por um governo na história da Grã-Bretanha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook