Notícias
Home / Conteúdos / Artigos / CUT nas ruas para derrotar a Emenda 3

CUT nas ruas para derrotar a Emenda 3

Jornal DS – 22. Central preparada para enfrentar ataques aos direitos.

Quando no poder no país, os neoliberais flexibilizaram direitos trabalhistas durante toda a década de 90. Derrotados nas urnas, a estratégia neoliberal, agora, é encaminhar sua agenda através de projetos de lei no Congresso Nacional. Foi com esse intuito que apresentaram a Emenda número 3 à recém criada Receita Federal do Brasil (também chamada de “Super Receita”).

A emenda criaria facilidades aos patrões para transformar seus funcionários em pessoas jurídicas, sem necessidade de assinar carteira de trabalho; e proibiria os fiscais do trabalho de cumprir seu papel de fiscalização. Na prática, desobrigaria os patrões de pagar 13º salário, férias remuneradas, descanso semanal remunerado, FGTS, licença-maternidade, vale-transporte, vale-alimentação e assistência médica e previdenciária. Esse poderia ser o mais duro golpe aos direitos da classe trabalhadora brasileira desde a reforma trabalhista de FHC.

O presidente Lula vetou essa emenda. Agora, os neoliberais do Congresso Nacional ameaçam derrubar o veto presidencial. Desde que foi anunciada essa possibilidade, a CUT iniciou mobilizações em todo o país. No dia 10 de abril, ocorreram manifestações nas capitais e grandes cidades. E a direção da CUT já anunciou: se o veto presidencial for levado à votação no Congresso Nacional, haverá greve geral no Brasil.

A CUT tem demonstrado sua importância enquanto maior central sindical do país, convocando mobilizações nacionais e buscando unidade entre as centrais para negociação com o Congresso. O chamado à unidade teve adesão de sete centrais sindicais. Falta apenas que os setores que romperam com a CUT venham, também, lutar contra a burguesia.

07cut-1
Nas ruas pelo veto. Ato em Porto Alegre foi um dos organizados pela CUT em todo o país

1º de maio de lutas
É nesse clima de luta, de mobilizações nas ruas e de chamado à unidade dos trabalhadores que celebraremos o 1º de maio neste ano. Será um momento de ampliar a convocação ao conjunto de trabalhadores e trabalhadoras do nosso país para que se juntem às mobilizações no Brasil inteiro.

Se, por um lado, a grande mídia tem apresentado apenas o lado do empresariado, o movimento sindical deve garantir a ampliação do chamado à luta por meio dos seus instrumentos de organização. O 1º de maio tem essa capacidade, pela sua simbologia e pelas atividades realizadas em todas as cidades onde o movimento sindical combativo está organizado.

Utilizar a imprensa sindical – que convoca as atividades de celebração desta data – para divulgar a agenda de luta contra a derrubada do veto à Emenda 3 é imprescindível. Derrotar nas ruas esse ataque da direita brasileira é fundamental para o passo seguinte, a ofensiva pela ampliação de direitos.

Outra luta a ser encaminhada pela CUT neste período é contra o Projeto de Lei Complementar PLP 01/2007, encaminhado pelo governo. Esse projeto objetiva limitar as despesas com pessoal, por 10 anos, ao índice da inflação mais 1,5%. Elimina, assim, as possibilidades de recuperação do serviço público brasileiro, sem realização de concursos públicos e desautorizando a Mesa Nacional de Negociação. Desta forma, o governo considera os servidores públicos como responsáveis pelo desequilíbrio fiscal do país, escamoteando o superávit primário destinado ao pagamento da dívida pública.

A CUT unificou as mobilizações contra o PLP 01 com a agenda de luta contra a Emenda 3. Ambas as propostas retiram direitos da classe trabalhadora e, portanto, devem ser duramente combatidas.

Veja também

Em defesa de direitos, milhares de trabalhadores estão em Brasília

Vindos de todas as regiões do país, milhares de trabalhadores e trabalhadoras se reúnem em …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comente com o Facebook