Home / Conteúdos / Artigos / Dia 28 de setembro é o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização

Dia 28 de setembro é o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização

Essas mulheres estão expostas a infecções, agravos clínicos e ao julgamento de uma sociedade que insiste em fechar os olhos e calar a voz daquelas que sonham em viver livremente.

Quando defendemos a legalização do aborto, defendemos o acesso a saúde, livre de preconceitos e discriminações. Defendemos, também, um Estado laico.

Mas, quando defendemos a legalização do aborto, queremos abrir a real discussão intrínseca a esse tema. Defendemos a autonomia das mulheres sobre seus corpos e suas vidas. Sonhamos e desejamos que a mulher viva sua sexualidade livremente, distanciando-a da imposição à maternidade.

Sabe-se que todos os métodos anticonceptivos guardam uma porcentagem de erro. De outro lado, precisamos evidenciar o fato de que muitas mulheres têm dificuldade de negociar abertamente os métodos anticonceptivos com seus companheiros. Isso não deve ser um aprisionamento a condições colocadas. Ser mãe deve ser uma opção.

Nossa sociedade insiste em associar maternidade a uma suposta “condição feminina”, relacionada ao cuidado, a atenção, ao carinho. Essas últimas, também integram um mix de características “naturalmente femininas”. Bem, de nossa parte, podemos dizer que cuidado também é trabalho e deve ser dividido por todos e todas. Em outro sentido, atenção, carinho e solidariedade devem ser eixos estruturantes de toda a sociedade, inclusive, parte das políticas públicas do Estado.

Para tanto, essa semana comemoramos através de luta, coragem, ousadia e mobilização, o Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização e Legalização do Aborto.

Dia 28 de Setembro, todos e todas evidenciamos a opção de uma sociedade radicalmente igualitária, libertária e solidária.

O Partido dos Trabalhadores tem a tarefa de publicizar essa bandeira, somando-se ao esforço do conjunto dos militantes que mobilizam e pressionam para nenhuma mulher morra ou seja presa por exercer o direito de autonomia sobre seus corpos.

Ana Cristina de Lima Pimentel ´e Secretária Estadual da Juventude do Partido dos Trabalhadores de Minas Gerais

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook