Home / Conteúdos / Notícias / Elizeu Presente!

Elizeu Presente!

É com profundo pesar que comunicamos o falecimento do companheiro Elizeu Rodrigues Gomes, Coordenador da Região Nordeste da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT (Contracs/CUT) e Presidente da Federação dos Trabalhadores, Empregados e Empregadas no comércio e serviços do estado do Ceará (Fetrace).

Um homem de baixa estatura, a quem nos habituamos a chamar carinhosamente de “baixinho da luta do povo”, e dono de uma capacidade gigante de lutar, negociar e construir, assim era Elizeu Rodrigues, ele tinha 59 anos e faleceu nesta quarta-feira (13/3) em consequência das complicações de um infarto ocorrido no dia 14 de fevereiro.

Membro da CUT Socialista Democrática (CSD) corrente interna da CUT e da Democracia Socialista (DS), tendência interna do Partido dos Trabalhadores (PT), Elizeu era um homem de sonhos altos quando se tratava de lutar pela classe trabalhadora.

Tendo uma formação de origem política no comunismo, Elizeu também sempre se preocupou em desenvolver a formação política da classe trabalhadora, transformando a sede da entidade num palco imenso de cursos e debates. Com uma habilidade única para negociar, sempre defendendo incansavelmente os direitos da classe trabalhadora, em especial os trabalhadores/as do comércio e serviços.

Nosso muito obrigado ao companheiro Elizeu, por sua vida, luta e dedicação na construção de uma sociedade justa e igualitária. Em nossas lutas estarás sempre PRESENTE!

Aos familiares, amigos e dirigentes da Contracs e da Fetrace, manifestamos nossa solidariedade.

Elizeu Presente!

Veja também

O que fazer? Construir e defender nosso modelo de relações de trabalho | Antônio Vicente e Miguel Rossetto

Entre as iniciativas do governo, o fim da política de valorização do salário mínimo, a apresentação da MP 881, convertida na chamada Lei da Liberdade Econômica e a MP 905, de novembro de 2019, anunciada cinicamente como um programa de emprego “verde e amarelo”, são em realidade textos de destruição de direitos trabalhistas, de limitação na fiscalização do trabalho e restrições as atividades do MPT.

Comente com o Facebook