Home / Conteúdos / Notícias / Entrevista: Raul Pont fala sobre a história do jornal Em Tempo

Entrevista: Raul Pont fala sobre a história do jornal Em Tempo

154194Entre os dias 21 e 22 de janeiro, a DS realiza seu primeiro Ativo Nacional de Comunicação. Como somos uma corrente que nascemos de um veículo de comunicação, o jornal Em Tempo, nada melhor do que revisar a história desse jornal no momento que a tendência se reúne para atualizar sua política de comunicação.

Pensando nisso, fizemos, por email, uma entrevista com o companheiro Raul Pont, onde ele conta um pouco da história desse jornal e debate a atualidade da comunicação na sociedade brasileira, após o advento dos novos meios de comunicação.

Nesta entrevista, o atual Deputado Estadual e presidente do PT gaúcho, conta como nasceu a ideia da fundação do jornal, os atritos com a cencura do regime militar e a evolução do jornal na formação de um grupo político, entre outros temas, em um importante relato histórico para a nova geração de militantes da DS.

 

Portal DS: Em uma época de censura (imposta ou voluntária) nos grandes veículos de comunicação do país, o papel de denúncia das atrocidades do regime militar e da divulgação de ideologias contrárias à do regime coube aos jornais alternativos. Como você vê a importância desses veículos para a esquerda brasileira naquele momento? 

Raul Pont: A partir de 68, com o AI nº 5, o regime, que já era autoritário, tornou-se mais arbitrário e ditatorial em relação à sociedade, ao Congresso, que já era uma farsa consentida, e aos meios de comunicação. A autocensura já existia pela cumplicidade dos meios com o regime. Com o fim das garantias individuais e do hábeas corpus, a situação piorou. Jornais eram suspensos, circulavam com grandes tarjas pretas, matérias inteiras eram substituídas por receitas de bolo, etc. Sobreviviam boletins e panfletos de pequenos grupos de resistência, dos partidos clandestinos. Todos de pequena tiragem, de curto alcance e circulação dirigida.

No final de 1972, buscando romper a censura da ditadura e a cumplicidade dos grandes, surgiu o Jornal Opinião, primeiro alternativo a ir para as bancas em escala nacional.  Havia jornais de bairro de pequeno alcance, não clandestinos, tratando de reivindicações e de temas das comunidades que não sofriam um controle diretamente e eram permitidos por seu pequeno alcance.

O Opinião expressava uma parcela do MDB mais autêntica e com vínculos empresariais, como um de seus mentores, Fernando Gasparian. Contava com jornalistas combativos(as) como Raimundo Pereira e intelectuais e professores(as) universitários(as) cassados como Fernando Henrique Cardoso e outros que atuavam no CEBRAP em São Paulo. O jornal tinha uma ligação editorial com o Le Monde para a cobertura internacional e estimulou a organização de grupos de apoio nos principais Estados. Espécie de sucursais para difusão, organização de apoiadores.

Ao sair da prisão, em dezembro de 72, encontrar o Opinião nas bancas foi um grande alento. Enfim, algo para ler. Com toda a censura de tarjas e recortes.O Opinião tinha, também, limites editoriais por sua composição e sustentadores. Mantinha viva a luta democrática, trazia fatos extremos que, por analogia, criticavam o regime e informavam um pouco mais que os jornalões das grandes capitais. Mais tarde, surgiu o Movimento, com Raimundo Pereira de editor. Mais ousado, mais popular. Menos tijolos de análise e mais notícias do povo, de estudantes e alguns sindicatos se mexendo e apontando novidades.

A derrota eleitoral da Arena em 1974 foi uma virada. O voto era contra a Arena, contra o governo. Na ausência de outra alternativa, o protesto desembocou no MDB e começaram a surgir novas lideranças mais combativas nas Assembléias, nas Câmaras Municipais e no Congresso. As entrevistas e as opiniões de vereadores(as) e deputados(as) esquentavam matérias e repercutiam acontecimentos.

A linha do Movimento mais ousada e popular procurava assentar-se em setores do MDB que defendiam posições democráticas e nacionalistas, buscava alargar divergências que começavam a aparecer no meio militar, entre “duros” e “legalistas” e setores submissos ao imperialismo e outros mais “nacionalistas”.

O jornal expressava a visão clássica da esquerda de apoio aos “setores progressistas” da burguesia e aos “nacionalistas” das forças armadas e de um discurso anti-imperialista vago e não classista.

O jornal teve um destaque e um papel importantíssimo nesse período. Estimulou sucursais e buscava apoiadores de forma mais orgânica e popular que o Opinião. As sucursais não eram monolíticas e coesas em torno de um único projeto editorial e esse debate foi crescendo e revelando fissuras até que uma cisão no Movimento criou as condições para o nascimento do EM TEMPO.

 

Portal DS: Durante os anos 70 foram fundados dezenas de jornais alternativos no país. Qual eram as principais diferenças do Em Tempo em relação aos outros?

Raul Pont: Como já falei, em todas as capitais e regiões do país ocorreram iniciativas locais e/ou regionais de impressos alternativos de associações de bairro ou de pequenos grupos que usavam entidades ou associações como fachada para jornais de reivindicação ou de denúncias e que, aos poucos, adquiriram uma feição mais opinativa, mais política. As grandes experiências, no entanto, de caráter nacional, foram o Opinião,  o Movimento e  o EM TEMPO que, deliberadamente, buscavam ser nacionais.

O Versus também cumpriu esse papel. Nasceu como um jornal de Cultura e difusão da América Latina com literatura, música, teatro, numa perspectiva de esquerda, crítica. Mais tarde, transformou-se num jornal mais de organização política com o controle editorial do jornal pela Corrente Convergência Socialista. Na primeira fase, seu principal editor era o jornalista Marcos Faerman. O Versus teve também caráter nacional.

Outro grande projeto regional foi o Coojornal, de uma Cooperativa de Jornalistas de Porto Alegre que constitui-se como editora, jornal e prestação de serviços jornalísticos e de publicidade. Manteve o jornal com grande qualidade jornalística, grandes reportagens e foi uma das mais ricas experiências de imprensa alternativa. Apesar de regional era reproduzida como fonte na grande imprensa e teve repercussão nacional.

O EM TEMPO nasceu como uma Cooperativa Jornalística. Nasceu de uma ruptura de pessoas que colaboravam com o Movimento, mas tinham divergências de linha editorial e da forma de funcionamento desse projeto. Defendiam um jornal que lutasse pela democracia, mas que já o fizesse numa perspectiva socialista, privilegiando a cobertura das lutas sindicais, da denúncia do caráter capitalista da ditadura, da propaganda ideológica do socialismo, da incorporação de temas novos e polêmicos como o feminismo, o combate ao racismo, a disputa ideológica via a cultura etc… As principais sucursais que deram origem ao EM TEMPO foram as de Minas Gerais e São Paulo, logo reforçadas pelas sucursais do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco. A ideia era de uma Cooperativa de Jornalistas, com sócios que entravam com recursos (cotas) e que, além disso, comprometiam-se de viabilizar o jornal com trabalho voluntário, militante. Havia também a categoria de sócios apoiadores(as), que comprava cotas, mas não tinha o mesmo direito de decisão daqueles(as) que militavam na sustentação do projeto.

O projeto era inovador, democrático, mas tinha pouca coesão programática e muito amadorismo administrativo. Como o jornal era uma grande frente jornalística, em cada sucursal já havia grupos pré organizados ou com pretensão de se organizar e todos(as) tinham uma visão programática de ter no projeto um instrumento de crescimento nacional.

Como o jornal nasceu quase junto com o Movimento pró PT e em seu interior essa proposta não era unânime, rapidamente as divergências sobre esse tema afloraram. O debate se era oportuno ou não o Movimento pró PT; se o jornal não deveria manter equidistância dos projetos partidários; a defesa de outros projetos na reorganização partidária que iniciava etc. Essa disputa quase inviabilizou o projeto que só sobreviveu quando unificou uma linha editorial pró PT e com a saída de vários(as) fundadores(as) e o fechamento de sucursais.

Na defesa do Movimento pró PT, o EM TEMPO ainda manteve um caráter de frente em torno desse projeto. Mas, aos poucos, a sobrevivência e a manutenção do jornal foi recaindo em torno de algumas sucursais com mais coesão política, com maior identidade. Daí é que nasceu o ORM-DS (Organização Revolucionária Marxista – Democracia Socialista). Na defesa do projeto jornalístico e na identificação da construção partidária em torno do Movimento pró PT.

A identidade entre os grupos que sustentavam as sucursais do RS, MG e São Paulo é que determinou a sobrevivência do jornal e a organização da DS, movimento que não se reconhecia como UM PARTIDO mas que queria ser parte da construção de um partido classista, um PARTIDO DOS TRABALHADORES. A identidade de um movimento estudantil (PELEIA, CENTELHA), a identidade do movimento sindical e a compreensão do papel de luta democrática para o socialismo foram elementos centrais da construção da DS, bem como sua visão internacionalista do combate ao capitalismo mundial.

 

Portal DS: Um dos episódios mais conhecidos da história do jornal foi a divulgação de uma lista com o nome de 233 torturadores, em 1978. Essa edição, que voltou a ter destaque recentemente, por conta da divulgação dos arquivos de Luis Carlos Prestes, foi a de maior repercussão do jornal e atraiu a ira de grupos de direita, que inclusive promoveram ataques às sucursais do “Em Tempo”. Como foi a decisão de fazer a divulgação dessa lista? A reação dos grupos de direita foi maior do que a esperada? 

Raul Pont: A denúncia do sistema, das torturas, das condições em que viviam os(as) presos(as) políticos e como eram tratados(as) estava no objeto editorial do EM TEMPO. Essa edição teve uma repercussão enorme. As listas foram elaboradas por presos(as) políticos(as), pela movimentação pela anistia e por setores da Igreja que em São Paulo dedicavam-se a levantar e organizar os dados, as informações.

No Rio Grande do Sul, conforme íamos colocando nas Bancas, em breve chegava a polícia para recolher. Mudamos de tática, não deixamos nada na sucursal que foi invadida na busca dos jornais. Transformou-se num fato político com repercussão pública, na Assembleia Legislativa etc. Pedro Simon, presidente do MDB gaúcho, foi à sucursal para prestar solidariedade, enfim, cumprimos o papel de denúncia. Foi a edição de mais tiragem e mais vendagem da história do EM TEMPO. Como a conjuntura já era outra, apesar da truculência, da invasão nas sucursais, não houve prisões nem fechamento definitivo do jornal.

 

Portal DS: Durante seus principais momentos, quantos colaboradores e quantas sucursais chegou a ter o jornal?

Raul Pont: O jornal contava com uma equipe em São Paulo, responsável maior pela edição, onde a maior parte era trabalho militante, voluntário. Foi decisivo para o jornal circular  a vinda dos(as) companheiros(as) de Minas Gerais, onde estava o grupo mais organizado e preparado para tocar o jornal. As primeiras edições estiveram sob a direção do Bernardo Kucinski. Para garantir a primeira fase do jornal, o papel do Flavio Andrade, do Nadai, que estavam na editora e gráfica que tirava o jornal de Pinheiros, foi decisivo.

A frente jornalística resistiu pouco tempo e se dependesse da maioria o EM TEMPO teria fechado. Foi a resistência e recusa da minoria em manter o EM TEMPO que garantiu sua sobrevivência. Nesse momento, a identidade entre as sucursais de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo foi decisiva. Mas, o jornal teve que mudar sua periodicidade, a definição pelo movimento pró PT restringiu seu alcance, diminuíram as sucursais, mas, voltamos a crescer com o crescimento do movimento pró PT.

Não tenho dados de cada sucursal, mas no Rio Grande do Sul tínhamos entre contribuintes e apoiadores umas cento e cinquenta pessoas e trabalhando na sucursal, todos voluntários, umas vinte, vinte cinco pessoas para distribuir o jornal, vender assinaturas, discutir e elaborar matérias regionais e fazer a difusão do Projeto. No nosso caso a frente também foi ampla, mas a definição pelo projeto PT fez com que perdêssemos pessoas. Alguns foram para o projeto do PDT como a Dilma, o Araujo e outros companheiros(as). Outros(as) foram para o PMDB, em menor número. Os(as) que ficaram, ingressaram no PT e a maioria na sua corrente interna, a Democracia Socialista – DS. Já vínhamos de um trabalho organizado no movimento estudantil, no setor jovem e na Tendência Socialista do MDB e isso facilitou nossa coesão em torno do projeto.

 

Portal DS: Diferente da maioria das publicações alternativas daquela época, o “Em Tempo” continuou sua história e deu origem à Democracia Socialista. Como foi o processo de transição do jornal para a construção de um grupo político? Qual a importância do jornal para a construção programática do movimento pró-PT?

Raul Pont: Para a Democracia Socialista, o EM TEMPO cumpriu o papel clássico do jornal – organizador partidário. Sua periodicidade, sua distribuição, sustentação e o debate de sua linha editorial organizaram a corrente. Já tínhamos uma identidade entre o Peleia (RS) e o Centelha (MG), assim como referências históricas e programáticas das experiências da ORM – Política Operária e o POC, assim como, fortes referências da obra do Mandel e do Trotsky.

A identificação do editorial com o Movimento pró PT, fez do EM TEMPO, assim como outros jornais de grupos que também assumiram o PT (Companheiro, Trabalho, Versus – na fase de controle da Convergência Socialista), um organizador da corrente DS como tendência interna do PT.

Desde o primeiro momento, sempre víamos o PT como um Partido e não como uma frente eleitoral ou frente política, algo tático para lá na frente romper ou sair maior do que havia entrado. Combatemos as visões e sempre defendemos a construção de PT como Partido, mas com direito de tendência, com direito das correntes internas serem reconhecidas e respeitadas em seu tamanho e com proporcionalidade nas direções partidárias.

Nossa corrente, a DS, cumpriu e cumpre um papel relevante na construção do PT por sua visão estratégica socialista, sua visão sobre o papel da luta democrática na construção do socialismo e na forma como construímos a democracia petista em seus estatutos e organização.

 

Portal DS: Com o fim da ditadura militar, começamos a perceber o aparecimento de uma espécie de “ditadura midiática”, que durante anos foi a grande responsável pela disseminação do chamado “pensamento único” na sociedade brasileira. Nos últimos anos, o aparecimento das novas tecnologias de comunicação, com destaque para os blogs e para as redes sociais, fez surgir a possibilidade de se fazer um contraponto ao poder da grande mídia. Na sua opinião, qual a importância desses veículos alternativos no contexto atual da nossa sociedade? 

Raul Pont: No Brasil, a forma como foram distribuídas as concessões públicas de rádio e TV constituiu grandes monopólios familiares, o que, num país desta dimensão, fortaleceu oligarquias regionais e os interesses do grande capital. Assim, os “donos” da mídia exerceram durante décadas um poder superior ao de decidir o que publicar: a decisão do que não será publicado, tornando invisíveis e inaudíveis as opiniões divergentes, os movimentos e os partidos de esquerda. Ainda hoje muito deste poder se mantém.

O surgimento da internet já no início da década de 90, sua massificação na década atual, nos propiciam um conjunto de ferramentas que nos permitem desenvolver “uma outra comunicação possível”. O papel que os blogs e as redes sociais vêm desenvolvendo hoje vai muito além de um mero espaço informativo. Têm se revelado num potente instrumento de mobilização, debate e reflexão seja através de um vídeo, um artigo ou numa síntese de 140 caracteres. Neste cenário, os movimentos sociais, os partidos de esquerda ganham capacidade de fazer o contraponto imediato à mídia tradicional, um contraponto que não se limita mais à tiragem de um boletim ou de um panfleto, mas que se expande numa verdadeira conexão global. São exemplos disso a Primavera dos Povos Árabe o movimento por democracia real já, na Espanha.

Daí a importância dos investimentos que garantam a expansão da banda larga gratuita de qualidade a todas as regiões do país, com pontos de acesso público (lan houses, telecentros e pontos de cultura). Iniciativas como estas, somadas a um novo marco regulatório da mídia, se traduzem na possibilidade concreta de democratização da comunicação no Brasil.

 

Portal DS: Na sua opinião, quais os principais desafios da DS na adaptação de sua comunicação aos novos tempos?

Raul Pont: Nossa corrente política tem o desafio de se fazer presente neste novo cotidiano digital. Isso significa lançar mão de todas as ferramentas e canais de comunicação que as redes sociais colocam à nossa disposição. Temos que ter a capacidade de traduzir nossa reflexão política e programática na linguagem própria destes novos meios, sem abdicar do conteúdo que sempre nos diferenciou. Ao mesmo tempo em que entramos com força nesse ambiente virtual temos o desafio de manter uma comunicação impressa com uma periodicidade mais larga, dentro da compreensão de que ainda há muito que avançar em termos de inclusão digital.

Veja também

Feminismo de esquerda é tema de debate rumo ao encontro setorial de mulheres

Como parte de um processo coletivo e aberto de preparação para o Encontro Secretaria de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook