Home / Temas / Brasil / Jornada Lula Livre de 07 a 10 de abril | Rosane Silva

Jornada Lula Livre de 07 a 10 de abril | Rosane Silva

No dia 16 de março realizamos o primeiro Encontro Nacional Lula Livre no Sindicato dos Metroviários de São Paulo, onde reunimos mais de 1.500 lideranças de norte a sul do nosso país e que teve como objetivo central organizar e fortalecer a campanha Lula Livre no Brasil. Uma das nossas grandes tarefas no próximo período é realizar a Jornada Lula Livre de 07 a 10 de abril. No dia 07 completa um ano da prisão injusta do presidente Lula e dia 10 está marcado o julgamento sobre prisão em 2a instância no STF.

Nesse sentido, a orientação do Comitê nacional é que realizemos atividades, atos políticos, diálogos com a sociedade, ocupar as praças públicas, ações nos nossos locais de moradia, locais de trabalho, com o tema Lula Livre, falando com o trabalhador e a trabalhadora que sofre agora com a ameaça da reforma da previdência, que retirará direitos da maioria da população brasileira. E sabemos que Lula foi preso pois, se estivesse solto hoje, ele estaria na presidência do nosso país e não teríamos uma reforma da previdência danosa ao nosso povo. Nesse sentido, no dia 07 realizaremos atos em todas as capitais, sendo dois deles de caráter nacional: o de Curitiba e o de São Paulo. Em Curitiba nosso ato será as 11 horas e contaremos com a presença do nosso candidato a presidência da República Fernando Haddad e com a presidenta do Partido dos Trabalhadores Gleisi Hoffmann. No de São Paulo o ato político será ao final do dia.

Por isso, é fundamental que busquemos massificar os Comitês Lula Livre em todas as cidades do nosso país, em nossos locais de moradia e trabalho, dialogando com o povo trabalhador o significado dessa prisão injusta do presidente Lula. Só com Lula Livre teremos nossos direitos garantidos.

Você pode ler a circular do Comitê Nacional Lula Livre clicando aqui.

Rosane Silva é representante da CUT na Secretaria Nacional do Comitê Lula Livre.

Veja também

Petróleo, guerra e corrupção: para entender Curitiba | José Luís Fiori e William Nozaki

Essa consciência coletiva de que o petróleo é um recurso indispensável à segurança estratégica dos países acabou consolidando uma parceira indissolúvel entre seus Estados-nacionais e suas empresas petroleiras, na luta pela expansão e monopolização dos recursos e dos mercados petroleiros.

Comente com o Facebook