Home / Conteúdos / Artigos / Lugo abre arquivos da ditadura

Lugo abre arquivos da ditadura

Cumprindo uma de suas promessas de campanha, o governo do presidente do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, anunciou na quarta-feira a abertura de todos os arquivos militares do país, que a partir de agora estarão à disposição de tribunais locais e internacionais que estejam investigando crimes cometidos pelas ditaduras do Cone Sul. O feito foi qualificado como histórico pelos parentes de vítimas.

Do Portal Vermelho (www.vermelho.org.br)

Cumprindo uma de suas promessas de campanha, o governo do presidente do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, anunciou na quarta-feira a abertura de todos os arquivos militares do país, que a partir de agora estarão à disposição de tribunais locais e internacionais que estejam investigando crimes cometidos pelas ditaduras do Cone Sul. O feito foi qualificado como histórico pelos parentes de vítimas.

A decisão de Lugo foi comemorada por organizações de defesa dos direitos humanos, que em agosto do ano passado entregaram ao presidente o relatório final elaborado pela Comissão de Verdade e Justiça, no qual era solicitado o acesso aos documentos.

Para representantes de ONGs locais, a existência dos arquivos militares, que estão no porão do Ministério da Defesa, em Assunção, não é uma novidade. Uma equipe comandada por Martín Almada – que em 1992 revelou os chamados Arquivos do Terror, sobre a repressão por parte da ditadura de Alfredo Stroessner, entre 1954 e 1989, e sua parceria com governos militares da região – descobriu os papéis escondidos no Ministério em novembro de 2008 e desde então trabalhava em silêncio.

Para o advogado, vítima da ditadura de Stroessner (foi sequestrado em novembro de 1974), “a iniciativa do governo Lugo deveria servir de exemplo para todos os governos do continente”.

“Muitos países, entre eles o Brasil, deveriam seguir este exemplo”, enfatizou Almada, um dos primeiros sobreviventes da ditadura a denunciar a chamada Operação Condor, o plano de ação conjunta entre os regimes militares sul-americanos, nas décadas de 70 e 80. “Encontramos novos documentos que provam a colaboração entre as ditaduras da região. Isto é inédito. O fato de as Forças Armadas abrirem seus arquivos vai ajudar muito a investigação da Operação Condor (…) e vai ajudar a Justiça internacional na Espanha, Argentina, Chile e França”, colocou.

A abertura dos arquivos acontece quando a Justiça paraguaia investiga uma possível cova clandestina no sul do país, onde estariam enterrados sete desaparecidos desde 1960. O local foi denunciado por um homem que escapou da polícia repressiva e disse que seus companheiros foram enterrados ali.

Essa é a terceira escavação neste ano que tenta descobrir as centenas de desaparecidos durante o regime de Stroessner, que segundo organismos independentes é responsável por mais de 900 assassinatos e milhares de casos de tortura. “É um grande avanço. Isso se passou há 30 ou 40 anos e ficou impune, mas isso tem que acabar, temos que saber a verdade e que a Justiça aja”, concluiu Almada.

Atualmente, os Arquivos do Terror estão no Palácio de Justiça de Assunção e podem ser consultados por paraguaios e estrangeiros. Após encontrarem cerca de 10 mil fichários e papéis soltos no Ministério da Defesa, os pesquisadores paraguaios obtiveram a coperação da ONU, que fornceu tecnologia necessária para organizar a papelada.

Norma Barrios, responsável pelo processamento de documentos, destacou que, no acervo, cerca de 200 pastas contêm informações sobre o papel dos militares na repressão durante a ditadura Stroessner. “Encontramos documentos que falam do G2, o grupo de inteligência encarregado de colocar em prática a Operação Condor, que podem servir nas investigações”, afirmou.

 

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook